sexta-feira, 15 de agosto de 2008

Esporte Clube São José

O mundo vivia a terrível expectativa da primeira guerra mundial, com a Europa em polvorosa, quando em Porto Alegre - RS, surgia o "Sport Club São José", fundado em 24 de maio de 1913, por ação de um grupo de alunos do Colégio São José - daí derivou o nome do clube - na rua São Raphael, atual Avenida Alberto Bins, no Estado do Rio Grande do Sul, cidade de Porto Alegre.

Irmão Constantino Emanuel, um ardoroso admirador do calcio italiano foi o mentor intelectual e incentivou o grupo que jogava futebol no colégio a formar um clube de verdade.

O Irmão Ulrich, por sua vez, foi o primeiro chefe de torcida da nova instituição esportiva.

Entre os jovens fundadores estavam José Edgar Vielitz, Osvaldo Endler, Florêncio Wurding, Léo De La Rue, Antônio Pedro Netto (Netinho) e Arnaldo Peterlongo Ely.

Estes alunos faziam parte da Sociedade Juventude dos Moços Católicos, cuja sede era nos altos da ex-capela São José, localizada na rua São Raphael. A sociedade surgira para que os alunos pudessem praticar o futebol dentro das dependências do colégio. Embora a sociedade crescesse, o grupo não podia enfrentar equipes fortes e por isso surgiu a idéia de fundar um clube de futebol.

Após celebrar a fundação, o aluno Léo De La Rue foi escolhido para ser o primeiro Presidente do clube, ficando estabelecido que cada jogador compraria seu uniforme e contribuiria com 500 réis de cota mensal, pois a participação dos sócios ainda era reduzida.

Vale registrar que em 13 de abril de 1913, cerca de um mês antes da fundação do São José, morreu em Porto Alegre - RS, aos 44 anos, Francisco Antônio Caldas Junior, proprietário e fundador da Empresa Jornalística Caldas Junior.

VITÓRIA CONTRA O HILSFVEREIN NA ESTRÉIA

Menos de um mês depois da fundação, apesar das dificuldades em conseguir adversários de bom nível, os animados integrantes do Esporte Clube São José estrearam no futebol. Esse primeiro jogo foi realizado contra o Hilsfverein no dia 22 de junho de 1913 no campo do adversário. Com o futebol alegre e dedicado dos iniciantes o São José venceu por 2 X 0. Os gols foram marcados por Daudt e Bohrer.

A segunda partida não demorou muito, mas o time o Colégio Rosário também não resistiu e houve nova vitória do São José, por 4 X 0. Uma curiosidade neste jogo: os capitães das duas equipes resolveram substituir o árbitro alegando que ele desconhecia as regras. No final, o segundo árbitro pagou uma rodada de cerveja para todos os atletas.

UMA GOLEADA NO PRIMEIRO JOGO OFICIAL

Apesar da sede incontida de atuar, os jovens do São José jogaram pouco no início, mas treinavam muito se preparando para uma nova fase na vida do clube: participar de uma competição. Depois de se filiar à Associação Porto-Alegrense de Futebol o Clube disputou a primeira partida oficial pelo campeonato no dia 30 de agosto de 1914. Foi uma grande vitória do São José sobre o Fuss Ball Frisch Auf, por 4 X 0 no campo do adversário.

No dia 20 de setembro fez a segunda partida oficial pelo campeonato da APAF, contra o Grêmio e perdeu por 4 X 0. Como choveu muito naquele ano, a temporada acabou cedo. Em 1915, já com José Edgar Vielitz na presidência, o Zequinha fez a sua primeira excursão...de trem, para Canoas. Lá, perdeu de 3 X 1, para o forte Canoense formado por jogadores do Colégio São José, que havia vencido times grandes da Capital.

A "VIA SACRA", DA MONTANHA AO PASSO D'AREIA
O CLUBE UTILIZOU SEIS CAMPOS DE FUTEBOL ANTES DE TER SEU ESTÁDIO DEFINITIVO NA ZONA NORTE

Ansiosos em participar do maior número de compromissos, os fundadores do São José começaram logo a buscar um local para treinamentos e jogos. Em 1914, o primeiro campo utilizado pela turma do Irmão Constantino foi na chácara do Coronel Germano Petersen, denominado "Montanha", onde atualmente funciona o Hospital Militar, na subida da Cristóvão Colombo.

