quarta-feira, 2 de fevereiro de 2011

Club Nacional de Football

Em 14 de maio de 1899 na casa do Dr. Ernesto Caprario, ao lado do atual Teatro Verdi, sócios, jogadores e dirigentes dos clubes Uruguay Atlética Club, com sede em La Unión, e Montevideo Football Club fundem-se para criar o Club Nacional de Football, primeira equipe criolla da América Latina.
Tem inspiração no nome escolhido e nas cores da bandeira de José Artigas: camisa vermelha, com gola, extremo da manga e calção azuis. Para a bandeira, se mantiveram as cores e o desenho da insígnia tricolor do herói uruguaio.
Seu primeiro campo foi em Punta de las Carretas, onde disputou a primeira partida amistosa em 18 de junho de 1899 contra o Internacional.
Em 1900 cria-se The Uruguay Association Football League e o Nacional recebe em usufruto o Estádio Gran Parque Central. Já, em 1901, a liga aceita a incorporção do Nacional para disputar a Primera Copa Uruguaya quando o clube é convidado a ingressar na liga Argentina de futebol.

Em 1903, todo o time do Nacional representa a Seleção Uruguaia em um confronto com a Argentina que culmina com a vitória da celeste por 3 a 2, que é a primeira vitória internacional do futebol uruguaio.
Em 1924, a seleção uruguaia campeão dos Jogos Olímpicos, tinha grande parte dos seus jogadores formados no Nacional. O mesmo se aplica as equipes de 1928 e 1930, campeões olímpicos e mundiais, respectivamente, dos quais Nacional foi também a base.

Nacional é o time que mais ganhou campeonatos uruguaios na época amadora, com um total de 11 títulos, a primeira em 1902.
Nos anos de amador, o Nacional consegue dois tri-campeonatos, um em 1915-1916-1917 e em 1922-1923-1924.
Na era profissional, ganha 30 campeonatos nacionais uruguaios, o último na temporada 2005/2006.
Dos 5 campeonatos ganhos, em seqüencia, o de 1941 é mais lembrado para os tricolores, uma vez que o clube venceu o torneio com uma invencibilidade impressionante, ganhando todos os jogos disputados, sem perder nenhum ponto sequer. Algo que dava inveja aos rivais.
Entre os anos 1955 e 1957, obtém seu terceiro tricampeonato Uruguaio (o primeiro na era profissional).
Entre os anos 1969 e 1972 obtém seu primeiro tetracampeonato uruguaio.
Entre 2000 e 2002 obtém seu quarto tricampeonato Uruguaio (segundo na era profissional).
Na temporada 2008/2009 o Nacional ganhou seu último campeonato uruguaio.

Em 1925, o Nacional excursionou na Europa, considerado o mais bem sucedido de uma equipe de futebol de todos os tempos.
Durante esse passeio, jogou contra equipes profissionais de nível superior na Europa (onde Nacional, ainda um time amador), tendo ganho a grande maioria dos jogos. Em seis meses, Nacional passou em 9 países e foi visto por um total de 800.000 espectadores. Disputou 38 jogos, conquistando 26, empatou 5 e perdeu 7.
Em 1927, o Nacional fez uma turnê americana, com resultados semelhantes aos da turnê européia, em 1925.

No ano 1971 o Nacional vence a sua primeira Copa Libertadores da América ao derrotar na final o clube argentino Estudiantes.
Nesse mesmo ano, em sua primeira Taça Intercontinental, jogou contra o Panathinaikos da Grécia e derrotou o clube europeu trazendo o inédito título para o Nacional. (Na época, a Taça Intercontinental era a competição de maior nível do futebol de clubes)
No ano seguinte, ele obteve sua primeira Copa do Inter, derrotando o mexicano Cruz Azul, sendo o único clube uruguaio a ter esse trófeu.

