segunda-feira, 31 de agosto de 2015

Esporte Clube XV de Novembro

O Esporte Clube XV de Novembro de Jaú foi fundado no dia 15 de novembro de 1924, como homenagem à Proclamação da República. As cores que o clube ostenta, verde e amarela, também fazem alusão às cores da Bandeira Brasileira. Em 1931, o clube recebeu o apelido de “Galo da Comarca” e o animal continua como mascote.

Inicialmente, XV de Jaú passou duas décadas disputando torneios amadores pelo interior do Estado e apenas em 1948 resolveu se profissionalizar, quando participou de sua primeira competição profissional: o Campeonato Paulista da Segunda Divisão. Disputou a competição até 1951, quando foi campeão ao derrotar na final o Jabaquara, obtendo o acesso à Primeira Divisão.

Dois anos mais tarde, mais precisamente no dia 10 de setembro de 1953, o “Galo” realizou um amistoso contra o Clube de Regatas Flamengo (RJ), no estádio do Maracanã, conseguindo um empate por 4 a 4. No ano seguinte, em 26 de setembro de 1954, o XV de Jaú venceu o Palmeiras por 4 a 2, conquistando a Taça das Goleadas, oferecida à equipe com o melhor ataque nos jogos contra times da capital e da Baixada Santista.

O clube conseguiu manter-se na elite do futebol estadual por oito anos, mas em 1959 acabou rebaixado à Segunda Divisão. O XV de Jaú participou de nove edições da Segundona e, em 1968, resolveu fazer uma pausa no futebol profissional, retornando apenas em 1975, no Campeonato Paulista da Primeira Divisão, equivalente à atual Série A2.

Durante o tempo em que ficou inativo, o clube aproveitou para inaugurar seu estádio, o Zezinho Magalhães, que tem capacidade para 18 mil pessoas. Em jogo contra o Juventus, no dia 15 de agosto de 1973, o XV de Jaú não estreou com vitória em seus domínios e foi derrotado por 2 a 1. O gol do time da casa foi de Dejair Godoy, o primeiro da história do estádio.

Em 1976, o XV de Jaú chegou a mais uma conquista: foi campeão paulista da Primeira Divisão, conseguindo acesso à Série Especial (equivalente à atual Série A1), competição que disputou por quase duas décadas, até 1993, quando foi rebaixado à Série A2. Nesse meio tempo, em 1977, o estádio Zezinho Magalhães registrou recorde de público: 24.533 pessoas para assistir à partida entre XV de Jaú e Corinthians, pelo Campeonato Paulista.

Após disputar a Série A2 do Estadual nos anos de 1994 e 1995, o clube conseguiu voltar à A1 em 1996, mas logo no ano seguinte foi rebaixado. Em 1998, o XV de Jaú não fez boa campanha e amargou mais um rebaixamento, para a Série A3. Já em 2006, o clube foi vice-campeão desta divisão, conseguindo retornar à A2. Mas três anos depois voltou à A3 do Campeonato Paulista. 
Em 2012, o XV não fez boa campanha durante o Campeonato Paulista, e chegou à última rodada do certame precisando da vitória. O jogo foi no estádio Zezinho Magalhães contra o lanterna da tabela, o Taboão da Serra. O XV não conseguiu a vitória, ficando no 2 a 2 e amargando o rebaixamento para a série B1 (quarta divisão do futebol paulista).
Com sérias dificuldades financeiras em decorrência das más administrações anteriores, o XV de Jaú não consegue disputar a "quarta divisão" do paulista em 2015, e suspende suas atividades esportivas.
Estádio 

Zezinho Magalhães, conhecido por Jauzão, localizado na cidade de Jaú,  pertence ao Esporte Clube XV de Novembro (Jaú) e tem atualmente capacidade para 20.000 pessoas.
O estádio foi construído em homenagem a José Maria Magalhães de Almeida Prado, que foi presidente do clube e prefeito da cidade na década de 1950, e substituiu o antigo estádio Artur Simões que havia sido construído em tempo recorde de 10 dias no ano de 1951.

