quinta-feira, 18 de setembro de 2008

Desportiva Capixaba S.A.

Até o início da década de 60, a companhia Vale do Rio Doce tinha pelo menos de seis agremiações esportivas a ela ligadas. Algumas disputavam os campeonatos de futebol profissional com os outros clubes e, como o esforço da empresa precisava ser dividido por todas, terminavam sendo equipes pequenas.
Já em 1960 a vontade de transformar todas as seis agremiações em uma única era muito forte entre os dirigentes de fundir tudo, isso acabou sendo feito no dia 17 de julho de 1963, quando foi oficialmente fundado o clube Desportiva Ferro
viária com a fusão de A.A. Vale do Rio Doce, Ferroviário S.C., Cauê, E.C. Guarany, A.E. Valeriodoce e Cruzeiro F.C..
Antes, porém da data de fundação do novo clube, um longo e exaustivo trabalho precisou ser feito para que os associados e dirigentes dos antigos aceitassem a existência da Desportiva Ferroviária ao preço do fim de suas agremiações. O ponto principal da questão a ser discutida era a manutenção dos direitos dos associados dos seis clubes no que seria criado.
O Engenheiro Eliezer Batista da Silva, então Superintendente do Departamento da Estrada da CVRD, resolveu por intermédio da portaria interna número 19/59, de 18 de setembro de 1959, nomear uma comissão constituída por João Linhares ( engenheiro), Arthur Dias Pimenta ( advogado), José Ribeiro Martins ( engenheiro), Pérsio Nascimento ( chefe do serviço) e José Vicente Farias ( economista) para estudar a fórmula capaz de atender aos interesses de todos “sem quaisquer prejuízos aos direitos das agremiações e de seus associados”, como explicava o documento, e criar o clube que uniria todos.
Em 07 de novembro de 1959 a comissão, cumprindo determinações recebidas da Superin
tendência encaminhava a ela a conclusão de seus estudos, dizendo que o clube único poderia ser criado “sem criar posições privilegiadas”, através da manutenção de um tratamento igualitário para todos os na época existentes.
Mas entre a conclusão dos trabalhos, datada de 07 de novembro de 1959, e a efetiva fundação da Desportiva Ferroviária ainda se passaria quatro anos. Apesar das conclusões otimistas que a comissão tivera e do desejo da maioria de criar um novo clube, as áreas de atrito continuavam existindo, porque alguns setores não concordavam em abrir mão de bandeira, hinos, a tradição, enfim.
Só mesmo no dia 02 de janeiro de 1963, através de carta interna de código SP 70.5 – F11, a Superintendência da CVRD nomeou, como ela mesma dizia em seu documento, “o Sr. Lino dos Santos Gomes para, dentro do espírito da semente lançada, continuar como coordenador da pretendida fusão, concedendo poderes àquele senhor para manter entendimentos com os respon
sáveis pelos seis clubes, visando encontrar um denominador comum”.
Efetivamente, esse denominador comum foi encontrado, e na noite de 17 de junho de 1963, seis meses depois, deixavam de existir as seis agremiações filiadas à CVRD, e era criado oficialmente a Desportiva Ferroviária.
A reunião que marcou o surgimento da Desportiva, e que os ferroviários chamam de “histórica”, acontec
eu no auditório do Sindicato dos Ferroviários da Vale, sob a presidência do advogado José Leal Pessoa, também indicado pela empresa para cuidar do caso. Representantes de muitos clubes compareceram à reunião.
Embora solene, o encontro que decidiu a criação da Desportiva não foi dos mais calmos. Segundo o pessoal que o acompanhou, as discussões atingiram a madrugada, e o voto decisivo de um clube suburbano dos seis existentes decidiu a questão. A reunião já havia sido suspensa duas vezes por causa de discussões mais acaloradas, até que o presidente do Ferroviário, Waldomiro Pereira Lima, trouxe o desempate. Estava encerrado o primeiro capítulo da vida do clube dos ferroviários.

Mas isso não foi tudo. Todo o patrimônio dos extintos clubes teve de ser retirado das antigas sedes. Um caminhão da Vale foi fazendo essa retirada, ajudado por outros veículos. Houve de tudo. Até mesmo cenas de choro de dirigentes e torcedores, inconformados como fato de ver suas agremiações deixarem de existir. O Cauê, por exemplo, o charmoso clube localizado na Praia de Santa Helena, era o “filet mignon”entre os demais.
A vida da Desportiva, daí para frente, foi marcada por um crescimento vertiginoso. Ela, logo de início, possuía 20 mil funcionários da CVRD lotados em Vitória e nos municípios vizinhos pagando contrib
uições na qualidade de associados, além de 50 mil dependentes. Isso tudo, contando também as pessoas que trabalhavam ao longo do serviço de apoio à estrada de Ferro Vitória a Minas.
De saída o clube foi ganhando títulos. Passou a ser, no primeiro ano de existência, um adversário duro para o Rio Branco e o Vitória, o que serviu para dar mais calor às disputas regionais.E ajudado pela CVRD, que o dirigia do Edifício Fábio Ruschi, ao lado da Praça Pio XII, o clube conse
guiu construir em Jardim América inicialmente uma sede social e, posteriormente, um estádio que, mesmo sendo de porte apenas médio, conseguiu ser o maior do Estado quando foi, enfim, terminado. Esse estádio, bem como toda a área ocupada com a sede social e esportiva da Desportiva, era pertencente à Vale. A Desportiva o utiliza em regime de comodato. Somente em 1977, com a privatização da empresa, tudo foi passado para o nome da agremiação esportiva, no dia em que ela completava 34 anos.
A primeira diretoria da Desportiva Ferroviária foi formada por João Carlos F. Linhares, presidente de honra; José Coradini, presidente executivo; Ludgero César Sarcinelli Garcia, vice-presidente; Lino Santos Gomes, assessor; além de mais 33 pessoas, todas estas com funções subalte
rnas.

