sexta-feira, 22 de agosto de 2008

Clube Atlético Hermann Aichinger


DÉCADA DE 50

• O Clube Atlético Hermann Aichinger foi Fundado em 20 de setembro de 1951, sucedendo a Sociedade Desportiva Industrial organizada em julho de 1944 e que na ocasião estava há mais de 3 anos sem atividades;
• A reunião de fundação do C.A.H.A. ocorreu no Bar do Sr. Geraldo Stoll, que contou com a presença dos Srs. Walter Nagel, Fritz Francke, Leopoldo de Souza, Wiegand Scheidemantel, Alberto Lessa, Fides Pettersen, Clemente Pettersen, Olimpio Lessa, Paulo Lippmann, Cuno Stoll, Waldemar B
randl, Engelbert Schaefer, Haroldo Lucas, Curt Stoll, Udo Iuwert, Enio Deeke, Geraldo Stoll, Luciano Patricio, Egon Stoll, Jorge Lucas Jr., Hercílio Lucas, Helmuth Arnold e Walfried Goebel;
• O Clube teve como seu primeiro presidente o Sr. Alberto Lessa e o local da sede e do campo de futebol era alugado.
• Em março de 1955 o Sr. Hermann Aichinger cedeu incondicionalmente o local para o Campo de Futebol e sede do Clube que leva o seu nome.
• Na década de 50 vários pessoas estiveram à frente do Clube, dentre eles podemos destacar: Alberto Lessa, Olimpio Lessa, Wiegand Scheidemantel, Fides Petersen, Curt Stoll, Hermann Aichinger, Ekkehardt Aichinger, Paulo Nüsser, Egon Stoll, Geraldo Stoll, Enio Meneghelli, Oscar Kopsch, Mano
el Cipriano da Silva, Manoel Marchetti, Hercílio de Fáveri, Ingo Metzker, Ibá Goitacazes dos Reis, Friedrich Franke, Cuno Stoll e Haroldo Lucas;
• A partir do ano de 1955 participa do Campeonato da 2ª Divisão da Liga Blumenauense de Desportos;
• No mesmo ano iniciam-se as obras para construção do estádio do Clube;
• Durante os anos 50 vários foram os jogos realizados pelo Clube Atlético de Ibirama, e dentre os adversários podemos citar o São Cristóvão-RJ, Novo Hamburgo-RS, Ferroviário-PR, Carlos Renaux e Paysandu de Brusque, Caxias e América de Joinville, Olímpico e Palmeiras de Blumenau, Avaí – Capital.
• Passaram e se destacaram no Clube diversos jogadores, como: Sagüi, Alceste Moser, Fanhô, Emílio Eberspächer, dentre outros.

DÉCADA DE 90

• Fiel a tradição esportiva do Clube, e com o firme propósito de disputar e representar digna e efetivamente o Clube, a Cidade de Ibirama e toda a região do Vale Norte em campeonatos, a atual diretoria, encabeçada pelo empresário Genésio Ayres Marchetti, a exemplo do que toda a família Marchetti realizou ao longo dos tempos e da história do Clube Atlético, começou, após um longo período de inatividade, um trabalho de base com jovens atletas locais, sagrando-se campeão municipal invicto no ano de 1990. Em 1991 participa do Campeonato de Amadores da Liga Vale Norte de Futebol, chegando à 3ª colocação na competição;
• Em 1992 conquista o vice-campeonato amador da Liga Vale Norte de Futebol de Ibirama, e, na continuação dos trabalhos propostos, já buscando maior representatividade estadual e com reforços de atletas da região, sagrou-se C
ampeão Catarinense de Futebol Amador, garantindo assim, sua credencial para disputar a 2ª Divisão de Profissionais.
• Ainda em 1992, participou em Curitiba do Campeonato Sulbrasileiro de Futebol Amador, representando Santa Catarina. A Competição contou com equipes amadoras representando os Estados de São Paulo, Paraná e Rio Grande do Sul;
• Profissionalizou-se no ano de 1993 e tendo conquistado no mesmo ano o Titulo de Campeão Estadual da 2ª Divisão de Profissionais, assegura sua vaga para disputar o campeonato da 1ª Divisão.
• No ano de 1994 o então e atual presidente do Clube, Sr. Genésio Ayres Marchetti, visando a disputa do campeonato estadual da 1ª divisão, realiza a maior obra de infra-estrutura no clube, com a construção da arquibancada coberta para mais de 2 mil pessoas, ampliação, drenagem e gramado novo no campo de futebol;
• No campeonato estadual de 1994 destacou-se ao vencer por duas vezes a equipe do Criciúma que estava no auge e contava com craques do naipe de Soares, Jairo Lenzi, Vilmar, Da Pinta, Alexandre, Sílvio Criciúma e outros;
• Nesse
Campeonato o Atlético de Ibirama chegou a disputar semi-final de turno, terminando a competição entre os oito, numa disputa que contava com 16 equipes;
• Em 1995 disputou o certame estadual, tendo uma boa participação e sempre figurando entre as primeiras colocações;
• Licenciou-se junto a Federação no mesmo ano, assolado pela geral crise econômica;
• Com passagem pelo Clube destacaram-se os jogadores Sávio, Osmair, Nardella, Treze e Valdir Dias;
• O Clube não abandonou suas atividades esportivas, continuou disputando campeonatos regionais de futebol amador, sagrando-se Campeão do Campeonato de Masters promovido pela Liga Vale Norte de Futebol no ano de 1999 e 3º colocado na categoria amador no mesmo ano;

NOVO MI
LÊNIO

• Até o ano de 2000 manteve um profissional no Clube que trabalha com as categorias de base, onde dezenas de jovens, entre 12 e 21 anos, estão sendo treinados e preparados para disputar os campeonatos das categorias no decorrer deste ano e visando ainda o retorno ao futebol profissional Catarinense no ano de 2001.
• Disputou em 2001 o Campeonato Catarinense de Futebol Profissional da 2ª Divisão, sagrando-se Bi-Campeão, conquistando o 1º e 2º turnos do campeonato e o título final.
• Em 2002 e 2003 disputou o campeonato da 1ª divisão, mantendo-se na chave principal dos melhores clubes do Estado.
• Em 2004 – Vice-Campeão Catarinense da Série A1 e Vice-Campeão Estadual da Série A2. Disputou a Série C do Brasileiro, ficando entre as 16 melhores equipes.
• 200
5 – Disputou a Copa do Brasil e novamente sagrou-se Vice-Campeão Catarinense da Série A1 e 3º lugar da Série A2 do Catarinense e disputou a Série C do Brasileiro.
• 2006 – Disputou novamente a Copa do Brasil, obteve a 4ª colocação no Campeonato Catarinense da Divisão Principal (antiga Série A1). Disputando a Divisão Especial (antiga Série A2).

Estádio
Hermann Aichinger (Estádio da Baixada)
Capacidade : 3000

Hino : http://mais.uol.com.br/view/l0gdej5wamck/hino-atletico-ibiramasc-040264E0B953E6?types=A&

Ouça aqui, sem letra disponível

Mascote

O “Capeta” – que entrava em campo antes das partidas, vestido a caráter, e dava voltas ao redor do gramado com o mascote do time adversário “espetado” em seu garfo. E, num fato inusitado, ao ser entrevistado por uma Rádio que cobria o jogo e indagado sobre o que esperava da partida, o “Capeta” respondeu convicto: “Se Deus quiser vamos vencer o jogo”.

site : http://www.atleticoha.com.br/