Alcunhas Galo da Comarca

Mascote
Sete anos após sua fundação, no ano de 1931, uma reunião entre alguns clubes da região de Jaú acabou definindo o nome da mascote do XV. Manoel do Porto, representante do clube na ocasião, tentava defender o XV na formação das equipes participantes no campeonato da região. O presidente do clube, chamado Bocaina F.C., não gostou da postura do representante do XV afirmando que o clube estava se portando como um galo, levantando a crista. A resposta do dirigente do XV foi imediata: “então o senhor quer dizer que o XV é o galo da comarca?”. Nascia assim a mascote do XV de Jaú.

domingo, 30 de agosto de 2015

Associação Desportiva Atlanta

Associação Desportiva Atlanta é uma agremiação esportiva de Jequié, no estado da Bahia, fundada a 1 de fevereiro de 1983. Suas cores são azul, vermelho e branco. 
A Associação Desportiva Atlanta foi fundada em em 1º de Fevereiro de 1983 e conquistou o título da 2ª Divisão do Campeonato Baiano em 1987 chegando a 1ª Divisão no ano seguinte. Na elite baiana o Atlanta estreou no dia 28 de fevereiro sendo derrotado em casa pela Catuense Futebol S/A por 2 a 1. Aquela derrota foi uma prévia da má campanha do Atlanta, no primeiro turno foi apenas um ponto em cinco jogos, no segundo turno foram dois pontos em quatro partidas, no terceiro turno sua melhor participação marcando seis pontos em cinco partidas chegando ao Quadrangular Final do turno. No Quadrangular Final a equipe perdeu as três partidas: 5 a 0 para o Esporte Clube Bahia, 7 a 2 para o Fluminense de Feira e 1 a 0 para a Catuense Futebol S/A. Abalado, no quarto turno perdeu as quatro partidas que disputou e foi rebaixado para a 2ª Divisão.

Após o rebaixamento o Atlanta disputou a 2ª Divisão até o ano de 1992, em 1993 abandonou o profissionalismo até 2000 quando retornou na 3ª Divisão sem conseguir bons resultados. Em 2008 apoiado pela empresa Doce Mel voltou ao futebol profissional na 2ª Divisão, mas devido a um tropeço no último jogo contra o Cruzeiro que era lanterna, estava eliminado e com dois atletas a menos em campo conseguiu chegar ao empate com o Atlanta com um gol no último minuto de jogo, ficou de fora da fase semi-final. Após um ano sabático o Atlanta retornou as atividades em 2010 para disputar a 2ª Divisão novamente com o apoio da Doce Mel da cidade de Ipiaú que exigiu que o Atlanta passasse a jogar nesta cidade, mas como o estádio da cidade de Ipiaú não atendia as exigências da FBF o Atlanta mandou seus jogos na cidade de Jequié, sede da equipe.

Campeão Baiano - 2ª Divisão: 1987


Estádio Waldomiro Borges
Capacidade 6.000

sábado, 29 de agosto de 2015

Clube Atlético Juventus

Clube Atlético Juventus, mais conhecido como Juventus, é um clube com sede em Seara, no estado de Santa Catarina. Fundado em 20 de outubro de 1962, o Juventus tem como cores o grená, preto e o dourado.

