quarta-feira, 30 de setembro de 2015

Sociedade Esportiva Platinense

Sociedade Esportiva Platinense é uma agremiação da cidade de Santo Antônio da Platina, no norte do Paraná. Sua fundação data de 25 de Maio de 1953, contudo sua estréia ocorreu em 1981 após abandono do futebol profissional do Clube Esportivo Agroceres, equipe que representava a cidade até então. Manda seus jogos no Estádio Municipal José Eleutério da Silva, com capacidade para 6 mil pessoas.

Apesar de ter sua fundação na década de 1950 somente aparece no cenário futebolístico na década de 1980. Nas décadas anteriores outras equipes com o codinome Platinense desfilaram pelos campeonatos promovidos pela Federação Paranaense de Futebol: Associação Atlética Platinense (1958); Clube Atlético Platinense (1963); União Platinense de Esportes (1967-1970). Além destas equipes outras representaram Santo Antonio da Platina no futebol mostrando que a cidade era um celeiro de craques.
Possui uma torcida apaixonada que acompanha a equipe em todos os jogos, ainda mais após o título da segunda divisão e as boas campanhas na elite paranaense, quando conseguiu dois quintos lugares na década de 1980.

Jogou a Segunda Divisão de 1981 a1985, quando conquista o título e garante vaga na primeira divisão. Na elite permanece de1986 a1993, sendo que ao final do ano pede licenciamento junto à federação. Após duas temporadas fora do futebol a equipe retorna em 1996 com nova roupagem. Trocou os tradicionais preto e vermelho pelo azul e verde da bandeira municipal.

Esta manobra visava uma maior aproximação ao poder público para que a equipe conseguisse apoio financeiro. De 1996 a 2003 aequipe começa fase de sobe e desce: 1996 joga a segunda divisão conseguindo voltar a elite paranaense; 1997, após 3 anos, joga a 1ª divisão, contudo sem apoio não faz boa campanha.
Escudos da Platinense
Em 1998 se ausenta de competições profissionais, retornando no ano seguinte na terceira divisão. 2000 joga a segunda; 2001 fica fora de competições novamente;2002 a terceira,2003 a segunda divisão, contudo, com problemas de caixa não termina o campeonato, abandonando a competição.

Tentaria novos retornos em 2005 (segunda divisão); 2008, 2011 e 2013 (terceira divisão). No ano de2013 aequipe foi assumida por um grupo de empresários de São Paulo, houve problemas na diretoria (existiam dois presidentes eleitos) acarretando no abandono da equipe após dois jogos. Contudo, o clube trabalha para voltar as competições profissionais e para o ano de 2015 há a possibilidade da equipe voltar, uma vez que há um projeto com grupo de investidores para pagar todas as dividas e organizar a categoria de base e time profissional.

Estádio 

José Eleutério da Silva é um estádio localizado na cidade de Santo Antônio da Platina, e tem capacidade para 6.500 pessoas.



terça-feira, 29 de setembro de 2015

Pouso Alegre Futebol Clube

O Pouso Alegre Futebol Clube (PAFC) é uma agremiação da cidade de Pouso (MG). O Pousão foi Fundado no dia 15 de novembro de 1913, com o nome de “Pouso Alegre Football Club“. Naquele dia foi realizada uma reunião na casa de Alfredo Ennes Baganha – primeiro presidente do PAFC – para fundar o clube e assim começar a escrever a história do futebol pousoalegrense.
No entanto, naquela época era difícil manter um clube em atividade por muito tempo. Devido a isso, no final da década de 1910, o PAFC caiu no ostracismo. E somente em 1928, o rubro-negro voltou com força máxima. Ajudado por um grupo de diretores, o clube viria a conquistar a sua maior glória até aquele momento.

No dia 28 de setembro de 1928, reunidos no Fórum de Pouso Alegre, Alfredo Baganha e José Nunes Rebello, lavraram a ata de compra de um terreno localizado no alto da Rua Comendador José Garcia. O valor da compra foi de 8 conto de réis. Ali, naquele terreno, seria construído o futuro estádio do Pouso Alegre Futebol Clube.
A partir disso, já na década de 1930, muitos times paulistas começaram a jogar no Campo do PAFC.Guarani, Ponte Preta e o extinto Ypiranga foram um dos exemplos de times que passaram por Pouso Alegre. Nessa mesma época, foram criados e disputados vários torneios intermunicipais.

No final da década de 1940, mais precisamente no ano de 1947, foi fundada a Liga Espostiva Municipal de Amadores (LEMA). A entidade, que teve como primeiro presidente Pardal Vilhena de Alcântara, passou a organizar essas competições e muitos times amadores apareceram na cidade, fazendo frente do PAFC.
Com o fortalecimento de outros times na cidade, o Pouso Alegre FC acabou entrando em recesso das competições amadoras no início da década de 1950. E com isso a Liga passou a administrar o Estádio do PAFC, o que levou a todos a chamarem de “Estádio da Lema“. Nesse mesmo período, foram construídos os primeiros lances de arquibancada e o muro que cerca o gramado.

Pouco mais de uma década longe dos gramados, o PAFC resolveu voltar no ano de 1967. E voltou para disputar a sua primeira competição profissional. O rubro-negro disputou naquele ano o Campeonato Mineiro da 2ª Divisão. O Pouso Alegre FC foi o campeão da Chave Sul do torneio e classificou-se para as finais do torneio, mas acabou perdendo a vaga nos tribunais, por incluir um atleta em condição irregular.
O fato foi um balde de água fria jogado nas pretensões pousoalegrenses. No ano seguinte, o time voltou a disputar a mesma competição, mas não contava com o mesmo entusiasmo (leia-se interesse financeiro) e foi eliminado logo na primeira fase do certame. Atolado em dívidas, o PAFC fechou o seu breve retorno aos gramados em 1968.

E com o novo fechamento do PAFC, outro problema se acarretou na cidade. A LEMA, que comandava os torneios amadores no município, também foi sucumbida e encerrou suas atividades no final da década de 1960.
No início da década de 1980, a Liga Municipal foi reativada. Com isso os torneios amadores da cidade – que não pararam de ser realizados – foram fortalecidos e boatos da volta do PAFC começaram a serem ouvidos pela cidade. E isso aconteceu em 1983. Ainda como time amador, o PAFC foi campeão da Copa Sul Mineira, jogando com atletas somente da cidade.
E foi nesse mesmo ano, que o PAFC conquistou seu maior troféu. O rubro-negro foi Campeão Amador do Estado de Minas Gerais. O torneio que foi disputado por mais de 30 equipes, teve em sua final PAFC e Curvelo.
No ano seguinte, o PAFC se profissionalizou novamente. Essa segunda fase profissional tinha como objetivo o retorno do rubro-negro a Segunda Divisão do Campeonato Mineiro e quem sabe o acesso a elite do futebol estadual. E isso aconteceu.

Em 1988, o PAFC alcançou o seu maior objetivo, que era o acesso a Primeira Divisão do Campeonato Mineiro. Mas, essa conquista veio de forma sofrida contra o Atlético de Três Corações. A última partida daquele certame até ficou conhecida como “A Batalha de Três Corações“, pois aquele jogo não teve fim e o resultado – que favorecia o PAFC – só saiu meses depois, já em 1989, após intervenção judicial.
Com o acesso garantido na justiça, o Pouso Alegre Futebol Clube fez sua estréia na Primeira Divisão do Mineiro, com o campeonato já em andamento. Com isso o rubro-negro teve que fazer muitas partidas em pouco espaço de tempo – chegou a jogar três vezes por semana. Mas, mesmo assim o time do PAFC conseguiu manter-se na elite do futebol mineiro.
1990 foi o melhor ano do Pouso Alegre Futebol Clube, com o Dragão realizando o seu maior feito no futebol profissional. Disputando o Campeonato Mineiro da Primeira Divisão, com 18 equipes, alcançou a 5ª colocação, com um time que será lembrado por todos: Paulo César; Edvaldo, César, Zigomar e Nonato; Alcinei, Paulo da Pinta e Fernando Baiano; Heleno, Carlão e Anderson.

Mas, com a falta de apoio e estrutura, foi difícil o PAFC manter aquele elenco supervalorizado e o time foi se desfazendo. Nos campeonatos seguintes, o time perdeu pouco a pouco a sua identidade e em 1992 despediu-se da elite do futebol mineiro. Disputou o Módulo II do Campeonato Mineiro até o ano de 1998 e foi nesse mesmo ano em que licenciou-se da Federação Mineira de Futebol, ficando inativo até 2009, quando voltou à Segundona do Mineiro, onde realizou boa campanha, terminando o certame na quinta colocação.

segunda-feira, 28 de setembro de 2015

Esporte Clube de Caruaru

O Esporte Clube de Caruaru foi uma agremiação efêmera da Cidade de Caruaru (PE). O Tigre do Agreste foi Fundado no dia 25 de Fevereiro de 1975, por esportistas do bairro de Petrópolis, liderado pelo Sr. Manoel Teotônio da Silva. O 1º presidente foi José Reginaldo Rodrigues; enquanto o ex-quarto zagueiro do Central, Jucélio foi o primeiro técnico.

