quinta-feira, 11 de novembro de 2010

Racing Club de Lens

O Lens, assim como tantos outros clubes pelo mundo, nasceu de alguns garotos da cidade homônima, que se organizavam para a prática do esporte recém-criado na Grã-Bretanha. Esse costume começou em 1905 e, no ano seguinte, a agremiação seria registrada.

O nome, Racing Clube de Lens, tem a ver com a influência dos ingleses na época, além de certa inspiração no Racing Clube da França e de Paris, os dois maiores times do país naquele momento da história.

As cores atuais do clube (vermelho e amarelo) foram decididas apenas na década de 1920, depois de muitas mudanças. A idéia foi do então presidente Moglia, mas existem duas teses diferentes para a escolha.

A primeira conta que a opção foi por causa das cores da bandeira espanhola, país que chegou a ocupar aquela região da França no século 12. A segunda, e mais plausível, é que tenha sido inspirada nas minas da cidade, maior fonte de riqueza dos moradores. O vermelho representaria o sangue dos trabalhadores que já morreram no local e o amarelo o ouro de lá retirado.

Até ali, dentro de campo, o clube não tinha conseguido nenhum feito memorável. Não disputava a Copa da França e conseguia alguns escassos triunfos em torneios regionais. Seu grande patrimônio em crescimento era a torcida, que, cada vez mais, se interessava pelo futebol.

Tanto que, no fim da década de 1920, ajudou a agremiação a construir seu atual estádio. O Felix Bollaert, que é utilizado até hoje foi inaugurado em 1932.

Dentro dos gramados, o primeiro momento notável foi em 1937, quando o time ascendeu à primeira divisão depois de conquistar a série de acesso. Nos anos iniciais entre os melhores, como não poderia deixar de ser, o Lens não teve papel de destaque.

A situação não melhoraria depois da paralisação para a Segunda Guerra Mundial. No retorno, em 1945/46, o time chegou a conseguir um sexto lugar, mas logo caiu em desgraça na temporada seguinte. Terminou em 17º e foi rebaixado pela primeira vez em sua história.

Precisaria, então, de dois anos para retornar. Antes disso, chegaria à final da Copa da França, seu melhor resultado esportivo até então. Perdeu por 3 a 2 para o poderoso Lille.

Era um presságio para o que aconteceria na década de 1950. Durante três anos (de 1954/55 a 1956/57) o Lens esteve perto de conquistar o Campeonato Francês. A melhor oportunidade foi em 1956/57, quando terminou cinco pontos atrás do Saint-Étienne, campeão.

Essa estabilidade sofreria um trauma no começo dos anos 1960. Isso porque, nessa época, a mina de ouro que existia na cidade de Lens foi fechada. Os jogadores, trabalhadores do local em sua maioria, deixaram o município em busca de nova ocupação e a agremiação entrou em crise.

A má situação culminou no rebaixamento à segunda divisão em 1967/68, quando o time terminou o Francês na 17ª colocação. O fundo do poço chegou em 1970, já que o Lens, abandonado, retornou à condição de amador.

Recuperaria-se, então, com o apoio da câmara municipal, que reabriu o estádio Bollaert e incentivou o Lens. Ainda na segunda divisão, o time chegou às semifinais da Copa da França em 1971/72. Um ano depois, voltaria à primeira divisão.

Em 1974/75, mais um momento de destaque. Com um sétimo lugar no Francês, o Lens se dedicou à Copa da França e, mais uma vez, chegou à decisão. Foi derrotado pelo Saint-Étienne, mas ia, aos poucos, atestando a renovação.

O auge dessa fase viria em 1976/77, quando o Lens superou o Bastia na fase final do certame e terminou com o vice-campeonato, atrás apenas do líder Nantes. O bom momento seria interrompido por mais uma queda, em 1977/78.

O retorno foi rápido, mas, mais uma vez, o Lens se estabelecia como uma equipe média da França. Durante toda a década de 1980, teve dificuldade para conseguir bons resultados, permanecendo apenas entre os times razoáveis do país.

Nos anos 1990, depois de breve passagem pela segunda divisão em 1989/90 e 1990/91, o clube começou uma fase ascendente. Seu auge foi na segunda metade do período, quando conseguiu seu primeiro título nacional de maneira heróica.

Na temporada 1997/98, terminou o Campeonato Francês empatado em pontos com o Metz. Ficou com a taça, então, apenas pelo número de gols marcados (55 contra 48). No ano seguinte, mais uma glória de destaque. Novamente contra o Metz, o Lens conseguiu a Copa da Liga Francesa.

A geração mais vitoriosa da história do clube ficaria pelo caminho com o assédio de outros clubes aos melhores valores do time. Seu momento mais destacado daí em diante foi a semifinal da Copa da Uefa em 1999/00, sendo eliminado apenas pelo poderoso Arsenal.
O clube não foi bem na temporada 2007/2008 e acabou sendo rebaixado. Na temporada 2008/2009 o Lens disputa a segunda divisão do Campeonato Francês. Retorna na temporada seguinte a divisão principal.

Títulos

Campeonato Francês:  1997–98
Campeonato Francês – Segunda Divisão: 1936–37, 1948–49, 1972–73, 2008–09
Copa da Liga Francesa: 1998-99

Estádio

O Stade Félix Bollaert é um estádio localizado em Lens, na França. É a casa do time de futebol RC Lens e pode abrigar até 41.229 espectadores.
Construído em 1932, leva o nome do diretor comercial da empresa mineira de Lens, Félix Bollaert, que incentivou o início dos clubes de futebol da cidade.
Foi reformado para a Copa do Mundo de 1998, quando recebeu seis partidas, incluindo um jogo das Oitavas de Final entre França e Paraguai, que terminou 1 a 0 para os donos-da-casa, com o gol de ouro.
O estádio (único em estilo inglês na França) é motivo de orgulho na pequena cidade. A capacidade do estádio é maior que a população de Lens (36.206 habitantes).
O estádio recebeu partidas da Eurocopa 1984, e das Copas do Mundo de Rugby de 1999 e 2007.

Hino

Hé tiot y vont m'abimer
min Bollaert, min préféré
cha fait du mal à min cœur
ché comme ça tout disparait

Pa' t'en fait pas tu verras
ton stade tu le retrouveras
pour la coupe du monde tu sais
on a été désigné

Depuis qu'j'étos p'tit gamin
j'allos dins l'tribune trannin
tous les bulldozers té vos
tous les bulldozers j'voudros
les casser

(Refrain)
Mon vieux Bollaert
on ne pourra jamais t'oublier
Mon vieux Bollaert
une petite larme a coulé
Mon vieux Bollaert
puisqu'ils veulent te refaire une beauté
même à coups de pelle, à coups de pioche c'est pareil
tu resteras le stade Bollaert quand même

Hé min tiot ché pas facile
Delacour Xercès Lepaniou (nom des tribunes;orthographe à vérifier!)
Cha fejos partie d'em ville
qu'y démolissent' à gogo

Ta nostalgie oh je la comprends
pa' il faut qu'on soit comme des grands
t'auras ta place réservée
au restaurant VIP
j'te l'promets

(refrain)
bis
la la la


Alcunhas Les Sang et Or

Mascote
A mascote do Lens é um cachorro malhado, vestido com as cores da agremiação. A escolha foi feita pelos torcedores pelo elevado número de espécimes do animal que circulam sem dono na cidade homônima.

Site

http://www.rclens.fr/