É uma entidade de direito privado sem fins lucrativos, caracterizando-se como entidade de caráter social, esportivo, filantrópico, cultural, recreativo e cívico.
Mascote Besouro
Os fundadores foram: Alvo Dallago, Deolindo Zílio, Agenor Francisco Zílio, Evilasio Provenci, Dorvalino Canalle, Reinaldo Rossari, Caetano de Marco, Luiz Biffi, Domingos Sfredo, Ernesto Rossari, Urbano Edgar Finger, Adolfo Schonell, Antônio Osmar Paludo, Dorvalino José Rech, Artêmio Paludo, Waldecir Paludo, Victório Pierozan, Francisco Mafessoni, Fiorelo Trentini, Benjamin Provensi, Arlindo Zolett, Walter Rossari, Waldemar Zonta, Wilmar Garcia, Rodolfo Delugokinski, Rosalino Nardi, Hilário Canalle, Fiorelo Nardi, Agostinho Machado, Ivo Provensi e Vitório Sabadin.
Com estádio próprio, (doado por Victório Pierozan) o clube sempre esteve presente em disputas amadoras, conquistando o grande título de Campeão Estadual Amador em 1981. Da década de 80 até 2013, o Juventus também conquistou títulos com as categorias de base em Santa Catarina e no Sul do Brasil.
A partir de 2013 a nova história do clube começou a ser planejada. Com a iniciativa do presidente da Rede Schumann (rede de lojas que nasceu em Seara), André Schumann, o clube passou de amador para profissional e em 2014 começou a figurar nas competições oficiais promovidas pela Federação Catarinense de Futebol.
Alcunhas Fúria do Oeste

Site

sexta-feira, 28 de agosto de 2015

Juventus Futebol Clube

Estréia no profissionalismo, em 2006, quando disputa a Terceira Divisão de Profissionais do Rio de Janeiro. A agremiação se classifica na primeira fase em segundo em seu grupo, atrás somente do União Central Futebol Clube e à frente dos eliminados União de Marechal Hermes Futebol Clube e Futuro Bem Próximo Atlético Clube. Na segunda fase, é eliminado em jogos de ida e volta pelo Sampaio Corrêa Futebol e Esporte.

Em 2007, disputou novamente a Série C do Carioca de 2007, mas é eliminado na primeira fase ao ficar em quinto em seu grupo, que classificou Campo Grande Atlético Clube, Semeando Cidadania Futebol Clube e Atlético Clube Diana, ficando ainda o eliminado Deportivo La Coruña Brasil Futebol Clube em quarto, e Atlético Rio Futebol Clube em último.

Em 2008, se licencia das competições organizadas pela FFERJ.

Em 2009, disputou novamente a Série C classificando-se na primeira fase em seu grupo ao ficar em terceiro lugar, atrás do Bela Vista Futebol Clube e Santa Cruz Futebol Clube. Na segunda fase é eliminado ao ficar em último na sua chave, que classificou Fênix 2005 Futebol Clube e União Central Futebol Clube para a terceira fase.

Em 2011, disputou novamente a Série C classificando-se na primeira fase em seu grupo ao ficar em segundo lugar, atrás da Associação Desportiva Itaboraí. Na segunda fase classificou-se em segundo lugar, atrás do Goytacaz Futebol Clube. Na terceira fase classificou-se em segundo lugar, atrás do América Futebol Clube. Na fase final ganhou a disputa por uma vaga na final contra a equipe Associação Atlética Carapebus, na final disputou o título contra o Goytacaz Futebol Clube para o qual perdeu, mas conseguiu o título de vice-campeão e uma vaga no Série B do Carioca de 2012.
Francisco Carlos de Almeida Hora, presidente do Juventus

Há planos para uma futura praça de esportes que ficará no bairro de Campo Grande, zona oeste da cidade do Rio de Janeiro.

A exemplo do seu homônimo italiano, tem as cores branca, amarela e preta além de um logotipo muito semelhante.

Mascote Touro

quinta-feira, 27 de agosto de 2015

Clube Atlético Itapemirim

Clube Atlético Itapemirim, (conhecido apenas por Atlético e cujo acrônimo é CAI) é um time de futebol brasileiro sediado na rua Argentino Fonseca, da cidade de Itapemirim, estado do Espírito Santo.