A sua Sede ficava localizada na Avenida João de Barros, s/n – Bairro de Petrópolis, em Caruaru. A equipe mandava os seus jogos no Estádio Antônio Inácio de Souza, com capacidade para 6 mil pessoas, de propriedade da LDC (Liga Desportiva Caruaruense). O início do clube parecia promissor, uma vez que em menos de um mês, o número de associados já tinha passado dos 500.

No seu curto espaço de três anos de existência participou do Campeonato Pernambucano da 1ª Divisão, em duas oportunidades: 1977 e 1978. Na sua primeira participação, em 1977, o Esporte Clube de Caruaru terminou na 6ª e última colocação. Foram 30 jogos, com quatro vitórias, três empates e 23 derrotas; marcando 12 gols e sofrendo 69, com saldo negativo de 57.

O resultado mais expressivo, além de ter vencido o Central por 1 a 0, foi o triunfo em cima do Náutico por 2 a 0,em casa, no dia 11 de setembro de 1975. Na temporada seguinte (1978), o EC Caruaru ficou na 5ª colocação. Foram 19 jogos, com três vitórias, seis empates e 10 derrotas; marcaram 13 gols e sofreram 47, com saldo de menos 34. No início de 1979, o Esporte Clube de Caruaru mudou de nome e cores, passando a se chamar: Atlético Clube de Caruaru.

domingo, 27 de setembro de 2015

Clube Esportivo União

Clube Esportivo União (CEU), uma agremiação da cidade de Francisco Beltrão (PR). Essa equipe se prepara para retornar aos gramados em 2016, após 23 anos longe do futebol profissional.

O clube Alvianil foi Fundado no dia 15 de Fevereiro de 1956, como Esporte Clube União, enquanto o Estádio Anilado (inaugurado em 1953 pela diretoria do CEU, porém repassado aos cuidados do município, em 1993), com capacidade para 10 mil pessoas; fica na Rua Tenente Camargo, s/n, Nossa Senhora Aparecida, em Francisco Beltrão.

O CEU debutou na esfera profissional no Campeonato Paranaense da 2ª Divisão de 1967, ficando na primeira fase. A mesma campanha se repetiu em 1968. Desapontada, a diretoria decidiu se afastar das competições profissionais, só retornado na Segundona de 1977, mas, novamente ficou na primeira fase, se repetindo na temporada seguinte.

Contudo, o clube não desanimou e conseguiu o seu maior feito: conquistando o título do Campeonato Paranaense da 2ª Divisão de 1979. Três anos depois, por pouco não faturou mais um caneco ao ficar com vice-campeonato da Segundona, em 1982, perdendo na final para o Pinheiros, de Curitiba. O CEU ainda participou do Campeonato Paranaense da 2ª Divisão em 1983, 1984, 1986 e 1988. Após os insucessos, o CEU mais uma vez resolveu se afastar o futebol profissional.

Em 2010 foi cogitada a possibilidade do clube disputar o Campeonato Paranaense da Terceira Divisão, porém o presidente Severino Soranso descartou a participação no certame. Este ano (2015), as atividades foram retomadas e o clube voltará a ativa participando da Série bronze, no próximo ano (2016).

sábado, 26 de setembro de 2015

Panair Sport Clube

No início dos anos de 1940, as partidas de futebol, na antiga Macapá, eram disputadas de forma amadorística no Campo da praça da Matriz, atual Praça Veiga Cabral. Dessa época vem o Panair Sport Clube – clube dos funcionários da aviação Panair do Brasil – fundado em Macapá, em 19 de fevereiro de 1944, por seu idealizador Emanuel Tarcilo Duarte Moraes, primeiro encarregado do Aeroporto de Macapá, durante os três primeiros anos de existência do Território Federal do Amapá.

O Panair é considerado o embrião do Esporte Clube Macapá, fundado no dia 18 de novembro de 1944. Em 1946, mudou de nome para o atual Macapá.

Segundo o artigo da Panair em Revista, o Panair Sport Clube, era o clube que reunia os funcionários da Panair do Brasil naquela cidade, levantou brilhantemente o título de campeão de futebol do ano de 1944.
Em fevereiro de 1945, quando foram realizadas diversas competições esportivas, naquela capital, em comemoração ao primeiro aniversário da Guarda Territorial, o Panair Sport Clube de Macapá, derrotou por 4 x 0 o time do Oiapoque, formado pelos praças do 3º Batalhão de Fronteira.

sexta-feira, 25 de setembro de 2015

Esporte Clube XV de Novembro de Caraguatatuba

O XV foi criado em 18 de fevereiro de 1934. Foi o segundo clube de futebol da cidade. O primeiro clube de Caraguá foi o Anhimbu Futebol Clube, criado pelos funcionários da empresa de madeiras J. Charvolins, mais tarde conhecida como Fazenda dos Ingleses. Durante os anos de 1940 e 1947, o XV esteve inativo por conta da 2ª guerra mundial.

Após a guerra, o XV esteve focado nas atividades amadoras e foi um dos mais fortes do esporte amador do Litoral e Vale do Paraíba. O clube foi reformulado e ganhou uma nova sede social. O clube adota as cores verde e branco em homenagem ao Palmeiras.

No futebol amador, partidas envolvendo adversários de São Sebastião eram consideradas “clássicos regionais”, com casa cheia e muitas discussões. Clássicos locais, envolvendo o EC Indaiá, também movimentavam a cidade e, principalmente, o meio futebolístico local.

Em 1967, ocorreu uma grande tempestade em Caraguatatuba, causando avalanche de pedras, árvores e lama dos morros Cruzeiro. Jaraguá, Jaraguazinho, próximos a cidade, sepultando vários habitantes e danificando fortemente o estádio do XV.

Vinte anos depois desse acidente, em 1987, diretoria do clube reformou e reestruturou seu patrimônio, conseguindo inscrever o XV no futebol profissional no ano seguinte, para a disputa da 4ª divisão do Paulista. Em 1990, o clube sobe para a Terceira Divisão do Paulista, permanecendo lá até 1992, quando se afastou do profissional. Sua volta foi em 1995, na Quarta Divisão. Em 1996, o Leão quase subiu de divisão, mas no ano seguinte o acesso veio a Caraguatatuba, com uma campanha muito boa dentro de campo. Porém, o XV não pôde disputar a Série A3 de 1998 devido o seu estádio não ter capacidade para receber 10 mil pessoas. Por isso, permaneceu na Quarta Divisão.

Após isso, o XV não conseguiu emplacar uma boa campanha novamente, e ficou no profissional até 2005, onde o clube não aguentou os problemas financeiros e a falta de apoio na região e resolveu dar um tempo com o futebol.


Alcunhas Leão do Litoral
Mascote Leão


Estádio 

XV de Novembro "Toca do Leão"
Capacidade 7.000

quinta-feira, 24 de setembro de 2015

Maringá Futebol Clube

O Maringá Futebol Clube foi uma agremiação fundada em 10 de maio de 1995 na cidade de Maringá. Isso mesmo, foi, pois esse Maringá F.C. não é o atual Maringá F.C. . A equipe possuía sua sede na Rua Joubert de Carvalho 373, no centro da cidade. mandava seus jogos no Estádio Regional Willie Davids com capacidade para 21.600 pessoas.

O tricolor maringaense nasceu forte. No mesmo ano de fundação o Lobo (mascote da equipe) disputa a 2ª divisão paranaense e sagra-se campeã. Nos anos de 1996,97 e 98 disputa a 1ª divisão, contudo na sua ultima temporada faz péssima campanha e acaba rebaixada a 2ª divisão de 1999, contudo a equipe se licencia e não volta mais aos gramados paranaenses.

Título : 1 Campeonato da Divisão Intermediaria (1995)

Fonte 

quarta-feira, 23 de setembro de 2015

Associação Atlética Paraisense

A Associação Atlética Paraisense é uma agremiação da cidade de São Sebastião do Paraíso (MG). Seu Estádio é o Comendador João Alves de Figueiredo, com capacidade para 9 mil pessoas. A Mais Queridaou Verdona foi Fundado no dia 05 de Março de 1919, pelo Coronel Alfredo Serra Júnior, o ‘Dr. Serrinha’.

O clube tem uma história rica em altos e baixos. Em 1956 disputou a final do Campeonato Mineiro da Segunda Divisão e perdeu para o Valériodoce naquela lembrança da perda de dois pênaltis do jogador Mingo. Somente nos anos 80, que a Verdona voltou a brilhar. Onde enfrentou e ganhou de equipes que faziam parte da elite dos campeonatos mineiro e paulista. No Estádio Comendador João Alves já jogaram grandes times como Fluminense, Santos, Cruzeiro, Atlético, Guarani e Ponte Preta, de Campinas,Botafogo e Comercial de Ribeirão Preto, além de grandes equipes do cenário regional e nacional.

As maiores conquistas do Paraisense ocorreram no Campeonato Mineiro da Segunda Divisão, tendo no currículo dois vices (1989 e 1995) e o título obtido no Campeonato Mineiro da Terceira Divisão, em 2001. Participou do Campeonato Mineiro da 1ª Divisão em quatro oportunidades: 1990 (8º lugar), 1991 (8º lugar), 1992 (15º lugar) e 1996 (12º lugar). Em1989, em uma partida emocionante ela empatou com o Ipiranga em Manhuaçu e subiu pela primeira vez a elite do futebol mineiro.

