terça-feira, 1 de setembro de 2015

Orion Sporting Club

Um dos poucos registros da formação do Orion campeão cearense em 1930. Time existiu por apenas três anos, mas levou um Estadual e dois torneios início.

Uma constelação iluminou o futebol cearense nos nebulosos anos de 1930. De trajetória bela e também turbulenta, o Orion Futebol Clube atravessou os gramados locais com a rapidez de um cometa. Foram três anos marcados por títulos e confusões. Pouco tempo, mas o suficiente para deixar registrado o nome do time da constelação em lugar especial na memória do futebol cearense. 

A gênese do Orion ilustra com clareza a inquietude que a equipe trouxe para o futebol cearense. O clube nasceu em 1929, a partir da dissidência de jogadores do Fortaleza, então tricampeão cearense. O Tricolor extinguiu o departamento de futebol quando liderava o Estadual, em 6 de agosto - alegando dificuldades financeiras e descontentamento com o julgamento de protestos do clube pela Associação Desportiva Cearense (ADC). Pesou na decisão ainda os atritos entre atletas e diretoria. 

Eram tempos de amadorismo, em que os vínculos dos clubes com os jogadores pareciam tão frágeis quanto o grau de organização da ADC. Liderados pelos irmãos Machado (Moacir, Jandir, Juraci e Caranã) os tricolores preferiram criar uma nova agremiação a aderir a uma das existentes. Nas cores preta e branca, o Orion começou a disputar partidas amistosas ainda em 1929. O título do ano, que estava nas mãos do Fortaleza, acabou com o Maguary. 

Só que a estrela do Orion logo mostrou seu brilho. O time venceu com facilidade o Torneio Início de 1930. Manteve o favoritismo no Campeonato Cearense, levando o título e dando o troco no Maguary, desta vez vice-campeão. A campanha teve ainda outro ingrediente - com 11 gols anotados, o atacante Zezé foi o artilheiro do campeonato. 

Derrocada 

Mas aí uma espécie de buraco-negro engoliu o Orion. Em 1931, o time voltou a ganhar o Torneio Início e seguia rumo ao bicampeonato, liderando o Estadual até a última rodada, quando enfrentaria o Ceará, segundo colocado, um ponto atrás. A decisão foi marcada pela ADC para a mesma semana em que o time chegara de excursão pelo Interior. Apesar dos pedidos de adiamento por parte do Orion, a ADC manteve a data da final. Em sinal de protesto, o time não entrou em campo - o título ficou com o Ceará. 

O sucesso alcançado pelo Orion fez com que o Fortaleza "repatriasse" parte dos atletas dissidentes em 1929 e retomasse as disputas em 1932. O Orion ainda participou do Estadual daquele ano, mas, desfigurado, e ainda sentindo-se prejudicado pela ADC, acabou pedindo desligamento da entidade, fechando as portas antes do fim da competição. Era o último brilho da constelação alvinegra em campos cearenses. 

ORION FC. 

Fundação: outubro de 1929 
Extinção: 1932 
Cores: Preta e branca 
Estaduais disputados: 1930, 1931 e 1932 
Títulos: 1 Cearense (1930); 2 Torneio Início (1930 e 1931) 
Artilheiro: Zezé (1930, com 11 gols) 

NÚMEROS 

3 títulos 
conquistou o Orion nos três anos de existência do clube - o Estadual de 1930 e o Torneio Início de 1930 e 1931 

11 gols 
anotou o atacante Zezé, do Orion, na campanha do título de 1930. Ele é o único artilheiro do time em disputas de estaduais 

E-MAIS 

A diretoria do Orion chegou a publicar nota na imprensa alertando aos torcedores a opção do clube em não disputar a decisão do Estadual de 1931 na data marcada pela ADC. "O Orion Sport Clube, devidamente autorizado pela sua diretoria, avisa ao público em geral que não tomará parte no match de futebol anunciado, conforme comunicação feita em sessão da A.D.C, pelo seu representante, sr. Armando Maramaldo". Conforme o pesquisador Nirez de Azevedo no livro História do Campeonato Cearense de Futebol, o texto foi publicado no jornal O Nordeste, em 23 de outubro de 1931. 

Mesmo tendo abandonado o Estadual de 1929, o Fortaleza foi considerado o vice-campeão do ano. Os demais clubes exigiram a perda de todos os pontos conquistados pelo Tricolor - como era praxe em casos de abandono. A ADC preferiu manter a pontuação leonina. 

No anos 1930, as trapalhadas da ADC eram tantas que os clubes e a imprensa passaram a se referir à entidade como " A Madastra", conforme afirma o pesquisador Alberto Damasceno. 

O atacante Teopisto, que defendeu o Ceará na perda do título de 1930 para o Orion, foi o árbitro dos 16 a 0 do Alvinegro sobre os ingleses do Sussex Trader, tema da série Memória do Futebol do último domingo. 

Os registros oficiais da Federação Cearense de Futebol registram o nome do time da constelação como Orion Futebol Clube. Contudo, alguns livros históricos apresentam o time como Orion Sporting Club. 

Orion é o nome de uma constelação equatorial formada de estrelas brilhantes, três das quais as conhecidas "Três Marias".

O Campeonato Cearense de 1930, vencido pelo Orion, foi, provavelmente, o mais desmotivado da história da competição. Apenas quatro times iniciaram a disputa, em 16 de março daquele ano: os rivais Ceará e Maguary; o novato Orion, substituindo o Fortaleza; e o pouco expressivo Fluminense. Dois times que participaram do Estadual de 1929 paralisaram as atividades pouco antes do início do campeonato: o Atlética e o Guarany (da capital, não o de Sobral). 

Com apenas quatro clubes, a edição de 1930 divide a marca de Estadual com menor número de competidores com a primeira disputa do Cearense - em 1920, Fortaleza, Ceará, Bangu e Guarany entraram em campo. Porém, um detalhe depõe contra a edição vencida pelo Orion; o Fluminense abandonou a disputa ainda no primeiro dos dois turnos, reduzindo a briga pelo título a um triangular. 

O campeonato começou em 16 de março e terminou em 12 de junho, com jogos apenas aos domingos. O Orion levou o título, com o Maguary em segundo e o Ceará em terceiro. Após o encerramento da competição os clubes resolveram paralisar as atividades no segundo semestre.

Ficha técnica da decisão do estadual de 1930. 

ORION 2
Oto; Preto e Orestes; Basílio, Caranã e Santana; Guarany, Jurandir, Zezé, Juracy e Pirão.
CEARÁ 1
Pintado; Liberato e Bebê; Teopisto, Viana e Arthur; Afonso, Hildebrando, Farnun, Peixe e Zé Maria. 

Local: Campo do Prado (onde hoje fica o Centro Federal de Ensino Tecnológico-Cefet)
Data: 1.6.1930
Árbitro: Arthur Salgado
Público: livre acesso
Renda: não se cobrava
Gols: Juracy e Pirão (Orion); Farnun (Ceará)

Fonte http://memoriafutebolcearense.blogspot.com.br/2008/07/memria-do-futebol-cearense-orion.html