quarta-feira, 3 de junho de 2009

Operário Ferroviário Esporte Clube

O Operário nasceu da fusão do time da Rede Viação Paraná-Santa Catarina e alguns jogadores do Riachuelo Sport Clube. Existe a versão de que o clube surgiu do Tiro de Guerra.Historicamente ficou definida a data de fundação do clube clomo 1º de maio de 1912, mas não existe nenhum registro oficial. No dia 07 de abril de 1913, o jornal DIÁRIO DOS CAMPOS trouxe a seguinte matéria em sua primeira página:

“Temos a honra de levar ao vosso conhecimento que hoje, em Vila Oficinas, com grande número de pessoas propensas a fundação de uma sociedade esportiva de foot ball, em sessão ordinária foi eleita a primeira diretoria desta associação denominada de Foot Ball Clube Operário Pontagrossense, que deverá reger os destinos do mesmo durante o primeiro ano de sua fundação.”


Os registros apontam para os seguintes nomes dos fundadores do novo clube: Raul Lara, João Simonetti, Joaquim Eleutério, Victorio Maggi, Oscar Marques, Henrique Piva, Michel Farhat, João Holzzmann Júnior, Ewaldo Meister e Alexandre Bach.


O primeiro Time – 1913
Em 1913 foi formado o primeiro time da história do Operário para as disputas de jogos amistosos e das primeiras competições locais e estaduais. A escalação da equipe, neste ano, foi a seguinte: José Moro, Pedro Azevedo, Alexandre Bach, Henrique Piva, João Simonetti, Souza, Ewaldo Meister, Adolfo Piva, Holger Mortensen e Ernesto.


Fusão em 1933
O nome Operário Ferroviário Esporte Clube, como é conhecido hoje em dia, surgiu da fusão entre o Operário Sport Club e o Club Atlético Ferroviário, que era o grêmio dos funcionários da Rede Ferrovioária. Na reunião realizada em 15 de maio de 1933 presidida por Luiz Guimarães, ficou decidido as cores preta e branca e o nome atual. Participaram da reunião 48 associados.A influência dos ferroviários foi decisiva para a formação das equipes de futebol que representaram o clube e também para o crescimento do patrimônio, uma vez que o local onde hoje está erguido o Estádio Germano Kruger pertenceu à Rede Ferroviária, bem como os terrenos da sede social.


Principais Títulos
1916 – Campeão da Liga Sportiva Paranaense. As equipes foram divididas em 1ª divisão, somente com os times da Capital e 2ª divisão com equipes da Capital e Interior.
1927 – Campeão do Torneio Início da Divisão Principal ganhando do Coritiba no Estádio Joaquim Américo por 3×2 e o Palestra Itália por 1×0. O time formou com: Stacco, Scarpim, Mizael, Chicharrão, Elísio, Gabriel, Zé Macaco, Nico Ramalho, Ernesto, Nhoco e Chico Santi.
1949 – Foi denominado “time da raça” ao vencer a Taça Ponta Grossa.
1953 – Conhecido também como “campeoníssimo do Centenário.
1956 – Este ano marcou o início do profissionalismo, conquistando o Torneio Início do Estadual ao vencer na decisão o Água Verde.
1961 – Principal título da história do clube, Campeão da Zona Sul.
1969 – Último título do profissionalismo, campeão da Segundona.


Grandes Campanhas
Entre altos e baixos em suas campanhas dentro do futebol profissional, o Operário Ferroviário, desde os anos 50 e 60 é conhecido como FANTASMA DA VILA, por assombrar os grandes clubes da Capital.Em 1979, aproveitando o inchaço de clubes no Campeonato Brasileiro promovido pela antiga CBD, o clube participou pela primeira vez de uma competição nacional.Em 1981, o Operário participou do quadrangular final do Campeonato Paranaense, com grande campanha.Em 1989, voltou a disputar o Campeonato Brasileiro, na segunda divisão e em 1990 ficado em 3º lugar, faltando pouco para chegar à Primeira Divisão.Entre 1990 e 1992 o clube ficou entre os três primeiros colocados no Campeonato Paranaense, assustando novamente os grandes da Capital.


Parceria e Novos Caminhos
Com o afastamento do futebol profissional pela situação econômica difícil o clube procurou se reestruturar financeiramente. Em 1999 surgiu a parceria com o Ponta Grossa Esporte Clube e a formação do Operário/Ponta Grossa, colocou novamente o nome do clube em evidência no cenário esportivo. A parceria foi renovada para o Campeonato Paranaense 2000 e com isto o clube procurava novos caminhos, mas a parceria foi desfeita logo após a desclassificação da equipe logo na primeira fase, analisando que esta só estava sendo benefica para um lado, o do Ponta Grossa Esporte Clube de Mikulis. O objetivo da diretoria foi o de investir em sua estrutura social para poder viabilizar sua manutenção e estudar novas possibilidades para o futuro. Em 2004 surge uma nova parceria, desta vez com a Prefeitura Municipal, que restaurou o Estádio. Foi formado um grupo gestor entre a diretoria do OFEC e a prefeitura. O time disputou a série prata e não passou da primeira fase. Em 2005 e 2006 o clube disputou o campeonato com suas próprias pernas, ficando mais uma vez sem o Acesso. Em 2007, foi formado uma parceria do a Instituição Garagem da Esperança, que é quem vai gerir o futebol do clube.

Em 2008, um novo Grupo Gestor assumiu o departamento esportivo do clube, comandado por Chico da Bracol. O grupo se comprometeu a dividir todas as receitas vindas do futebol, com o Clube, além de manter até outubro de 2010, as categorias de base, além do time profissional. No final de 2008 o Clube lutou na justiça desportiva, contra a punição sofrida (1 ano de suspensão), em função do incidente ocorrido no último jogo da segunda divisão do campeonato paranaense de 2008. Felizmente para a torcida Operariana, o clube foi absolvido, e jogará o campeonato paranaense da segunda divisão de 2009.


Estádio


Estádio Germano Krüger

Capacidade: 12 mil espectadores

Foi inaugurado em 12 de outubro de 1941 e tem capacidade para aproximadamente 13 mil torcedores.
O estádio é usado pelo Operário Ferroviário Esporte Clube (Ofec). Seu público recorde foi 18.562 pagantes num jogo entre Operário 2 - 3 Coritiba em 1975.


Mascote



Site