Após bons tempos, o Paraisense viveu estado de abandono. Uma visão terrível para os seus torcedores que viram o mau estado de conservação das arquibancadas, muros que cercam o estádio, principalmente na lateral na rua que dá acesso aos armazéns do extinto IBC. Uma parte do muro ao lado dos vestiários, de frente para a Rua Delmira Figueiredo Westin estava inclinado, com ameaça de desabamento.A partir de 2013, o clube voltou a “respirar sem ajuda de aparelhos“. Inicialmente com as categorias de base e tem um ótimo projeto para o futuro. A ideia é que em apenas três anos a equipe possa disputar o Campeonato Mineiro Sub-17 e Sub-15 e também jogar a Taça BH da mesma categoria. Posteriormente, o intuito é voltar a disputar o Campeonato Mineiro profissional.

terça-feira, 22 de setembro de 2015

Tangará Esporte Clube

O time do Tangará Esporte Clube, outro que também leva o nome da cidade, foi fundado em 22 de fevereiro de 1991 e pouco se sabe sobre a história do clube.
Disputou os Campeonatos Mato-Grossense de 1994 e 1995, sempre fazendo campanhas ruins e sendo eliminado ainda na primeira fase.
Seu uniforme era composto de camisa vermelha, calção branco e meias vermelhas. Seu mascote: também o Tangará, uma ave do pantanal.


A equipe mandava seus jogos no Estádio Municipal Mané Garrincha, com capacidade para 4.000 pessoas.

segunda-feira, 21 de setembro de 2015

Independente Atlético Clube

O Independente Atlético Clube foi uma agremiação da Cidade de Garanhuns (PE). O ‘Iaque’ foi Fundado numa sexta-feira, do 19 de Novembro de 1971, por alunos do Colégio Agobar Valença, liderados por Onias Lima, o idealizador do projeto.
A sua Sede provisória ficava na Rua Dom José, 62, no Bairro Santo Antônio. No dia 25 de maio de 1973, o Iaque fez um acordo com outro clube da cidade: Sport Club Garanhuns (Fundado no dia 11 de Outubro de 1919). Na época o Independente ainda procura uma sede própria, enquanto o SC Garanhuns estava com fechada a mais de um ano.

Com isso, a Sede foi arrendada pelo Iaque, situada na Praça Souto Maior, s/n, no Bairro de Heliópolis, em Garanhuns, que contava com duas formas de manter o clube: uma verba vinda da prefeitura local e tambémo IAC-Som, que se firmou no Agreste como uma das melhores conjuntos musicais. Posteriormente, o Iaqueaumentou a sua arrecadação com os bailes de carnaval, dançantes e os bingos.
Instalado, o Independente participou da sua primeira competição importante: a Copa Governador Eraldo Gueiros (Copa do Interior) de 1973. Após uma boa campanha, veio o 1º título: campeão do Torneio Início Citadino de 1974, organizado pela Liga Desportiva Garanhuense (LDG) ao vencer na decisão o rival Sete de Setembro.

Para chegar ao título, O ‘Iaque’ eliminou o Centro Lagedo e Cruzeiro, ambos nos pênaltis; e na final, bateu o Sete de Setembro por 1 a 0, gol de Toinho, no Estádio da Avenida Rui Barbosa (Renda de 1.115 cruzeiros). A equipe campeã, comandada por José Elói foi a campo com a seguinte formação: Carioca; Arnaldo, Orlando, Clóvis e Mazinho; Toinho e Isnar; Araujo, Padeiro, Galindo e Maurício.
Em 1977, participou do Campeonato Pernambucano de 2ª Divisão, terminando na 7ª colocação. Time-base de 1977: Duínha; Silva, Mazinho, Ivan e Fernando; Vada e Zé Oliveira; Marcos I, Ismar, Deuzito e Marcelo (Marcos II). Técnico: Silveira

domingo, 20 de setembro de 2015

Nova Rússia Esporte Clube

Em 1930 um grupo de empresários de Ponta Grossa fundaram o Nova Rússia Esporte Clube, no bairro de mesmo nome. O novo clube foi se estruturando gradativamente até alcançar o seu objetivo, o título máximo ponta-grossense em 1933 e o vice campeonato estadual.
Em 1933 o Nova Rússia ficou campeão Pontagrossense e ganhou o direito de disputar o campeonato estadual com as equipes campeãs da capital, da região de Iraty e da região de União da Vitória. 
O consagrado goleiro do clube Thadeu Baguszevski jogou na Portuguesa de Desportos e no América do Rio, atuando pela Seleção Carioca e Brasileira.
Infelizmente o clube teve vida curta e realizou sua última partida em 11 de setembro de 1935, contra o Guarany.
Com a extinção do Nova Rússia E.C., moradores do Bairro Nova Rússia entusiasmados com o futebol, fundaram em 1938 o América Futebol Clube, que na seguencia fuzionou com o Ponta-Grossense Futebol Clube, surgindo o América Ponta-Grossense Futebol Clube, equipe que disputa o campeonato da cidade desde a sua criação, sendo o maior vencedor de campeonatos Amadores de Ponta Grossa, com o primeiro título na década de 60.

sábado, 19 de setembro de 2015

Tremendão Futebol Clube

Dentre os clubes pitorescos do Brasil, não deve existir nenhum que supere o simpático Tremendão Futebol Clube. A agremiação de Cáceres, cidade sede também do Cáceres Esporte Clube e do Cacerense, a 214 km de Cuiabá, no estado do Mato Grosso, não só tem nome curioso, como também seu escudo, em que existe nada mais, nada menos que um escorpião em seu interior.
A explicação para essa exclusiva e curiosa denominação vem do supermercado do mesmo nome, o qual seu dono,Joaquim Deolindo,também fundador , a fim de divulgar seu negocio, resolveu batizar o time com o nome de seu comercio. Nascia então, em fevereiro de 1979, com as cores azul e branco, O Tremendão Futebol Clube.

No inicio, a equipe limitou-se somente aos torneios amadores da região, principalmente o de Cáceres, pelo qual conquistou diversos títulos. Nesta época, também, foi revelado um dos maiores jogadores da historia do clube, Rivair Antonio de Souza, ou simplesmente Rivair, que ,no auge de seus 13 anos, com muita habilidade, despertou interesse de outros times da cidade, a exemplo do não menos tradicional Velho Barreiro. Souza teve a chance de vestir a camisa da Portuguesa Santista e do São Paulo. Neste ultimo, apos obter sucesso em um teste do clube, foi reprovado por ter idade avançada (18 anos).

Enquanto isso,o Tremendão seguia o mesmo caminho. Após boa fase no amador local, no final da década de 80, resolveu aventurar-se no profissionalismo, inscrevendo-se para a disputa da segunda divisão do estadual. Foram apenas dois anos (1988 e 1989). O suficiente para marcar para sempre a história do clube.

Hoje em dia, longe de seu apogeu, a equipe ainda respira. Encontra-se novamente nos certames amadores da cidade, disputando, porém, somente na categoria veterano.

sexta-feira, 18 de setembro de 2015

Associação Atlética Votuporanguense

Associação Atlética Votuporanguense foi um clube brasileiro de futebol, localizado na cidade de Votuporanga, interior do estado de São Paulo. Fundada em 23 de dezembro de 1956, suas cores eram preta e branca. Teve 36 participações no Campeonato Paulista de Futebol.

A Associação Atlética Votuporanguense foi, ao lado do Fernandópolis Futebol Clube, seu maior rival, a agremiação mais tradicional de sua região. Todavia, o "FFC" não teve a quantidade de participações na divisão de acesso que teve a Votuporanguense. Habitual participante desta divisão, entre os anos de 1961 e 1993, neste período a equipe de Votuporanga frequentou por 29 vezes a Segunda Divisão (atual A2).

A Associação Atlética Votuporanguense foi um clube paulista fundado em 23 de dezembro de 1956, na cidade de Votuporanga, região de São José do Rio Preto/SP. Sua primeira aparição no futebol profissional foi em 1960, na Quarta Divisão (atual Segunda Divisão). Justamente em seu ano de estreia no futebol, o clube se consagrou campeão.

Em 1961, a Alvinegra jogou a Segunda Divisão do futebol paulista, disputando a mesma ininterruptamente até 1967. No ano seguinte, o clube não jogou nenhuma competição, mas retornou em 1969 na mesma divisão. 1970, mais uma vez, o clube ficou de fora, voltando apenas no ano seguinte. A Votuporanguense jogou até 1976. Em 1977 e 1978 disputou a Terceira Divisão Paulista, sendo que na segunda participação se sagrou campeã da divisão.

Novamente na Segunda Divisão, a AAV esteve disputando até 1993, quando caiu para a Terceira Divisão. Porém, como houve a reformulação nas divisões do futebol paulista no ano seguinte, a Alvinegra acabou caindo para a Série B1 (quarta divisão), onde esteve até 1996. Em uma crise financeira, o clube só retornou em 2000 para disputar a extinta Série B2 (quinta divisão), após isso nunca mais voltando para o profissional, fechando as portas por definitivo.