O clube começou a conquistar a simpatia da população e cresceu muito, exigindo mais espaço. Por isso, no mesmo ano, a segunda sede foi instalada na Rua São José, hoje denominada Frederico Mentz no Bairro Navegantes. Uma enchente, que assolou a capital em setembro, prejudicou o clube, destruiu "as modernas instalações para a prática do futebol", principalmente o gramado do São José. A única saída foi voltar para a "Montanha", na subida da Cristóvão Colombo, até conseguir outro local.

A Bacia - O novo estádio do São José, localizado atrás da Igreja São Pedro e chamado carinhosamente de "Bacia", também durou pouco. A área foi loteada para construção de moradias e o Clube foi obrigado a se mudar. Para não ficar sem jogar e correr o risco de fechar o departamento de futebol, o time passou a treinar e a jogar no Estádio da Baixada, do Grêmio.

Depois de pesquisar muito, o clube conseguiu um local no bairro Caminho do Meio, onde hoje se localiza o Hospital de Clínicas de Porto Alegre. Também ficou pouco tempo, mudando-se para o Bairro São João. E não foi daquela vez que encontrou o sossego de um local definitivo. Outra vez a questão habitacional obrigava o São José a mudar de área, pois onde estava o campo havia planos de construir a Vila dos Industriários.

Como ressaltam os arquivos do Clube, a "Via Sacra" só terminou na década de 40. O Clube comprou o atual terreno de três hectares por 250 contos de réis e começou a construir o Estádio do Passo D´Areia em 1939. a inauguração ocorreu no dia 24 de maio de 1940, com uma grande festa: um jogo contra o poderoso Grêmio, tricampeão da cidade. A vitória tricolor foi difícil (3 X 2), diante de um grande público, que proporcionou uma arrecadação de 7 contos e 900 mil réis. Era presidente Eduardo Zottnann.

Outro grande fato do futebol gaúcho daquela década foi o surgimento do rolo Compressor do Inter. Enfim, com a construção de um estádio moderno, um grande clube tinha terminado sua peregrinação e fincava raízes no coração da Zona Norte. Hoje o estádio tem capacidade para 6.000 pessoas bem acomodadas e é um orgulho da comunidade.

VICE CITADINO EM 1937/1948

Na época do futebol romântico, Porto Alegre tinha muitos clubes de qualidade como Grêmio, Inter, São José, Força e Luz, Americano e outros. E foi neste contexto que o Zequinha, em 1937, viveu seu primeiro grande momento de glória. Com uma equipe de alta qualidade, treinado por Nelinho, conquistou o vice-campeonato da cidade, em dezembro, em uma decisão com o Grêmio, em três jogos. No primeiro, vitória tricolor por 2x1 (19/12), reação do Zequinha no 3x2 (23/12) e o título gremista no 2x0 final (26/12). O São José teve como time-base a seguinte formação: Ruarão, Ruarinho, Harry, Ireno, Berto, Mesquita, Bavú, Mabília , Ordovaz, Chinesinho e Elustondo.

Há quem considere o time do final da década de 40 como um dos melhores na história do São José. Esse grupo, treinado por Otacílio Ricardo dos Santos, obteve o vice-campeonato de Porto Alegre em 1948 garantindo o título antecipado do Inter ao vencer o Grêmio por 3 a 1 no dia 9 de outubro. No Gre-Nal "por laranjas" em 17 de outubro, o Grêmio usou um time reserva e foi goleado por 7 a 0 pelo Inter. O ex-presidente Humberto Ruga lembra uma formação do São José em 1949/1950 com Clóvis (Vilson); Gaúcho, Pedro (Osvaldo Só), Aldeia e Tibica; Gomes (Turra) e Ênio Andrade; Loureiro (Breno), Pedrinho, Sadi e Roni. "Um time fantástico", diz.

COPA GOVERNADOR, A MAIOR CONQUISTA
EM 1971 O CLUBE CONSEGUIU CHEGAR AO SEU
MAIOR TÍTULO NO FUTEBOL DESDE A FUNDAÇÃO

Em uma época de grande diferença econômica-esportiva entre a dupla Gre-Nal e os demais clubes do Rio Grande do Sul, o E.C. São José conseguiu a sua maior conquista: Campeão da Copa Governador do Estado - Euclides Triches em 1971. O Inter vinha em grande fase com Valdomiro, Tovar e Claudiomiro e o Grêmio do Técnico Oto Glória, tinha Espinosa, Everaldo e Alcindo, mas o São José com garra foi superior.

O time campeão teve: Carlos Miguel, Marcos, Adilson, Renato, Paulinho e Frazão;
Carlos Castro, Celmar, João Alberto, Gilney e Cará.
O E.C. São José tinha como Técino Pedro Ário Figueiró.

