segunda-feira, 4 de maio de 2009

Nacional Fast Clube

O Fast Clube foi fundado em 8 de julho de 1930, por um grupo dissidente do Nacional, comandados pelo dirigente Vivaldo Lima e pelo jogador e capitão do time, Rodolpho Gonçalves. O motivo da discórdia foi uma manobra política com mudança do Estatuto do Nacional às vésperas da eleição presidencial, tirando dos jogadores o direito a voto. Os atletas queriam Vivaldo Lima para a presidência, e estavam fechados em torno do nome do médico e dirigente. Com a manobra, os jogadores, cassados em seus direitos estatutários, não aceitaram a imposição e resolveram sair, fundando um novo clube.

Algumas características precisavam ser mantidas: (1) o nome Nacional; (2) a cor azul, que se juntou ao vermelho e ao branco, para perfazer as cores do Estado do Amazonas; (3) as iniciais NFC e (4) a estrela como símbolo, que foi adotada na cor amarela, como vigora até hoje. Assim, o novo clube já tinha como nome Nacional, as iniciais NFC e as cores vermelho, azul e branco, além da estrela amarelo ao centro do escudo. O grupo então resolveu consultar um professor do tradicional Gimnasyo Amazonense Dom Pedro II, para que sugerisse um nome iniciado pela letra F. Assim, o professor, que lecionava Inglês batizou o clube com o termo Fast, que em inglês quer dizer rápido, fazendo uma analogia com a rapidez e a destreza que os jogadores que fundavam a nossa associação de futebol apresentavam em campo.



O Fast Clube depois de conseguir o acesso a primeira divisão veio a iniciar suas atividades na primeira divisão do Campeonato Amazonense de Futebol em 1932, sendo logo vice-campeão da competição.

A Década de 30 foi de enorme valia para o Fast onde disputou várias finais e por força do destino não as conquistou. O time era respeitado e de forma unânime, era considerado o melhor time ao lado do Rio Negro. Nesta mesma década foi convidado a disputar competições interestaduais e amistosos em estados brasileiros, estes raros pela distância e amadorismo local, com destaque para a viajem ao Maranhão e Ceará.

Nos primeiros dez anos de fundação o Fast Clube amargou 05 (cinco) vices campeonatos. Os primeiros títulos apareceram em 1948-49, um bi-campeonato com um belo time comandado por Raul, Nêgo, Marcílio, Aurélio, Mário Torres, Waldemir Osório, Paulo Onety, Dedé, Zequinha, entre outros craques. Esta década consolidou o Fast como principal time da cidade, tendo realizados amistosos e recebido convites para jogos fora do estado, confirmando a fama do time manauara como força local.

Em 1950 o Fast Clube estava prestigiado no futebol amazonense e despontava com destaque, com o prestígio e reconhecimento ao clube, o Fast Clube proporcionou um amistoso de grandes proporções, este o primeiro da história do clube e de um time amazonense contra o Flamengo do Rio de Janeiro, o time carioca vinha de uma extensa excursão pelo Brasil, já tinha passado pelos estados nortistas do Pará e Amapá. O jogo foi realizado no Campo do Parque Amazonense, com o término no placar de 6x1 para os cariocas no dia 31 de março. Mas foi nesta década que veio o terceiro título estadual em 1955.

Em 1959 o Fluminense veio para a realização de amistosos em Manaus, o Fast Clube era um dos seus adversários, em Parque Amazonense lotado, o jogo terminou 5x1 para os cariocas, mas na verdade o jogo foi ma grande festa.

Em 1960 o Fast Clube conquistava seu quarto título, com um time arrasador, e foi nesta década que veio a primeira disputa da Copa Norte-Nordeste (1969), muito disputada na época e de grande importância. Um jogo que entrou para a histórica do Rolo Compressor, foi contra a equipe pernambucana do Sport Recife, que veio para a inauguração dos refletores do estádio Ismael Benigno, Colina, o jogo foi realizado em fevereiro de 1961, o Sport vinha de duas vitórias frente a São Raimundo e Santos, o Fast Clube em uma tarde inspirada aplicou ma goleada de 7x5, deixando os amazonense ao delírio com a bela atuação do Clube Cintado.