Estádio 

Municipal Plínio Marin foi um estádio de futebol localizado na cidade de Votuporanga, no estado de São Paulo, com capacidade para 7.464 Lugares. Foi demolido em julho de 2015, depois de quase 60 anos de história.

quinta-feira, 17 de setembro de 2015

Flamengo Esporte Clube

O Flamengo Esporte Clube foi uma agremiação da cidade de Varginha (MG). A sua Sede ficava localizada na Rua Paraná s/n – Centro de Varginha. O Rubro-Negro mandava seus jogos no Estádio Rubro-Negro, com capacidade para 2 mil pessoas. Fundado no dia 08 de Agosto de 1979, Foi desativado em 1993.

Seis anos depois de ter encerrado suas atividades, em 1979, uma turma de adeptos do esporte, resolveu reativar o Flamengo de Varginha. O presidente Geraldo de Paula Filho (Ladinho) decidiu extinguir oFlamengo Futebol Clube e criar o Flamengo Esporte Clube.

Uma autorização foi conseguida com diretor de patrimônio do extinto Flamengo F.C., para que fossem usadas as dependências do clube e em troca, seriam feitas reformas no Estádio Rubro-Negro.

O técnico do time era Zezé e o plantel contratado em março de 1979 era: Arnaldo; Vandir, Tadeu, Mário Alberto e Walmir, Álvaro, Celso e Reis, Julinho, Armando e Eli.

No primeiro jogo desta equipe contra o Tupi de Juiz de Fora, o Flamengo empatou em 1 a 1 em Varginha. Participou do Campeonato Mineiro da 1ª Divisão em 1980, 1989, 1990, 1991, 1992 e 1993.

O Flamengo sofreu com a dificuldades financeiras, entradas e saídas de dirigentes até arrumar a casa. Após uma boa campanha no Campeonato Mineiro da 2ª Divisão de 1987, no ano seguinte veio o título.

Depois de buscar uma vaga para subir para a 1º Divisão durante oito anos, o Flamengo, finalmente conseguiu ser campeão em 1988, sob a presidência de Edilberto Carvalho (Coruja). Passou pela primeira fase contra Atlético (TC), Comercial de Campo Belo, Yuracan de Itajubá, Olímpica de Lavras, Pouso Alegre, Sparta de Campo Belo e Trespontano.

Na segunda fase, o Flamengo enfrentou o Aymorés de Ubá, Ituiutabana, Paraisense, Guarani de Divinópolis e Sparta de Campo Belo. Conseguiu a 1ª colocação e classificou-se para a Fase Final.

Seis clubes disputariam quem ficaria com o título e o vice-campeonato, colocação que os habilitava para o ingresso ao Campeonato Mineiro da 1ª Divisão em 1989. O Flamengo ficou em primeiro lugar, depois de enfrentar Pouso Alegre, Araxá, Atlético(TC), Democrata(GV) e Sparta de Campo Belo.

quarta-feira, 16 de setembro de 2015

Sociedade Egipciense Futebol Clube

Fundado em 05/01/1931 pelos ilustres desportistas Valfredo Siqueira, José Torreão e Mario Lira. O glorioso EGIPCIENSE FUTEBOL CLUBE, o Papai da Cidade, o galo mais Famoso do Pajeú, equipe que encantou a torcida de São José do Egito, onde era comum caravanas se deslocarem acompanhando o time por toda esta RegiãoA octogenária Sociedade Egipciense Futebol Clube fica na Rua 25 de agosto, no município de São José do Egito, no estado de Pernambuco, o time só teve duas experiências no futebol profissional.

Há dez anos, a Egipciense disputou o Campeonato Pernambucano da Série B em 2002 (terminou na terceira posição) e, em 2007, disputou a Copa do Interior. De 2009 pra cá, o time investe nas categorias de base de 9 a 14 anos. Estádio Francisco Pereira (Capacidade: 5 mil pessoas).
O Egipciense traz nas cores de suas camisas o vermelho, preto, e o branco, introduzida por Vigário sapateiro na década de 1950.

terça-feira, 15 de setembro de 2015

Nacional Futebol Clube

Nacional Futebol Clube é um clube de futebol da cidade de Pombal, estado da Paraíba.

Em sua história, disputou por três vezes a Segunda Divisão do Campeonato Paraibano de Futebol (1992, 1993 e 1994), tendo paralisado suas atividades profissionais a partir de 1995.Em 2014, o clube se inscreveu novamente para a disputa da Segunda Divisão.

Manda seus jogos no estádio Pereirão. As cores oficiais da equipe são o verde e o branco.


Alcunhas Sensação do Sertão, Alviverde e Camaleão Sertanejo
Mascote Camaleão

segunda-feira, 14 de setembro de 2015

Grêmio Atlético 9º Regimento de Infantaria

Este clube de futebol foi fundado por militares que serviam no 9º Regimento de Infantaria do Exército Brasileiro, sediado no bairro Fragata, de Pelotas. O clube foi chamado de Grêmio Atlético do 9º Regimento de Infantaria. O nome perdurou até 1941, quando um decreto do governo federal proibiu que unidades militares emprestassem seus nomes a agremiações civis. Assim os dirigentes da época decidiram pelo nome de G. A. Farroupilha, numa alusão ao maior título obtido pelo clube: o do Campeonato Estadual de 1935, ano de centenário do início da Revolução Farroupilha (1835-1845).

Participações: 1ª divisão: 1934, 1935 (com esta nomenclatura)
Títulos: Campeão Gaúcho 1935
4 títulos citadinos: 1934, 1935, 1936 e 1938. (com esta nomenclatura)

domingo, 13 de setembro de 2015

BEC Tero Sasana-Football Club

BEC Tero Sasana-Football Club  é um clube tailandês com sede em Bangkok. O clube foi vice-campeão na edição inaugural da AFC Champions League competição em 2003.

A equipe foi fundada em 1992. Foi anteriormente conhecido como Sasana Witthaya Escola equipe e foi formada por Mr. Worawi Makudi. O primeiro jogo de futebol esta equipe entrou estava na Divisão 3 do copo real do futebol em 1993. Em 1994, o time jogou na Divisão 2 do copo real futebol Em 1995, o time jogou na Divisão 1 do copo real de futebol e em 1996 , a equipe entrou na Liga Thai pela primeira vez. Foi durante este ano, em 1996, que o Sr. Worawi Makudi eo Sr. Brian L. Marcar, diretor da BEC-TERO Entertainment Co., Ltd., juntou as mãos e renomeou a equipe como Tero Sasana Football Club. A equipe foi colocado na 12ª posição entre os 18 times da Liga Thai.

Em 1997, Tero Sasana Football Club também jogou na Liga Thai e desta vez foi colocada no quinto lugar. Mais tarde, em 1998, a Empresa Pública BEC-World Limited apoiou o Clube Tero Sasana Futebol e mudou o nome da equipe para Tero Sasana Sasana FC. A equipe ganhou o terceiro lugar, quando eles jogaram a Liga Thai. Eles também foram uma das oito equipes finais para entrar na rodada final da FA Cup Thai.

Em 1999, a equipe entrou na Liga Thai e novamente ganhou o terceiro lugar. No mesmo ano, eles estavam entre as equipes finais da FA Cup Thai.

O ano de 2000 foi um ano muito agitado para o BEC Tero Sasana-FC. A equipe venceu seu primeiro campeonato prêmio ao vencer a Liga tailandesa. Ele também recebeu o prêmio campeonato pela Copa do Rei.

Em 2001, a BEC Tero Sasana-FC foi capaz de manter o seu campeonato e venceu a Liga Thai, pelo segundo ano consecutivo. Isso aumentou muito a base de fãs.

O sucesso do clube continuou por alguns anos e culminou com acabamento Runner-up no 2002/03 AFC Champions League.

sábado, 12 de setembro de 2015

Ferroviário Sport Club

Fundado em 10 de agosto de 1945 o Ferroviário que no início era preto e branco nasceu já  com 17 sócios quando foi fundado, e  seus jogos no tempo de amador eram onde hoje fica a estação Pedro Nolasco em frente ao estádio Engenheiro Alencar Araripe da Desportiva Ferroviária. Na década de 50 entrando na vida profissional mandava suas partidas no estádio Governador Bley em Vitória, o time chegou a ter mais de 800 sócios, e mudaram as cores assumindo assim o amarelo e preto foi nos anos 50 também que passaram a usar o terreno onde hoje é o estádio Engenheiro Araripe, antes disso mandou muitos jogos no Morro da Companhia de Itaquari em Cariacica.