Fundado em 5 de dezembro de 1965 por um grupo de torcedores do galo mineiro, tem como suas cores tradicionais o preto e o branco e tem como mascote um galo.
O Clube Atlético Itapemirim foi fundado em 05 de dezembro de 1965 em Itapemirim por torcedores mineiros que vieram trabalhar no novo Banco do Brasil que seria inaugurado no município na década de 50, apaixonado pelo futebol e pelo botafogo, o carioca José Olívio Soares junto com os novos funcionários mineiros do novo banco, fundaram um time de futebol no município de Itapemirim, inicialmente o desejo de José Olívio era que o novo clube levasse em seu peito o escudo do glorioso carioca, porém no novo banco a maioria eram torcedores do galo mineiro, então ficou decidido que o escudo seria a do Atlético Mineiro, portanto sendo que as cores do time mineiro eram as mesmas do Botafogo, José Olívio acabou concordado, assim surgiu o Clube Atlético Itapemirim.

Na maior parte de sua história o Atlético Itapemirim participou de diversos campeonatos regionais, citadinos e torneios amadores, como o Sulino o principal torneio do sul do estado no qual o galo da vila foi campeão três vezes em 2006, 2007 e 2010.

Em 2011 o Atlético Itapemirim deixa de ser um time amador e se torna um time de futebol profissional filiado a federação capixaba de futebol (FES) e a confederação brasileira de futebol(CBF) , participando assim pela primeira vez em uma competição profissional, o campeonato Capixaba Série B de 2011.

Após a disputa de 2011, onde o Atlético Itapemirim ficou em 5º lugar, o Galo da Vila retorna em 2014 a competição estadual em busca de uma inédita classificação a primeira divisão do Capixaba de 2015.
O Atlético Itapemirim consegue montar um time competitivo. Em um dos campeonatos da segunda divisão capixaba mais equilibrado dos último anos o Atlético consegue assegurar uma das duas vagas de acesso para série A do Capixaba de 2015, desbancando times favoritos e tradicionais do Espírito Santo como o Rio Branco A.C. e o Serra F.C.. Em um campeonato bastante acirrado o Atlético Itapemirim ficou com o vice-campeonato, com o mesmo 11 pontos que o Sport Capixaba (campeão) no quadrangular final só perdeu o titulo nos saldos de gols.

Site

quarta-feira, 26 de agosto de 2015

Associação Esportiva Velo Clube Rioclarense

Em agosto de 1910, Miguel Ângelo Brandoleze, Miguel Ferrari e Amadeu Rocco lançaram a idéia da fundação de um clube que promovesse o ciclismo na cidade de Rio Claro. No dia 28 de agosto de 1910, na residência de Miguel Ângelo, foi realizada a assembléia oficial da fundação do Velo Clube.

O nome do Velo Clube está diretamente ligado à prática do ciclismo. No início do século XX o Brasil sofria grande influência da França. Em francês uma das palavras utilizadas para se designar “bicicleta” évélo, daí surgiram os termos Velo Clube – designação genérica de agremiações voltadas para a prática ciclística – e velódromo – local destinado a estas práticas.

Durante dez anos o Velo Clube dedicou-se exclusivamente ao ciclismo, transformando Rio Claro em um pólo do esporte no interior paulista e atraindo desportistas de diversas localidades do estado.

Em 1920, por iniciativa de um grupo liderado por Felício Castellano e Aldino Tebaldi, o futebol começou a fazer parte da história da equipe de Rio Claro. Naquele ano, no dia 16 de maio, ocorreu a fusão entre o Velo Clube com o Comercial Futebol Clube, passando a nova equipe a denominar-se Associação Esportiva Velo Clube Rio-clarense. A data de fundação, no entanto, permaneceu a do clube de ciclismo: 28 de agosto de 1910.

Para receber as partidas de futebol, o Velo Clube, que já era dono do velódromo de Rio Claro, construíram um campo de futebol com uma pequena arquibancada de madeira em um terreno entre a Vila da Caridade São Vicente de Paula e a Santa Casa de Misericórdia. Atualmente, o local abriga o estádio Benito Agnelo Castellano.