Nacional, durante a presidência de Dante, voltou à Taça Libertadores da América em 1980, e venceu um clube brasileiro na final: o Internacional de Porto Alegre. Na partida de ida, disputada no dia 30 de julho em Porto Alegre, um empate sem gols. No jogo decisivo, dia 6 de agosto, em Montevidéu, o Estádio Centenário recebeu aproximadamente 65 mil torcedores, que viram o atacante Waldemar Victorino marcar o único gol da partida, decretando a segunda conquista da Libertadores para o Nacional. A equipe do Nacional entrou em campo com: Rodolfo Rodríguez; José Moreira, Juan Blanco, Hugo De León e Washington González; Eduardo de la Peña, Víctor Espárrago e Arsenio Luzardo; Alberto Bica, Waldemar Victorino e Julio César Morales. O time foi comandado por Juan Martín Mujica.
No ano seguinte, obtém Taça Intercontinental pela segunda vez, batendo Nottingham Forest da Inglaterra por 1 a 0, novamente com gol decisivo de Waldemar Victorino.

A terceira Copa Libertadores da América chega em 1988, após uma vencer por 3 a 0 o Newell's Old Boys da Argentina, no Estádio Centenário, com gols de Ernesto "Pinóquio" Vargas, Hugo De León e Santiago Ostolaza.
No mesmo ano, obteve a Taça Intercontinental pela terceira vez, com uma heróica vitória sobre PSV Eindhoven dos Países Baixos.
Com este triunfo sobre a equipe liderada por Guus Hiddink, consagrou-se como o primeira equipe Tricampeã do Intercontinental invicta.
No ano seguinte, venceu o seu segundo Campeonato Nacional Inter, desta vez ganhando do Olimpia de Honduras.
Também em 1989, obteve a Recopa Sul-Americana, derrotando o Racing Club da Argentina, o Nacional ganhava uma Tríplice Coroa, porque venceu a Libertadores 1988, a Copa Intercontinental 1988 e a Recopa Sul-Americana de 1989. Além disso, este foi o último título internacional oficial ganhado por um clube uruguaio até hoje.
Em 2002, o Nacional chegou perto de conseguir o inédito título da Copa Sul-Americana 2002, ao perder nos pênaltis por 5 a 3 para o Atlético Nacional nas semi-finais da competição, o Nacional ficou em 3º. Caso conseguisse esse título, o Nacional seria junto com o Boca Juniors, LDU de Quito e o Internacional os únicos times que venceram todas as competições ainda ativas da Conmebol (Copa Libertadores, Recopa Sul-Americana e Copa Sul-Americana).

Títulos
 
Campeonato Uruguaio (42): 1902, 1903, 1912, 1915, 1916, 1917, 1919, 1920, 1922, 1923, 1924, 1933, 1934, 1939, 1940, 1941, 1942, 1943, 1946, 1947, 1950, 1952, 1955, 1956, 1957, 1963, 1966, 1969, 1970, 1971, 1972, 1977, 1980, 1983, 1992, 1998, 2000, 2001, 2002, 2005 , 2006 e 2009
Copa Libertadores da América (3): 1971, 1980 e 1988.
Mundial Interclubes (3): 1971, 1980 e 1988.


Estádio

O Estádio Gran Parque Central (ou simplesmente Parque Central) é um estádio de futebol uruguaio localizado em Montevidéu. É a casa do Club Nacional de Football.
Inaugurado em 25 de maio de 1900, porém, daquela época só restou o velho Moinho atrás da Arquibancada Sul. Era o principal estádio do país até a construção do Estádio Centenário.
O estádio passou por três grandes reformas: 1944, 1974 e 2005, está última fez com que o time voltasse a mandar partidas do Campeonato Uruguaio de Futebol e da Taça Libertadores da América em seu estádio próprio. Atualmente tem capacidade máxima para 26 mil espectadores.
Recebeu seis partidas da Copa do Mundo de 1930, entre elas a estréia do Brasil em Copas, com a derrota para a Iugoslávia por 2 a 1.
No terreno onde atualmente se localiza o Gran Parque Central, José Artigas foi nomeado chefe dos Orientais, em 1811. Esta data não faz mais que afirmar o sentimento oriental do Nacional, o forte vínculo do clube com as raízes históricas do Uruguai, que também se reflete no nome, escudo e uniforme do clube.
Para encontros que se possam ter um maior público que do Parque Central, utiliza-se o Estádio Centenário.



Alcunhas Tricolores ; Bolsos ; Bolsilludos ; Albos ; La Blanca

Site
http://www.nacional.com.uy/