Disputou algumas competições oficiais mas nunca obteve um resultado de expressão, a emoção ficava mesmo quando enfrentava seu grande arqui rival Associação Atlética Vale, em 1961 por exemplo disputou a Taça Cidade de Vitória terminando com 4 vitórias, 4 empates e 10 derrotas marcou 21 gols sofreu 31 nas 18 partidas jogadas. Em 1961 o Ferroviário jogou o torneio início mas não passou do primeiro jogo após empatar em 0×0 com o Rio Branco acabou perdendo nos pênaltis por 2×1 em 21 de maio. Mas foi em 1958 que aconteceu um encontro marcante, contra a A.A Vale que por ser da mesma empresa CVRD havia uma rivalidade de funcionários muito grande, os dois times da Vale que não se bicavam, era uma rivalidade que gerava até  risco de morte entre os funcionários, que da A.A Vale eram maioria do escritório já  do Ferroviário S.C era de operários, daí se tinha idéia do que poderia rolar nos encontros, uma coisa era certa muita provocação de ambas as partes que se encontravam quase que diariamente, a partida foi muito movimentada e por ser pelo Torneio Início onde não duravam o tempo regulamentar geralmente era com duração de 20  a 40 minutos, o 2×2 foi emocionante indo assim para as penalidades, quem venceu foi a Vale por 2×1 passando a fase seguinte. Em 9 de junho de 1963 o Ferroviário S.C entrou em campo pela ultima vez, derrotando o Corinthians capixaba por 2×1.

Ferroviário Sport Club, Associação Atlética Vale, Associação Esportiva Valério, Guarany Esporte Clube e Associação Atlética Cauê todos clubes de trabalhadores da Companhia Vale do Rio Doce em 17 de junho de 1963 se fundiram e formaram a Associação Desportiva Ferroviária CVRD.

Fonte http://cacellain.com.br/blog/?p=75590

sexta-feira, 11 de setembro de 2015

ESAB Esporte Clube

O ESAB Esporte Clube foi uma agremiação da cidade de Contagem (MG). Fundado num domingo, do dia 1º de Março de 1970, em Contagem. as cores adotadas foi o amarelo e preto, da empresa sueca ESAB {Elektriska Svetsnings Aktiebolaget, (em português significa “Indústria de Soldas Elétricas”)}. A equipe mandava os seus jogos no Estádio Jorge Dias de Oliva, em Contagem.
O time surgiu despretensiosamente. Os empregados jogavam nas horas vagas para se distrair, até que um dia resolveram pedir a um dos diretores da Empresa, Sr. Leif Gronstedt, um jogo de uniformes. Sem saber, acabavam de ganhar um aliado importante, já que Sr. Leif, apesar de sueco, tinha verdadeira paixão por futebol.
Por intermédio dele, a ESAB decidiu, então, investir na equipe: comprou não apenas os uniformes, mas também começou a arcar com despesas de transporte para os locais dos jogos, contratou um treinador, e, sempre que possível, admitia para o quadro de funcionários pessoas que tinham habilidades com a bola.
Com o tempo, o ESAB Esporte Clube passou a aceitar jogadores que não trabalhavam na Empresa, como Evaldo e Natal, que vieram emprestados do Cruzeiro. Alguns funcionários se deram tão bem com a bola que foram jogar em equipes nos Estados Unidos e no Japão.

O auge do O ESAB Esporte Clube foi, sem dúvida, a chegada para disputar o Campeonato Mineiro da 1ª Divisão, onde esteve presente em quatro edições seguidas: 1974, 1975, 1976 e 1977.
Em 1974, o clube fez uma campanha discreta terminando na 9ª colocação. A campanha registrou empates com o Atlético de três Corações e Uberlândia (ambos em 0 a 0) e Uberaba (1 a 1); derrotas para o Villa Nova (2 a 1) e Cruzeiro (4 a 1), e a única vitória, no dia 14 de setembro de 1974, bateu o Valeriodoce, em casa, por 2 a 0, com gols de Evaldo e Moacir.
Em 1975, veio o grande ano do O ESAB. A equipe de Contagem terminou o 1º Turno do Mineiro, na liderança do Grupo B, na frente do Atlético Mineiro e América. Foram oito jogos, com seis vitórias, um empate e uma derrota; marcando 20 gols e sofrendo apenas oito.
Com isso, decidiu o Turno com o vencedor do Grupo A, o Cruzeiro. Contudo, a Raposa mostrou a superioridade vencendo os dois jogos: 6 a 2, no dia 29 de maio; e, 1 a 0, no dia 4 de junho, ambos no Mineirão.
Em 1976, o ESAB seguia num crescente, terminando na 5ª colocação: foram 10 jogos, com quatro vitórias, cinco empates e apenas uma derrota; marcando 10 gols e sofrendo outros dez.
Na sua última participação no Estadual de 1977, o ESAB fechou na 10ª posição. Foram 22 jogos, com quatro vitórias, nove empates e outras nove derrotas; marcando dez gols e sofrendo 25, com um saldo negativo de 15.

O ESAB Esporte Clube durou oito anos, mas, por ironia, teve que acabar em 1978, porque estava crescendo demais. O time exigia tempo de dirigentes e outras pessoas da empresa e, por isso, concluiu-se que seria melhor o encerramento de suas atividades.

quinta-feira, 10 de setembro de 2015

Elmo Esporte Clube

O Elmo Esporte Clube foi uma agremiação da cidade de Jaboatão dos Guararapes (PE). O “Tricolor de Prazeres” foi fundado numa sexta-feira, do dia 08 de Outubro de 1943, pelos desportistas Claudenor Almeida, Antonio Tavares e Luís Steliteno, negociante próspero no Pátio do Mercado de São José, no Bairro São José. Luís Steliteno também foi o 1º Presidente do clube. A primeira Sede ficava na Rua Frei Henrique, 75/ 1º andar, no Bairro de São José, no Recife.

Com as mudanças dos tempos, crises financeiras, o clube elmense teve ainda sedes nos bairros São José; Água Fria (Rua Júlio Ramos, 150); Distrito de Prazeres (atualmente o local deixou de ser um Distrito, passando a ser um Bairro), quando o mesmo ainda era o 3º Distrito de Jaboatão (onde ficava o Departamento de Futebol no ‘Clube Vassourinhas’ (denominação dada a Sede), na Avenida Barreto de Menezes, s/n, no Bairro dos Prazeres, em Jaboatão).

Depois passou para o bairro da Várzea, quando João de Deus da Mota doou um terreno, na Vila Zé Mota, 65 – Terminal da Brasilit,; onde foi construída a Sede Social que possuíam dois pavimentos: Palacete Rubem Moreira (Salão Nobre, Secretária, Departamento de Material, Cozinha e Almoxarifado); Boate-restaurante e o Parque Social Desportivo João de Deus, contendo um Dancing Aquático.

Contudo, a Sede na Vila Zé Mota, 65 acabou sendo atingida parcialmente pelas enchentes ocorridas em julho de 1975. Para amenizar os prejuízos o clube acabou vendendo a Sede para uma grande firma Sulista.

Graças a doação de Cr$ 500.000,00 feita por João de Deus da Mota, o Elmo Esporte Clube construiu a nova Sede batizada de Palácio do Amadorismo João de Deus da Mota, localizada na 5ª Travessa Dr. Fábio Maranhão (Em 1977, a Prefeitura de Jaboatão mudou o nome da Rua para ‘Elmo Esporte Clube’, que permanece assim até o dia de hoje), nº 80, em Prazeres, inaugurada na sexta-feira, no dia 08 de outubro de 1976, quando o clube festejou 33 anos de existência.

Após disputar o Campeonato Suburbano, vinculado à Associação Suburbana de Desportos Terrestres (ASDT), o Elmo ingressou na Federação Pernambucana de Futebol (FPF), nos anos 60. Apesar de campanhas modestas, o Tricolor dos Prazeres começou a conquistar boas campanhas como os vices da Segunda Divisão em 1966, 1967 e 1971.

Motivados e crentes de que o Elmo era um clube emergente, o seu presidente José Geraldo Mota abdicou de disputar a Segundona em 1972 para participar da Taça de Recife no mesmo, para assim buscar uma vaga na Elite do Futebol, Pernambucano.

Um sonho que se tornou realidade. Esta frase se encaixou perfeitamente na história do Elmo Esporte Clube, quando inaugurou a sua ‘casa’, batizado de Estádio José Geraldo Mota, às 15 horas; no domingo, 04 de fevereiro de 1973.

Localizado em Prazeres, à margem da BR-101, a partida inaugural, que foi arbitrada por Ivanildo Enéas (FPF), reuniu as equipes do Elmo e Associação Atlética Santo Amaro. No final, melhor para o Santo Amaro que venceu por 2 a 0 (gols de Ailton e Neco) e levou o “Troféu Pedro Ramos de Sena Pereira Júnior”. O público presente foi de aproximadamente Mil pessoas.

As últimas notícias do “Tricolor de Prazeres” foi em meados dos anos 80, quando o fazia parte do Campeonato Pernambucano da Terceira Divisão, porém sem nenhum destaque.

quarta-feira, 9 de setembro de 2015

Centro Esportivo do Pina

O Centro Esportivo do Pina é uma agremiação da cidade do Recife (PE). O verde-negro foi Fundado no dia 03 de Abril de 1934, e conta com a sua Sede na Avenida República do Líbano, s/n, no Bairro do Pina, no Recife. No Brasil só há dois clubes federados com as cores verde e preto: América Mineiro e o Centro Esportivo do Pina (vale lembrar que no Rio de Janeiro há o Tupy de Paracambi, que também possui essas cores, mas atualmente se encontra licenciado. Contudo, planeja brevemente retornar).