O primeiro título foi conquistado em 1925, quando o clube foi Campeão do Interior. Na época este era o torneio de maior prestígio que uma equipe de fora da capital ou de Santos podia conquistar. Como Campeão do Interior o Velo Clube ganhou o direito de disputar a Taça Competência, contra o campeão do estado naquele ano – no caso o São Bento da capital. O jogo ocorreu no estádio Parque Antártica, atual Palestra Itália, e o São Bento venceu o Velo Clube por 2 a 0, ficando com o troféu.

A participação em campeonatos profissionais da Federação Paulista de Futebol começou em 1948, quando o clube foi alocado na Segunda Divisão (atual Série A2) do Paulistão. Oito anos mais tarde o clube acabou sendo rebaixado para a Terceira Divisão (Série A3), onde ficou até 1975, quando conquistou o vice-campeonato e o acesso para a Primeira Divisão (Série A2). Foi um dos períodos mais vitoriosos do clube, já que em 1978 o Velo chegou ao vice-campeonato da Divisão Intermediária (Série A2), ganhando o direito de disputar uma vaga na Divisão Especial (Série A1), contra o Paulista.

Para a definição da vaga foram disputadas três partidas, em que o Velo Clube ganhou duas e empatou uma. Mais de 10 mil torcedores invadiram o estádio Brinco de Ouro da Princesa, em Campinas. Uma carreata de mais de 40 km ocupou a Rodovia Anhanguera na volta à cidade.

No dia 1º de setembro de 1979, o Velo Clube estreava na Divisão Especial contra o Juventus, na Rua Javari. Mas os 20 dias de preparação para enfrentar a maratona de 38 jogos da competição não foram suficientes para garantir a permanência na elite do futebol profissional do paulista. O clube ficou em último lugar no torneio com 22 derrotas, 11 empates e apenas cinco vitórias, sendo rebaixado para a Segunda Divisão (A2) em 1980.

Em 1991, o Velo Clube foi vice-campeão da Segunda Divisão (Série A3), subindo para a Divisão Intermediaria (Série A2) com o São Caetano. Mas como o estádio Benitão não comportava 15 mil torcedores, o Velo seguiu na Segunda Divisão. No ano seguinte, novamente a capacidade do estádio prejudicou a equipe e, apesar de se classificar entre os 16 clubes que teriam direito a disputar a Série A3 de 1993, o Velo Clube teve de se conformar em ficar na Série B1 (Atual Segunda Divisão).

Em 1996, o clube conquistou o acesso para a Série B1-A, mantendo a invencibilidade em 27 partidas. Dois anos depois, disputou a Copa São Paulo de Juniores. Depois de se licenciar de competições profissionais por um ano, o Velo Clube fez sua última disputa em 2005, no Campeonato Paulista da Segunda Divisão. No ano seguinte, garantiu o título na disputa do Sub- 17. Voltou aos campeonatos profissionais em 2007, para a Segunda Divisão.

Em 2010 começou a sequência de acessos. Somando a experiência de disputas anteriores e a contratação do técnico João Valim, o Velo Clube conquistou o vice-campeonato no estadual da Segunda Divisão, equivalente ao quarto escalão paulista, e consequentemente o acesso à Série A3. A campanha do time rubro-verde foi de 19 vitórias, sete empates e seis derrotas, inclusive as duas para o Taboão da Serra, na final do torneio.

No ano seguinte, na Série A3 de São Paulo, o Velo Clube conquistou seu segundo acesso seguido no futebol paulista. Após conquistar a segunda colocação do Grupo 02 do torneio, o time de Rio Claro passou para o quadrangular semifinal, onde dividiu o Grupo 03 com Penapolense, Taubaté e XV de Jaú. Ao término das seis rodadas da chave, a equipe de João Valim conquistou mais uma vez a segunda posição e carimbou sua vaga na Série A2 do Campeonato Paulista.