Criação da Desportiva Capixaba S/A

A história do clube começou a mudar quando a Vale do Rio Doce foi privatizada em 1996 e resolveu não apenas retirar todo o apoio como cobrar pelo estádio. Foi uma longa disputa, que envolveu mobilização de lideranças políticas, até que a empresa resolveu doar definitivamente o Engenheiro Araripe para a Desportiva.
Em janeiro de 1999 iniciou negociação com a empresa Villa-Forte & Oliveira Empreendimentos Ltda., com objetivo de firmar sociedade, atendendo assim a legislação recém criada lei 1621 que previa no artigo XX a transformação dos clubes em clube empresa.
Foram diversas reuniões, sendo que a Desportiva Ferroviária criou uma comissão para negociar a criação da nova sociedade, composta de cinco representante, Edvaldo Rocha Leite, Jordenir de Paula, Galileu Viana, Theotonio Barcellos e João Marcos. Por parte da Villa-Forte & Oliveira, participaram Marcelo Villa-Forte Oliveira e Orlando Dias.
Decidiu-se pela criação de uma nova empresa que recebeu a denominação de Desportiva Capixaba S/A, recebendo como patrimônio o Estádio Engenheiro Alencar de Araripe e a denominação esportiva “Desportiva”.
No dia 19 de maio de 1999 foi assinado o contrato social da Desportiva Capixaba S/A, passando o futebol a existir nesse novo clube.
Foi criado novo escudo e novo hino, em virtude do desejo da Desportiva Ferroviária em manter seu escudo e hino no seu clube social.
A primeira diretoria da Desportiva Capixaba foi formada por Marcelo Villa-Forte de Oliveira – Presidente, Edvaldo Rocha Leite – Vice Presidente e Orlando Dias – Vice Presidente.

Mas os problemas começaram quando a Frannel saiu e o grupo Villa-Forte assumiu. O clube foi campeão estadual em 2000, mas sofreu dois rebaixamentos na Série B do Brasileiro.

Contudo nos últimos anos o time entrou em decadência, mas seu retorno ao futebol (após 2 anos afastado) foi em 2007, quando venceu a segunda divisão, numa final contra o time do Rio Bananal (Interior do ES) diante de 15 mil pessoas em seu estádio.

Títulos

Estaduais
Campeonato Capixaba: 16 vezes (1964, 1965, 1967, 1972, 1974, 1977, 1979, 1980, 1981, 1984, 1986, 1989, 1992, 1994, 1996, 2000).
Campeonato Capixaba 2ª Divisão: 2007.
Torneio Início: 1967.

Estádio
O Estádio Engenheiro Alencar Araripe, ou simplesmente Engenheiro Araripe, como é mais conhecido, ou ainda, Estádio do Jardim, é o principal estádio de futebol do estado do Espírito Santo, com capacidade atual estimada para 20 mil pessoas.Fica localizado no bairro Jardim América, no município de Cariacica, que se conurba com Vitória (o estádio encontra-se a apenas 10 quilômetros do centro de Vitória). É de posse da Desportiva Capixaba.
Apesar da capacidade do Estádio Kleber Andrade, no mesmo município, de posse do Rio Branco Atlético Clube, ser maior (estimada em 45 mil), as intermináveis obras no mesmo inviabilizam eventos de grande porte.
O Engenheiro Araripe foi palco da única apresentação oficial da seleção brasileira de futebol no estado do Espírito Santo, em 26 de junho de 1996, quando o Brasil derrotou a Polônia por 3 a 1.

Hino Desportiva Capixaba

Grená grená grená
Meu coração é grená
Sou Desportiva
Oh chama viva é meu maior prazer te amar
Sou campeão levanto a taça
Essa camisa é pura raça
Tiva tiva
Meu coração é grená

Não importa onde é o jogo
Eu vou correndo pra te ver
Solto o grito com a galera
E entro em campo com você
Faça chuva faça sol
Eu vou eu chego lá
Vou sem medo e seu Deus quiser
Vai dar TIVA TIVA

Hino Desportiva Ferroviária
(Eduardo Ribeiro)

Pra frente Desportiva
Pra frente é o seu destino
Quem fica não conquista
Grandes marcas em sua vida
O seu passado já mostrava suas glórias
De triunfos que ornamentam sua história
Vencer, vencer, vencer!
É o grito da torcida que desperta
O suor grená de suas lutas
Parece sangue que corre em nossas veias
É o clube que sabe fazer amigos
Desportiva, Desportiva!

Mascote
Desportiva Capixaba - Maquinista









Desportiva Ferroviária - Locomotiva






site:http://www.desportivacapixaba.com.br