Existia no Bairro do Pina um clube denominado Clube Esportivo Pina (este clube participou dos campeonatos suburbanos e da Segunda Divisão), nos idos de 1925. Após uma dissidência dessa diretoria, alguns senhores resolveram fundar Centro Esportivo do Pina em 03-04-1934. Esses dirigentes foram:Francisco Marques, Bartolomeu de Figueiredo, Nestor Gonçalves Maia, Abelardo Brito Rio e Adalberto Oliveira Dantas.

Em 1973, o clube se filiou a Federação Pernambucana de Futebol (FPF), e de cara, se sagrou campeão, de forma invicta, Pernambucano da Segunda Divisão.Quatro anos depois, o Centro Esportivo do Pina repetiu à dose, faturando o Bicampeonato, com uma bela campanha.

Até os dias de hoje, o Centro Esportivo do Pina freqüenta as competições da base, ligadas a FPF.

terça-feira, 8 de setembro de 2015

Café Futebol Clube

O Café Futebol Clube foi um clube de futebol prossional da cidade de Londrina, Estado do Paraná. O clube surgiu em 1983 para dividir com o Londrina Esporte Clube a preferência pela torcida local. Este era o sonho de João Pívaro e Ilson Bussadori, os criadores do Café FC, que usava os uniformes iguais ao do Clube de Regatas Flamengo, do Rio de Janeiro, para se identificar com o povo.

O Café participou do Campeonato Paranaense da Segunda Divisão de 1984 a 1987 sem obter sucesso. Sem estrutura e apoio, perdeu força e fechou as portas no início de 1988. O único derby contra o LEC ocorreu em 23 de maio de 1984, no Estádio do Café, partida vencida pelo Tubarão por 4 a 1.

segunda-feira, 7 de setembro de 2015

Grêmio Esportivo Catanduvense

Grêmio Esportivo Catanduvense foi um clube brasileiro de futebol da cidade de Catanduva, no estado de São Paulo, fundado em 5 de fevereiro de 1970.

O time adotou inicialmente as cores azul e branco no uniforme. Foram 19 anos disputando a Segunda Divisão (a atual Série A2), até que, em 1988, o time conquistaria o acesso à Primeira Divisão do futebol paulista, e imediatamente mudaria a cor de seu uniforme. Adotaria as cores da primeira equipe da cidade, o vermelho e branco do Catanduva Esporte Clube. Foi o auge do futebol de Catanduva na história. O Grêmio Esportivo Catanduvense chegou à elite ao ser vice-campeão da Segundona de 1988, ganhando do Rio Preto com gol de Roberto Carlos (atacante), ficando atrás do Bragantino de Vanderlei Luxemburgo. Antes disso, fora campeão da mesma categoria em 1974, mas não havia promoção à elite.

Na primeira temporada entre os grandes, o Catanduvense não foi tão mal: terminou o Paulistão de 89 em 17º lugar (entre 22). Foram sete vitórias, quatro empates e 10 derrotas. Aliás, 1989 pode ser considerado o melhor ano da história do clube. Foi nessa temporada que o clube colheu dois de seus resultados mais significativos: 2 a 1 sobre o Corinthians, em Catanduva, e sobre o Santos, na Vila Belmiro. Foi também em 1989 que o Grêmio disputou o Campeonato Brasileiro Série B, ao lado do Botafogo de Ribeirão Preto e América de São José do Rio Preto.

Em 1989, a cidade vivia o clima de festa, mas as dívidas foram se acumulando com os altos valores para se manter uma equipe numa competição tão acirrada, como é a elite do futebol de São Paulo. Em 1990 foi o último colocado do Campeonato Paulista. Em 1993, atolado em dívidas, o Grêmio Esportivo Catanduvense foi extinto.

domingo, 6 de setembro de 2015

Clube Atlético Paraíso

O CAP (Clube Atlético Paraíso) foi uma agremiação da cidade de Paraíso do Tocantins (TO). O ‘Touro Forte’ foi Fundado em 1975, tem a sua Sede fica localizada na Rua 13 de Maio, 388, no Centro de Paraíso do Tocantins.

O CAP permaneceu em atividades por 17 anos consecutivos e sua principal conquista foi o título do IV Torneio de Integração do Norte em 1981. O clube participou do Campeonato Tocantinense em três edições: 1989, 1990 e 1991.

Em 1992, se fundiu com o Interlagos Esporte Clube, dando origem ao Intercap Esporte Clube. Em 2006,Intercap Esporte Clube mudou de nome para Paraíso Esporte Clube, no mesmo ano, conquistou seu primeiro título estadual. Apesar da fusão, o CAP existe até hoje, só que de forma amadora.

sábado, 5 de setembro de 2015

Clube de Natação e Regatas São Salvador

O Clube de Natação e Regatas São Salvador é um clube poliesportivo brasileiro, da cidade de Salvador, capital do estado da Bahia.

O clube ficou famoso por ser uma das primeiras forças do futebol baiano, conquistando os títulos estaduais de 1906 e 1907. Atualmente, dedica-se às atividades nos esportes aquáticos.

Foi seu idealizador e fundador Torquato Corrêa, ao regressar do Rio de Janeiro, onde remava pelo Clube de Regatas Flamengo. Notando a falta de clubes náuticos nesta capital, onde existia apenas o Esporte Clube Vitória com uma pequena flotilha, resolveu consultar alguns amigos e no dia 1º de Setembro de 1902, na sua residência na Piedade fundou o Clube de Natação e Regatas São Salvador. Animado com a grande adesão de associados, voltou ao Rio de Janeiro e de lá trouxe duas canoas e aos domingos e feriados no Porto dos Tainheiros se exercitavam os amadores e amantes do novo esporte, despertando grande interesse público.

Em janeiro de 1905, devido a um mal entendido, associados do Esporte Clube Vitória deixam esse clube (cerca de 20), e se transferem para o São Salvador, sendo criada a seção de futebol sob a direção de Carlos Costa Pinto. Conquistando logo a preferência do público, tornou-se a sociedade esportiva mais querida da época. Nesta mesma ocasião, por proposta de Arthur Moraes, são mudadas suas cores de amarelo e preto para o branco e verde, que adota até hoje.

Em 1905 tomou parte no 1º Campeonato Baiano de Futebol no Campo da Pólvora sagrando-se vice-campeão. No ano seguinte levanta o título, e no outro o bi-campeonato.

No remo era o "Bicho Papão" levantando quase todas as regatas. Com o correr dos tempos, deixou o futebol devido a extinção da Liga Bahiana e a decadência no remo, sofreu o alvi verde algumas crises, perdendo a liderança para o E. C. Vitória. Agora o C.N.R. São Salvador se reorganiza, voltando a ocupar o seu lugar de destaque nos meios náuticos para alegria da sua grande torcida.

Campeão Baiano: 2 vezes (1906 e 1907).


Estádio Campo da Pólvora
Capacidade 2.000


sexta-feira, 4 de setembro de 2015

Nacional Esporte Clube

Fundado em 13 de maio de 1952
Campeão goiano da segunda divisão em 1967, 1981 e 1983
O único clube da cidade de Itumbiara que possui patrimônio, é o Nacional E.C, mas não tem time de futebol disputando competições oficiais desde 1984, quando se afastou da disputa do campeonato goiano.
O patrimônio do nacional tem origem na permuta de um terreno onde está localizado hoje a praça Sebastião Xavier com outra área onde foi construído o Estádio Paranaíba. Em 1954, a Prefeitura do Município doou um terreno para a Associação Esportiva Itumbiarense e esta área foi repassada ao Nacional EC em 1956 no governo Arédio Borges Guimarães - UDN. A Associação Esportiva Itumbiarense inicialmente recebeu o terreno onde está a Praça Sebastião Xavier, fez uma permuta com a Prefeitura da área por outra no Bairro onde está localizado o Estádio Paranaíba e repassou esta área do Estádio Paranaíba para o Nacional EC.
O Nacional chegou a ser campeão da segunda divisão do campeonato goiano em 1967 e em 1970, deixou de atuar ao fazer uma fusão com o Goiasinho da cidade de Itumbiara e então formar o time do Itumbiara EC.

O Nacional voltou as atividades na década de 1980 e foi campeão em 1981 e 1983 da segunda divisão, mas em 1984 paralisou as atividades.
Em maio de 2013, os dirigentes do Nacional decidiram em Assembleia vender a área do Estádio Paranaíba por cerca de R$ 5,5 milhões e com estes recursos irá construir um Centro de Treinamento.

1967 - Em sua primeira participação na Segunda Divisão do Campeonato Goiano, sagrando-se Campeão.
1968 - Depois do campeonato, o clube afasta-se dos gramados.
1981 - Retorna ás competições e torna-se novamente Campeão da Segundona conquistando assim a vaga na Primeira Divisão.
1982 - O clube é rabaixado para a Segunda Divisão
1983 - Conquista, mais uma vez, o Campeonato Goiano da Segunda Divisão garantindo vaga na Primeirona.
1985 - Devido á irregularidades, o clube perde seus pontos e afasta-se do futebol.

quinta-feira, 3 de setembro de 2015

Alegrense Futebol Clube

O Alegrense Futebol Clube com Sede na Rua Marechal Floriano, s/n, em Alegre, foi Fundado no dia 30 de Janeiro de 1971. A equipe manda os seus jogos no Estádio Benedito Teixeira Leão, com capacidade para 5 mil pessoas.