Já disputando o segundo escalão estadual, o Velo Clube demonstrou sua força e fez uma campanha respeitável. Após 19 rodadas da primeira fase, o time de Rio Claro somou 27 pontos (oito vitórias, três empates e oito derrotas) e conquistou o novo lugar. Ficando de fora da segunda fase do torneio.

Após a Copa Paulista de 2012, quando foi semifinalista, o ciclo de João Valim na equipe rioclarense se encerrou. Já sem o treinador, a equipe disputou a Série A2 de 2013 e com uma campanha razoável terminou na 12ª colocação.

Estádio


Benitão

O Estádio Benito Agnelo Castellano, conhecido por Benitão, localizado na cidade de Rio Claro, pertence à Prefeitura de Rio Claro e sedia jogos da Associação Esportiva Velo Clube Rioclarense.
O estádio era de propriedade do Velo Clube, mas em 2008, foi adquirido pela Prefeitura de Rio Claro.
Capacidade 8.136 pessoas


Mascote

O galo é, com certeza, a mascote mais utilizada no Estado de São Paulo. Nas décadas de 1930 , 40 e 50 havia uma atividade muito popular no País: as “brigas de galo”. Sua importância era tamanha que o conceito de “galo”, ou seja, aquele time que ganha de todos e espera desafios, acabou se enraizando no futebol de maneira muito forte. Nas rinhas de galo (locais de competição), o galo vermelho, ou “galo índio”, era geralmente considerado o mais bravo e vencedor. Assim, devido às conquistas na cidade e à suas cores, o Velo Clube acabou recebendo a mesma denominação: “Galo Vermelho”. A histórica rivalidade de quase 100 anos com o Rio Claro F.C. também contribuiu para fortalecer o apelido e a mascote, tanto é que a equipe rival é chamada, igualmente pelas suas cores, de “Galo Azul”.

Site

terça-feira, 25 de agosto de 2015

Clube Atlético Votuporanguense Ltda

Associação Atlética Votuporanguense foi um clube brasileiro de futebol, localizado na cidade de Votuporanga, interior do estado de São Paulo. Fundada em 23 de dezembro de 1956, suas cores eram preta e branca. Teve 36 participações no Campeonato Paulista de Futebol.

A Associação Atlética Votuporanguense foi, ao lado do Fernandópolis Futebol Clube, seu maior rival, a agremiação mais tradicional de sua região. Todavia, o "FFC" não teve a quantidade de participações na divisão de acesso que teve a Votuporanguense. Habitual participante desta divisão, entre os anos de 1961 e 1993, neste período a equipe de Votuporanga frequentou por 29 vezes a Segunda Divisão (atual A2).
Viveu seu ápice durante os anos de 1970. Graças a uma divida com a Federação Paulista de Futebol e a falta de parcerias, o time teve sua última participação no Campeonato Paulista de Futebol do ano de 2000 e fechou definitivamente as portas.

Um ano depois, fundou-se a Sociedade Esportiva Votuporanga, a SEV, um clube empresa, que em três anos subiu do extinto Paulista B-2, correspondente a Quinta Divisão, até a Série A-3. O uniforme era branco, azul e amarelo. Em 2005, a SEV trocou Votuporanga por Hortolândia. O nome mudou para Social Esportiva Vitória, a SEV/Hortolândia, que desativou o futebol profissional em 2011.

Após alguns anos sem futebol profissional na cidade, surgiu no final de 2009 o Clube Atlético Votuporanguense trazendo de volta toda a emoção para a torcida Alvinegra.
Em apenas três anos disputando competições oficiais, o CAV em pouco tempo, conquistou o acesso para a série A3 e sagrou-se campeão da Segunda Divisão de 2012.

Estádio
História Clube Atlético VotuporanguenseEstádio Municipal Plínio Marin é o local onde o Clube Atlético Votuporanguense comanda suas partidas.

