segunda-feira, 9 de novembro de 2009

Sport Club Germânia


O futebol foi o motivo da fundação do Sport Club Germania em 7 de setembro de 1899, quando o jovem alemão Hans Nobiling reuniu seus companheiros para criar uma agremiação que servisse à colônia alemã, inspirada no clube Germania de Hamburgo. Além de Hans Nobiling participaram da fundação do clube, os irmãos Wahnschaffe, A. Ravache, 0. Behmer, Guilherme Kawall, Jorge Riether, Witte, Ernst Deininger e outros.


Antes da aquisição do terreno atual, os treinos passaram por campos alugados no Bom Retiro, Mooca e no Parque Antártica.

Dois anos mais tarde, esse clube viria a ser um dos criadores da Liga Paulista de Futebol. Já em 1903, o Germania, o Internacional, o São Paulo Athletic, o Mackenzie College e o Clube Athlético Paulistano formavam os cinco grandes do futebol paulista. Nesse mesmo ano, quando os treinos na Chácara Dulley já haviam sido transferidos para a Chácara Witte - ambas no Bom Retiro, berço do futebol paulista - o Germania surgiu com a primeira surpresa do campeonato estadual: Hermann Friese.

Pelos seus dotes físicos, Friese era capaz de jogar em qualquer posição, aparecendo com igual eficiência tanto na defesa como no ataque. Era um alemão recém-chegado, considerado pelos estudiosos como precursor do futebol-força. Isso porque conjugava a arte do drible, a suavidade no trato da bola, com a dureza em relação aos adversários.

Ao lado de jogadores como Muus, Tommy Rittscher, Thiele Gerhardt e outros, que formavam uma equipe marcada pela disciplina, Friese representou uma verdadeira revolução no Germania. Sua figura predominava tanto no futebol quanto no atletismo, nos quais conquistou várias medalhas e empolgou o mundo esportivo de São Paulo.

Considerado um atleta completo e verdadeiro fenômeno, Hermann Friese, antes de vir para o Brasil, participou de competições internacionais de esportes atléticos em Berlim, Praga e outras capitais européias.

Friese contribuiu para o futebol paulista como jogador e técnico, destacando-se o fato de ter iniciado aquele que veio a ser o primeiro "herói nacional" do futebol brasileiro, Arthur Friedenreich que permaneceu três anos no Germania, para posteriormente conquistar o apogeu no Clube Paulistano.

Durante os onze anos que se seguiram à chegada de Hermann Friese, o Germania teve um time de craques de primeiríssima qualidade. Mas o cenário paulista dos grandes clubes era de tal forma competitivo que as disputas não se restringiam ao campo. Verdadeiras batalhas políticas eram travadas entre entidades associativas, dividindo os clubes e os torneios.

De um lado, havia a Associação Paulista de Esportes Athléticos que congregava, clubes como o Paulistano, o Palestra Itália e outros mais. De outro, a Liga Paulista de Futebol integrada pelo Americano, Ypiranga, Internacional, Germania e Corinthians.

Nos primeiros campeonatos teve classificações modestas, ficando sempre entre os últimos. Porém, a partir de 1903, passou a contar com Hermann Friese, um alemão que, devido à sua refinada técnica e surpreendente variedade de jogadas em campo, se tornou o primeiro craque da história do futebol brasileiro. Com ele, o time começou a se destacar e em 1905 terminou como vice-campeão. Em 1906 conquistou seu primeiro título, com sete vitórias e uma única derrota e ainda deixando o desafeto Internacional com o vice.

Depois do vice-campeonato de 1908, só voltou a se destacar com a conquista do campeonato de 1915, porém em um torneio esvaziado, organizado pela Liga Paulista de Foot-Ball, com apenas o Internacional como time de renome. Paulistano, A.A. das Palmeiras, Ypiranga e São bento estavam em outra liga.
Em 1916 o Germânia abandonou o campeonato da liga, só voltando a disputar o Paulistão em 1921, terminando em último. Após muitas campanhas apagadas, só voltaria a ser vice-campeão em 1926, no campeonato organizado pela Liga dos Amadores de Futebol, com a participação exclusiva de clubes pró-amadorismo.
Em 1931 ficou na última posição entre os catorze disputantes, e em 1932 numa honrosa quarta posição.


A equipe viu-se obrigada a mudar de nome no decorrer da Segunda Guerra, quando o governo do Brasil proibiu que equipes existissem com nomes de outros paises — desta forma, o Palestra Itália de São Paulo tornou-se a Sociedade Esportiva Palmeiras, o de Minas Gerais tornou-se o Cruzeiro Esporte Clube, o Hespanha Foot Ball Club, da cidade de Santos, tornou-se o Jabaquara Atlético Clube e o Sport Club Germânia tornou-se o Esporte Clube Pinheiros.


Desligou-se em 1933 devido ao avanço do profissionalismo. O futebol do Germania/Pinheiros mantém até hoje sua opção pelo amadorismo.

Títulos

Campeão Paulista de 1906 e 1915

Site
http://www.ecp.org.br/futebol