sexta-feira, 7 de janeiro de 2011

Club Atlético Colón

Apesar de não possuir nenhum título nacional na bagagem, o Colón de Santa Fe, maior torcida de sua cidade de origem, é mais um daqueles pequenos clubes a conquistar aos poucos, de baixo, seu espaço no futebol dos hermanos.
O clube, fundado em 1905, entrou para a AFA (federação argentina) apenas em 1947, já tendo atuado até então por diversas temporadas nas divisões menores, até sua vitória na segundona, em 1965, que garantiu sua promoção para a Primera División, onde já figuraram diversas vezes e ainda brigam por espaço.
A equipe de Santa Fe, comandada desde 2007 pelo argentino Antonio ‘El Turco’ Mohamed, não tem decepcionado sua torcida, e realiza campanhas instáveis, mas pouco a pouco melhores nos Apertura e Clausura argentinos. Neste início de 2009, se manteve desde o princípio entre os primeiro colocados, e aproveita a má fase dos grandes, como Boca Juniors e River Plate, para assegurar uma colocação entre os três primeiros.
Deixando para trás o maior rival local, Unión de Santa Fe, o Cólon já não entra em campo contra o adversário há muito tempo. Em suas melhores campanhas, os Sabaleros terminaram entre os três colocados em duas ocasiões: na vice-liderança, no Apertura 1997, e em terceiro, no Clausura 2000.
Em 1997, atuou pela primeira vez na Copa Conmebol, e, no ano seguinte, participou da Copa Libertadores da América, avançando até as quartas-de-final, quando foram eliminados pelo River Plate. Em 2003, foi sua vez de participar da Copa Sul-americana.
História
Apesar de ser uma equipe bem menos tradicional que as os adversários, o Colón possui o décimo estádio do país, Estadio Brigadier General Estanislao López, com capacidade para 32 mil torcedores.
O clube, que completará 104 anos em maio, foi fundado por estudantes que, em homenagem ao descobridor das Américas, chamaram-no de Colón (Colombo, em espanhol). Porém, os primeiros anos da história da equipe de Santa Fe não é conhecido, pois só há documentação dela a partir da década de 20.
No ano de 1964, em comemoração à subida para a segunda divisão, o Colón recebeu o clube paulista Santos, de Pelé (que marcou o gol da equipe brasileira), em jogo que venceu por 2 a 1, de virada. Seguindo a onda de boa sorte, o time derrotou também a própria seleção nacional, após ter tido quatro anos de invencibilidade total (entre 1948 e 1952) atuando em casa, o que fez com que o antigo estádio “Eva Perón”, que posteriormente recebeu o nome atual, fosse alcunhado de “El Cemeterio de los Elefantes”, por lá derrubarem os grandes. O nome pegou, e hoje já conhecido por todos os torcedores. Outras equipes a sucumbirem ante o então modesto grupo foram Peñarol do Uruguai, e Millonarios, da Colômbia.
Após polêmica questão sobre sua subida à segunda divisão em 1965, o Colón não fez feio e, em ótimo desempenho, venceu e ascendeu à primeira, de onde só viria a cair novamente em 1981, em partida contra o Boca Juniors. Deixando escapar por pouco a ascensão em 1989, sendo derrotado pelo maior rival, Unión, só conseguiu se juntar outra vez à elite seis anos depois, onde se mantém.
Alguns bons jogadores que já passaram por El Cemeterio e deixaram sua marca foram o colombiano Freddy “Totono” Grisales, grande criador de jogadas, sendo o cabeça do meio-campo da equipe santafesina. Também contaram com o bom atacante Darío Gandín, artilheiro do time em 2007. Mas foram jogadores que deixaram o time antes da atual temporada. Hoje, contam com o veterano Esteban Fuertes, Cláudio Henría e Alejandro Capurro.

Títulos

Segunda División Argentina  1965
Campeón Torneo Octogonal 1995
Torneo Clausura 1997

Estádio

O Estádio Brigadier General Estanislao López, conhecido como Cementerio de Elefantes, é o estádio do Club Atlético Colón. Localizado em Santa Fé, Argentina, conta uma capacidade de 36.500.

Site

http://www.clubcolon.com.ar/