Plínio Marin foi um dos pioneiros de Votuporanga. Sua família chegou aqui no dia da fundação da cidade. Gostaram da região e compraram 160 alqueires, dos quais,anos mais tarde foram doados: uma área para construção da praça S. Bento, outras para abertura de ruas, o terreno onde se construiu o Centro Espírita e o terreno para construção do Estádio Plínio Marin”. Foi  proprietário do 1º cartório de registro de imóveis de Votuporanga . Foi presidente da Comissão de Dirigentes constituída no ano de 1957 para a concretização da união do América F. Clube com o Votuporanga Esporte Clube ( unidades esportivas de Votuporanga) que em consequência deram origem à Associação Atlética Votuporanguense  . Plínio Marin foi  o  1º presidente Associação Atlética Votuporanguense (AAV), que aos 19 dias de fevereiro de 1961, recebeu  o título de campeões da 3ª divisão de profissionais, o que lhe deu o direito de ingressar na 1ª divisão, sendo a única representante nesta categoria desde a cidade de S. J. do Rio Preto, até as barrancas do Rio Paraná.
Mascote
Após alguns anos sem futebol profissional na cidade, surgiu no final de 2009 o Clube Atlético Votuporanguense trazendo de volta toda a emoção para a torcida Alvinegra.
Em apenas três anos disputando competições oficiais, o CAV em pouco tempo, conquistou o acesso para a série A3 e sagrou-se campeão da Segunda Divisão de 2012.
O clube adotou a “Pantera Alvinegra” como mascote, pois com garra, determinação e principalmente a rapidez de uma pantera, conquistou resultados rapidamente dentro dos gramados do Estado de São Paulo

Site
http://www.cavotuporanguense.com.br/

segunda-feira, 24 de agosto de 2015

Grêmio Catanduvense de Futebol

A cidade de Catanduva tem uma longa tradição no futebol, que começou ainda na década de 1950, com o Catanduva Esporte Clube, que só se profissionalizou em 1955, disputando por 14 anos os campeonatos profissionais de São Paulo. De 1955 à 1963, a equipe disputou a Terceira Divisão, correspondente à Série B3 ou Sexta Divisão do futebol paulista, hoje extinta. No ano de 1963, o clube sagrou-se campeão desta divisão, subindo para a Segunda Divisão, que disputou até 1968, quando resolveu fechar as portas e foi extinto.
Catanduva ficou apenas dois anos sem ter um clube para torcer, já que em 5 de fevereiro de 1970 foi fundado o Grêmio Esportivo Catanduvense, que herdou a vaga do Catanduva Esporte Clube. Foram 18 anos disputando a Segunda Divisão, até que, em 1988, o time conquistou o acesso à Primeira Divisão (atual Série A2) do futebol paulista. Nesta época, a cidade de Catanduva teve seu auge no futebol, disputando o acesso para a Série Especial (atual Série A1) do Campeonato Paulista. Ainda naquele ano, o Grêmio Esportivo Catanduvense participou do Campeonato Brasileiro da Série B. No entanto, em 1993, com uma série de dívidas, o Grêmio não conseguiu formar uma boa equipe e acabou rebaixado. Junto com o rebaixamento veio mais uma mudança de nome, quando surgiu o Catanduva Esporte Clube, extinto dois anos mais tarde.
Para suprir a carência da cidade no futebol, foi fundado o Clube Atlético Catanduvense, em 8 de março de 1999. Por ter se ausentado por muito tempo de uma competição oficial, o Clube Atlético Catanduvense passou a disputar a Série B2 do Campeonato Paulista. Mais três anos se passaram sem que o clube tivesse uma conquista. Assim, em 2001, a equipe acabou abandonando o campeonato, tendo suas partidas canceladas.

Mesmo afastado do profissionalismo, o Clube Atlético Catanduvense só cedeu seu lugar na competição em 2004, quando o novo Grêmio Catanduvense de Futebol passou a representar a cidade. Embora naquele ano o time tenha jogado bem, acabou sendo eliminado na terceira fase da Segunda Divisão,  competição que disputou até 2006, quando conquistou o acesso à Série A3.