No currículo, o conta com dois títulos importantes no futebol Capixaba: o Bicampeonato Estadual em 2001 e 2002. As conquistas deram ao clube a oportunidade de figurar no cenário nacional, disputando a Copa do Brasil. Em 2002, acabou sendo eliminado pelo Botafogo (RJ), e, em 2003, caiu diante do Criciúma (SC), em ambos na 1ª fase do torneio nacional.


quarta-feira, 2 de setembro de 2015

Associação Esportiva Cruzeiro do Sul

No mesmo dia em que Brasília completava seu primeiro ano de vida (21 de abril de 1961), às dez horas, na Casa 1 da Quadra 16 do Setor Residencial Econômico Sul – SRES, reuniram-se 93 moradores do então bairro do Cruzeiro para organizar uma associação recreativa e esportiva.
Foi pelos presentes escolhido João Scarano para presidir a seção e para secretariá-la Norberto Fernandes Teixeira.
João Scarano explicou o motivo da criação de uma associação esportiva e recreativa, dizendo que, com a criação daquela entidade o setor teria mais vida e seus moradores não precisariam recorrer a outros lugares para se distraírem, porque a agremiação que estava sendo fundada iria lhes proporcionar o que de melhor existia no setor recreativo e esportivo. Continuou dizendo que já estava sendo providenciada a sua sede provisória, com sua praça de esportes para competições oficiais e que, em breve, seria passada a “patrola” (espécie de trator para nivelar terrenos) para os primeiros passos do futebol no bairro.
A seguir foi escolhida uma comissão para elaborar os estatutos da agremiação, sendo Felinto Epitácio Maia, o Presidente, e tendo como auxiliares Zorobabel Josué dos Passos, Francisco Jacob dos Santos, Geraldo da Silva Santos e Norberto Fernandes Teixeira.
O novo clube recebeu o nome de Associação Esportiva Cruzeiro do Sul e tinha como cores oficiais a azul e a branca.
O uniforme tinha duas variações: o primeiro com camisa azul, calção branco e meias azuis (semelhante do Cruzeiro, de Belo Horizonte) e o segundo com camisas com listras verticais em azul e branco, calção branco e meias com listras horizontais também em azul e branco.
Tinha um gavião como símbolo.
Norberto Fernandes Teixeira foi eleito o primeiro Presidente da A. E. Cruzeiro do Sul.
Aproveitando a paralisação do certame oficial de 1961, o Cruzeiro do Sul fez um amistoso visando a assegurar boa estrutura para sua equipe. No dia 14 de janeiro de 1962, venceu o Carioca, por 4 x 3.
No dia 20 de janeiro de 1962 foi até a cidade goiana de Luziânia, vencendo o clube local por 2 x 0, quebrando uma invencibilidade de 54 jogos do Luziânia.
Nos dias 30 de maio e 3 de junho de 1962 participou do Torneio “Antônio Carlos Barbosa”, quadrangular promovido pelo Alvorada, reunindo também Presidência e Guanabara.
No dia 30 de maio, estragou a festa do clube promotor, vencendo o Alvorada por 6 x 1. No dia 3 de junho, perdeu a final para a A. E. Presidência, por 3 x 1.
Veio o Torneio Início, em 10 de junho de 1962, no Estádio “Ciro Machado do Espírito Santo”. Logo no primeiro jogo, foi derrotado pelo Rabello, por 3 x 0.
Cedeu o zagueiro Edilson Braga para a Seleção que representou o Distrito Federal no Campeonato Brasileiro de 1962.
O Campeonato Brasiliense da Primeira Divisão de 1962 dividiu-se em duas zonas: Norte e Sul. O Cruzeiro do Sul ficou na Zona Sul, onde fez sua estréia na competição no dia 8 de julho de 1962, no Estádio Vasco Viana de Andrade, perdendo para o Grêmio por 1 x 0. Só foi conseguir a primeira vitória já no segundo turno da competição, no dia 19 de agosto de 1962, ao derrotar o Colombo, por 4 x 2. Morales (2) e Walmir (2) marcaram os gols do Cruzeiro do Sul. E foi só essa. Foram oito jogos no total e mais dois empates e cinco derrotas. Marcou 7 gols e sofreu 15. Ficou na penúltima e nona colocação, à frente somente do Alvorada, que desistiu da competição.
Utilizou os seguintes jogadores: goleiros - David e Assis; defensores - Vicente, Meridian, Mello, Adalberto, Morales e Miro; atacantes - Laerte, Foguinho, Barros, Chumbinho, Chaves, Walmir, Isnard e Aguinaldo.
O ano de 1962 não foi de todo ruim para o Cruzeiro do Sul, pois este venceu o primeiro campeonato brasiliense da categoria de juvenis, com apenas um ponto perdido. Participaram da competição os mesmos clubes que disputaram a Primeira Divisão.
Para o ano de 1963, o Cruzeiro do Sul passou a contar com a administração da dupla Norberto Teixeira e Jackson Roedel, o que lhe renderia bons frutos.
Além de manter os bons jogadores de 1962, tais como Edilson Braga e Morales, o Cruzeiro do Sul reforçou o time, contratando bons jogadores dos clubes locais e também de outros Estados, tais como Ceninho, que jogou no futebol carioca (no Fluminense e no América), e Beto Pretti, que era jogador do Atlético Mineiro.
Com isso, conquistou de forma brilhante o título de campeão brasiliense de 1963, com uma campanha impecável: nos 16 jogos que disputou, venceu 10, empatou 5 e perdeu apenas 1. Marcou 39 gols e sofreu 14. Além disso, teve os dois principais artilheiros do campeonato, Ceninho, em 1º (com 10 gols) e Beto Pretti, em 2º (juntamente com Nilson, do Nacional), com 9.
Os jogadores utilizados pelo Cruzeiro do Sul foram: Goleiros - Zezinho e João Luís; Defensores - Edilson Braga, Aderbal, Mello, Davis, Morales, Humberto, Remis, Valdemar, Pedrinho e Pedersoli; Atacantes - Foguinho, Zezito, Ceará, Beto Pretti, Moisés, Ceninho, Omar, Quarteroli, Belini, Raimundinho, Paulinho, Isnard e Zezé.
Na “Seleção do Ano” escolhida pelo DC-Brasília, o Cruzeiro do Sul cedeu Beto Pretti, Ceninho e Quarteroli. Além disso, Beto Pretti foi escolhido o “craque do campeonato” e Gil Campos, o melhor treinador do ano de 1963.
No final deste ano, com a saída de Jackson Roedel para o Rabello (que iria aderir ao profissionalismo no ano seguinte), vários jogadores do Cruzeiro do Sul foram com ele, tais como Aderbal, Ceninho, Beto Pretti e outros.
Assim sendo, não estava mais com sua força máxima quando enfrentou o Vila Nova, de Goiânia (GO) pela Taça Brasil de 1964. No primeiro jogo, em 26 de julho de 1964, em Goiânia, perdeu por 3 x 1. No jogo de volta, em Brasília, foi desclassificado com o empate de 2 x 2.
Defenderam o Cruzeiro do Sul na Taça Brasil os seguintes jogadores: João Luís, Zé Paulo, Melo, Davis e Pedersoli; Mário César e Fino (Beline) (Waldemar); Zezito, Baiano, Paulinho (Abel) e Zezé.
Não adotou o profissionalismo no ano de 1964 e ficou em quarto lugar no campeonato brasiliense de amadores, atrás de Guanabara, Dínamo e Nacional. Foram sete vitórias, dois empates e três derrotas nos doze jogos que disputou.
Como consolo, conquistou a Taça Eficiência de 1964, três pontos à frente do campeão Guanabara, e novamente venceu o campeonato brasiliense de juvenis, com apenas três pontos perdidos.
Continuou perdendo peças importantes para os clubes que aderiram ao profissionalismo e em 1965 realizou péssima campanha no campeonato brasiliense de amadores, chegando em último lugar, sem conquistar ao menos uma vitória.
Em 1966, mais um ano ruim para o Cruzeiro do Sul, novamente último colocado no campeonato brasiliense de amadores.
Em 20 de fevereiro de 1967, a A. E. Cruzeiro do Sul enviou ofício nº 3/67 a Federação Desportiva de Brasília solicitando sua inscrição no campeonato de profissionais. Uma semana depois, aconteceu a Assembléia Geral que elegeu sua nova diretoria, tendo à frente o ex-presidente da Federação, Wilson Antônio de Andrade.
Para concorrer com os fortes adversários, trouxe muitos jogadores do interior de Minas Gerais e também aproveitou alguns jogadores da sua base, sendo o de maior destaque o meio-de-campo Alencar (que mais tarde jogaria no Ceub).
E os resultados não demoraram para aparecer. Foi vice-campeão do Torneio Início (disputado em 11 de junho de 1967). Logo depois, nos dias 16 e 18 de junho, conquistou o torneio interestadual em comemoração ao 9º aniversário de Taguatinga. Os jogos foram realizados no recém-inaugurado estádio do Flamengo (Ruy Rossas do Nascimento). O Cruzeiro do Sul venceu o Flamengo (3 x 2) e, na decisão, contra o Clube do Remo, do Pará, vitória de 1 x 0, gol de Ribamar.
Também conquistou um torneio quadrangular realizado na cidade do Gama, em novembro de 1967, vencendo a A. A. Cultural Mariana (2 x 1) e, na decisão, marcou 4 x 3 sobre o Coenge. O outro time que participou do torneio foi o Rabello.
Para coroar o seu bom primeiro ano no profissionalismo, ficou com o vice-campeonato brasiliense, somente atrás do Rabello, à frente de Colombo, Defelê, Flamengo e Guará.
Utilizou os seguintes jogadores: Goleiros - Waldemar e Vicente; Defensores: Juca, Grover, Elias, Maninho, Brigadeiro, Adilson, Ercy, Elinho e Aderbal; Meias e Atacantes - Ramalho, Geraldo, Alencar, Mário César, Paulada, Nando, Luciano e Edgard.
Não conseguiu manter a ótima performance de 1967 no ano seguinte (1968). No campeonato brasiliense deste ano, disputado por apenas cinco equipes, o Cruzeiro do Sul ficou em 4º. Foram apenas duas vitórias nos oito jogos que disputou.
Sua última participação no campeonato de 1968 aconteceu no dia 22 de maio, com derrota de 3 x 0 diante do Defelê. Foi a última vez de forma oficial que o Cruzeiro do Sul entrou em campo.
Preferiu ficar de fora do campeonato brasiliense de 1969, quando a Federação resolveu juntar em sua competição oficial clubes profissionais com amadores, e também do ano seguinte, 1970.
Em 22 de junho de 1971 aconteceu a Assembléia Geral de Clubes que aprovou a desfiliação do Cruzeiro do Sul.