O maior Título do “Tricolor Eterno” veio em 1970, conquistando a Copa Norte, em excelente participação. Na Fase Final da Copa Norte-Nordeste, o Fast Clube deixou escapar o título em um confronto direto com a equipe do Fortaleza que brigava diretamente pelo título, jogo disputado na capital com o mesmo nome do clube cearense, com uma derrota amazonense por 4x1 e deixando o título para a equipe cearense que ficou 1 (um) ponto a frente do Tricolor Eterno.Em 1971 o Futebol Clube do Porto veio a Manaus fazer alguns amistosos, o Fast Clube iria enfrentar a equipe portuguesa no dia 17 de novembro, no estádio Vivaldo Lima com quase 40 mil pessoas, em uma boa partida o Porto vence por 3x1 equipe Fastiana.Veio o Campeonato Brasileiro em substituição a Taça Brasil, o Fast Clube teve 03 (três) participações na primeira divisão, sendo a de 1978 muito comemorada e lembrada pelos Fastianos mais antigos e saudosos, neste ano o Fast Clube surpreendeu a máquina tricolor do RJ, o Fluminense, em pleno estádio do Maracanã, aplicando 2x1 nos cariocas, no mesmo ano o Fast fez dois grandes jogos no Mineirão e Vivaldão contra Cruzeiro e Atlético-MG respectivamente, os placares foram de 5x4 e 2x1 para os mineiros.

A década de 80 o Fast disputou a segunda divisão do campeonato Brasileiro (1980 e 1982) tendo uma participação ruim nos dois anos. No ano de 1980, ao dia 09 de março, houve um jogo histórico, Fast Clube x Cosmos de Nova Iorque se enfrentaram em um amistoso de gala em um Vivaldão lotado com mais de 56 mil pessoas, recorde de publico até hoje e insuperável pela redução do estádio em 1995 para 38 mil pessoas, o jogo contava com várias estrelas de peso como Carlos Alberto (tri-campeão de 70), Beckenbauer Romerito, Chinaglia, todos vestindo a camisa do Cosmos e o Tri-Campeão Clodoaldo pelo Fast, a partida terminou em 0x0. O New York Cosmos extinguiu–se em 15 de setembro de 1984, Pelé jogou até 1977 pelo Cosmos.

A partir de 1986, o Fast entrou em uma grave crise financeira embalando uma série de fracassos no estadual e Brasileirão série B, a crise veio junto com o insucesso do futebol amazonense, ocasionado anos sem nenhuma conquista e sem nenhuma competição de destaque.

A partir de 2004 o Fast surgiu com destaque no regional, aplicando algumas goleadas. Em 2006 o Fast Clube ressurgia com força total, sendo vice-campeão estadual, fato este ocorrido em 2007 e 2008, mesmos anos em que disputou a Série C do Campeonato Brasileiro.

Em 2007 foi um ano especial ao Fast Clube, disputando a Copa do Brasil pela primeira vez em sua história, enfrentado a equipe do Vasco da Gama/RJ, até então as equipes tinha se enfrentado somente duas vezes na história. Nos anos seguintes o Fast Clube sempre marcou presença na Copa do Brasil (2008 e 2009).

Maior público

O Fast possuí o maior público do Estádio Vivaldo Lima, no jogo contra o Cosmos de Nova Iorque, 56 mil pessoas foram ao estádio, público que jamais foi alcaçando porque o estádio teve sua capacidade reduzida para 38 mil pessoas.

Itacoatiara

Desde do ano de 2006, o futebol do Fast Clube estava sediado na cidade de Itacoatiara, onde conquistou três vices campeonantos amazonenses em 2006, 2007 e 2008 e participou das Copas do Brasil de 2007 e 2008. Após o acesso do Penharol, o outro clube da cidade à primeira divisão amazonense, o Fast saiu do município, voltando a ser sediado em Manaus.

Títulos

Campeonato Amazonense: 6 vezes (1948, 1949, 1955, 1960, 1970 e 1971).
Copa Norte 1970


Estádio

Estádio Ismael Benigno - Colina

Capacidade 18000


Hino

Letra e música: Mafra Júnior


Sua glória é lutar

Seduz a gente popular

E hoje é dia

De alegria

Acabou a nostalgia

FAST CLUBE tu és a esperança

O povo deposita confiança

Quando entras pra lutar (ha ha ha ha ha ho ho ho ho ho)

FAST CLUBE a tua estrela é explendor

Para o inimigo é um "Rolo Compressor"

Para a torcida sempre grande vencedor ( ho ho ho ho ho ha ha ha ha ha)

Mascote









Site

http://www.fastclube.com.br/