O CLUBE DE TODOS OS CORAÇÕES

Os torcedores gaúchos já se acostumaram a presenciar o nascimento e a morte de dezenas de clubes de futebol ao longo deste século. Quis o destino e a abnegação de milhares de torcedores, que o Esporte Clube São José não tivesse esse mesmo triste fim.

Com muito trabalho e dedicação, o "Zequinha" venceu desafios, passou por fusões, crises e até licenciamento, mas também viveu grandes momentos de glórias nestes 90 anos. Conhecido como time mais simpático do Rio Grande do Sul, respeitado por gremistas, colorados e cruzeiristas, o São José, abre a porta do Novo Milênio como o Clube de Todos os Corações.

É com orgulho que tentamos recuperar parte desta bonita história de amor e paixão pelo futebol, esperando que seja uma semente para novas conquistas no próximo milênio.

O São José é um jovem nascido em 24 de maio 1913, mas que se mostra ansioso por enfrentar o futuro. Nos últimos anos o Clube vem passando por uma nova experiência no Futebol, como as parcerias com a Tintas Renner, Totobola (parceiros anteriores) e a Multisom (parceiro atual).

Queremos crer que esta é uma alternativa viável para manter o futebol forte e competitivo, buscando novas glórias no Rio Grande do Sul e no Brasil.

Ao mesmo tempo em que comemora a volta à divisão de elite no futebol gaúcho e a boa participação na Série C nacional, o Clube investe nas categorias de base, na escolinha de futsal, nos esportes amadores e também na parte social.

Seu conceito é alto entre os moradores da Zona Norte de Porto Alegre, onde o São José tem raízes profundas, antes mesmo da construção do Estádio do Passo D´Areia, em 1940. Por isso, ao viajar pelo tempo nas páginas do site, entre homenagens e lembranças, imagine o "Zequinha" mais forte, não apenas para seus dois mil associados, mas para os milhares de simpatizantes que o guardam no coração.

Hino do Clube

Autor: Antônio Guaglianoni
Arranjo Musical: Os Zequianos

Cor do céu clube alvi azul

São José de tradição

Mais simpático do sul

Resplendente pavilhão

Quem não sente o teu ardor

Como um todo sempre unido

Frente ao forte contendor

Luta bravo e destemido

Nasceu nacionalista

Sagrando nobre história

Na senda da conquista

Candente busca a glória

Zequinha traz um fado

Ardente e varonil

De honrar o seu passado

No esporte do Brasil

MASCOTE

Outro símbolo importante do São José é o mascote. Os arquivos do clube não registram o autor do desenho, que mostra a imagem simpática de um velho santo vestido com o uniforme do clube, entrando em campo e tendo uma bola embaixo do braço direito.

Estádio do Passo d'areia

O Estádio do Passo D'areia, localizado junto à sede social do clube, é a atual morada do "Zequinha", a terceira força do futebol na capital gaúcha. Mas nem sempre foi assim.

O E.C. São José passou por vários locais antes de fincar suas raízes na zona norte de Porto Alegre, em um terreno de 3,5 hectares comprados por "250 contos de réis" no distante ano de 1939, quando o Estádio do Passo D'Areia começou a ser construído.

A atual morada do Zequinha foi inaugurada em 24 de Março de 1940, em uma grande festa na qual o poderoso Grêmio, tricampeão municipal na época, era o grande convidado. Em uma partida com belíssimo público e renda de exatos 7 contos e 900 mil réis, o Zequinha deu muito trabalho ao Grêmio, mas acabou derrotado por 3 a 2.

O Estádio do Passo D'Areia já passou por várias mudanças desde a sua inauguração, evidentemente. A maior da ampliações foi a construção do "Tobogã" das arquibancadas atrás do gol que fica no lado da área social do clube.

Nome Oficial: Estádio Passo d’Areia
Endereço:

- Social - Rua Padre Hildebrando nº 1100
-Geral - Av. Rio São Gonçalo nº 95 -
- Bairro Passo d'Areia - Porto Alegre - RS
Camarotes:
06
Vestiários:
4 vestiários profissionais mais 1 vestiário de arbitragem.
Dimensões do Gramado:
74m x 105m - Tamanho oficial exigido pela Fifa.
Grama:
Catarina
Iluminação:
Estão em construção devido a nova arquibancada geral
Imprensa:
- 8 cabines duplas fixas
- 1 sala de imprensa
- 1 sala para entrevistas coletivas.
Estacionamento:
Privativo para funcionários e autoridades com capacidade para 50 veículos.

site: http://www.saojose.net