terça-feira, 1 de setembro de 2015

Orion Sporting Club

Um dos poucos registros da formação do Orion campeão cearense em 1930. Time existiu por apenas três anos, mas levou um Estadual e dois torneios início.

Uma constelação iluminou o futebol cearense nos nebulosos anos de 1930. De trajetória bela e também turbulenta, o Orion Futebol Clube atravessou os gramados locais com a rapidez de um cometa. Foram três anos marcados por títulos e confusões. Pouco tempo, mas o suficiente para deixar registrado o nome do time da constelação em lugar especial na memória do futebol cearense. 

A gênese do Orion ilustra com clareza a inquietude que a equipe trouxe para o futebol cearense. O clube nasceu em 1929, a partir da dissidência de jogadores do Fortaleza, então tricampeão cearense. O Tricolor extinguiu o departamento de futebol quando liderava o Estadual, em 6 de agosto - alegando dificuldades financeiras e descontentamento com o julgamento de protestos do clube pela Associação Desportiva Cearense (ADC). Pesou na decisão ainda os atritos entre atletas e diretoria. 

Eram tempos de amadorismo, em que os vínculos dos clubes com os jogadores pareciam tão frágeis quanto o grau de organização da ADC. Liderados pelos irmãos Machado (Moacir, Jandir, Juraci e Caranã) os tricolores preferiram criar uma nova agremiação a aderir a uma das existentes. Nas cores preta e branca, o Orion começou a disputar partidas amistosas ainda em 1929. O título do ano, que estava nas mãos do Fortaleza, acabou com o Maguary. 

Só que a estrela do Orion logo mostrou seu brilho. O time venceu com facilidade o Torneio Início de 1930. Manteve o favoritismo no Campeonato Cearense, levando o título e dando o troco no Maguary, desta vez vice-campeão. A campanha teve ainda outro ingrediente - com 11 gols anotados, o atacante Zezé foi o artilheiro do campeonato. 

Derrocada 

Mas aí uma espécie de buraco-negro engoliu o Orion. Em 1931, o time voltou a ganhar o Torneio Início e seguia rumo ao bicampeonato, liderando o Estadual até a última rodada, quando enfrentaria o Ceará, segundo colocado, um ponto atrás. A decisão foi marcada pela ADC para a mesma semana em que o time chegara de excursão pelo Interior. Apesar dos pedidos de adiamento por parte do Orion, a ADC manteve a data da final. Em sinal de protesto, o time não entrou em campo - o título ficou com o Ceará. 

O sucesso alcançado pelo Orion fez com que o Fortaleza "repatriasse" parte dos atletas dissidentes em 1929 e retomasse as disputas em 1932. O Orion ainda participou do Estadual daquele ano, mas, desfigurado, e ainda sentindo-se prejudicado pela ADC, acabou pedindo desligamento da entidade, fechando as portas antes do fim da competição. Era o último brilho da constelação alvinegra em campos cearenses. 

ORION FC. 

Fundação: outubro de 1929 
Extinção: 1932 
Cores: Preta e branca 
Estaduais disputados: 1930, 1931 e 1932 
Títulos: 1 Cearense (1930); 2 Torneio Início (1930 e 1931) 
Artilheiro: Zezé (1930, com 11 gols) 

NÚMEROS 

3 títulos 
conquistou o Orion nos três anos de existência do clube - o Estadual de 1930 e o Torneio Início de 1930 e 1931 

11 gols 
anotou o atacante Zezé, do Orion, na campanha do título de 1930. Ele é o único artilheiro do time em disputas de estaduais 

E-MAIS 

A diretoria do Orion chegou a publicar nota na imprensa alertando aos torcedores a opção do clube em não disputar a decisão do Estadual de 1931 na data marcada pela ADC. "O Orion Sport Clube, devidamente autorizado pela sua diretoria, avisa ao público em geral que não tomará parte no match de futebol anunciado, conforme comunicação feita em sessão da A.D.C, pelo seu representante, sr. Armando Maramaldo". Conforme o pesquisador Nirez de Azevedo no livro História do Campeonato Cearense de Futebol, o texto foi publicado no jornal O Nordeste, em 23 de outubro de 1931. 

Mesmo tendo abandonado o Estadual de 1929, o Fortaleza foi considerado o vice-campeão do ano. Os demais clubes exigiram a perda de todos os pontos conquistados pelo Tricolor - como era praxe em casos de abandono. A ADC preferiu manter a pontuação leonina. 

No anos 1930, as trapalhadas da ADC eram tantas que os clubes e a imprensa passaram a se referir à entidade como " A Madastra", conforme afirma o pesquisador Alberto Damasceno. 

O atacante Teopisto, que defendeu o Ceará na perda do título de 1930 para o Orion, foi o árbitro dos 16 a 0 do Alvinegro sobre os ingleses do Sussex Trader, tema da série Memória do Futebol do último domingo. 

Os registros oficiais da Federação Cearense de Futebol registram o nome do time da constelação como Orion Futebol Clube. Contudo, alguns livros históricos apresentam o time como Orion Sporting Club. 

Orion é o nome de uma constelação equatorial formada de estrelas brilhantes, três das quais as conhecidas "Três Marias".

O Campeonato Cearense de 1930, vencido pelo Orion, foi, provavelmente, o mais desmotivado da história da competição. Apenas quatro times iniciaram a disputa, em 16 de março daquele ano: os rivais Ceará e Maguary; o novato Orion, substituindo o Fortaleza; e o pouco expressivo Fluminense. Dois times que participaram do Estadual de 1929 paralisaram as atividades pouco antes do início do campeonato: o Atlética e o Guarany (da capital, não o de Sobral). 

Com apenas quatro clubes, a edição de 1930 divide a marca de Estadual com menor número de competidores com a primeira disputa do Cearense - em 1920, Fortaleza, Ceará, Bangu e Guarany entraram em campo. Porém, um detalhe depõe contra a edição vencida pelo Orion; o Fluminense abandonou a disputa ainda no primeiro dos dois turnos, reduzindo a briga pelo título a um triangular. 

O campeonato começou em 16 de março e terminou em 12 de junho, com jogos apenas aos domingos. O Orion levou o título, com o Maguary em segundo e o Ceará em terceiro. Após o encerramento da competição os clubes resolveram paralisar as atividades no segundo semestre.

Ficha técnica da decisão do estadual de 1930. 

ORION 2
Oto; Preto e Orestes; Basílio, Caranã e Santana; Guarany, Jurandir, Zezé, Juracy e Pirão.
CEARÁ 1
Pintado; Liberato e Bebê; Teopisto, Viana e Arthur; Afonso, Hildebrando, Farnun, Peixe e Zé Maria. 

Local: Campo do Prado (onde hoje fica o Centro Federal de Ensino Tecnológico-Cefet)
Data: 1.6.1930
Árbitro: Arthur Salgado
Público: livre acesso
Renda: não se cobrava
Gols: Juracy e Pirão (Orion); Farnun (Ceará)

Fonte http://memoriafutebolcearense.blogspot.com.br/2008/07/memria-do-futebol-cearense-orion.html