Logo no ano seguinte, em 2007, o clube conseguiu ainda mais uma conquista: o acesso à Série A2, que disputou em 2008, 2009 e 2010, sem, no entanto, conseguir retornar à elite do futebol paulista.

Passados três anos disputando o Campeonato Paulista da Série A2, o de 2011 foi muito especial ao time de Catanduva. Fazendo uma campanha irretocável, somando 12 vitórias, oito empates e quadro derrotas, o Grêmio Catanduvense finalmente conquistou o tão esperado retorno ao Paulistão Chevrolet. Na classificação geral, o time presidido por Valmor Peruzzo, terminou na terceira colocação, atrás somente de XV de Piracicaba e Guarani.

E o tão esperado ano de 2012 chegou. Fazendo parte do seleto grupo dos 20 melhores clubes do estado de São Paulo, o Grêmio Catanduvense não conseguiu repetir o bom primeiro semestre de 2011 e fez uma campanha fraca, sendo rebaixado logo no seu retorno à elite. Apesar do descenso, o time do técnico Roberval Davino, que comandou a equipe durante as 19 rodadas da primeira fase, conseguiu fazer boas partidas contra Palmeiras, que empatou por 1 a 1 após sair na frente, Corinthians, que perdeu por 2 a 1 de virada, e Portuguesa, que também terminou com um empate sem gols. Durante a fase de classificação do Paulistão Chevrolet 2012, o Catanduvense somou duas vitórias, sete empates e dez derrotas.

Em 2013, o clube disputou novamente a Série A2. Após conseguir a sétima colocação na primeira fase, a equipe de Catanduva acabou falhando na tentativa de voltar para a primeira divisão.

Estádio


E. M. Silvio Salles
Capacidade 16.444 Lugares

Mascote

Conhecida como a 'cidade feitiço', Catanduva é a casa do Grêmio Catanduvense de Futebol. Todos os que vêm morar aqui são “enfeitiçados e não saem nunca mais”. Seguindo a tradição da cidade, o Grêmio tem como sua mascote a bruxa com uma função especial: enfeitiçar seus adversários fora de casa e principalmente em seu caldeirão, o Estádio Municipal Silvio Salles, levando a equipe às glórias e vitórias.

domingo, 23 de agosto de 2015

Ceres Futebol Clube

Foi criado por marinheiros do 1º Distrito Naval, que moravam na Rua Céres, no bairro de Bangu. Participa inicialmente do Departamento Autônomo, campeonato de clubes amadores promovido pela FFERJ, sagrando-se campeão em 1985 e vice em 1986.
Estréia no profissionalismo em 1988 na Terceira Divisão de Profissionais. Fica na primeira fase em quarto lugar no seu grupo e é eliminado da fase final. Em 1989, se classifica em segundo na primeira fase e quase chega à final do campeonato, quando fica em segundo na sua chave.
A glória advém em 1990, quando se sagra campeão da Terceira Divisão, o título mais representativo da sua história. Contudo, em 1991, o Céres, que deveria ser promovido à antiga Segunda Divisão, que viraria nesse ano Módulo "B" da Primeira, é simplesmente remanejado juntamente com os outros times de seu módulo para uma Segunda Divisão com cara de Terceira. Fica em quinto lugar na classificação geral.
Em 1992, no mesmo módulo, fica em quinto lugar na fase inicial, não alcançando a seguinte. Em 1993, é apenas o oitavo em sua chave, repetindo uma campanha ruim. Em 1994, apenas o sétimo na fase inicial em seu grupo. No ano seguinte, é o segundo colocado em sua chave na primeira fase, terminando o campeonato em quarto no hexagonal final.
Em 1996, participa da Divisão Intermediária, que continua sendo na prática uma Terceira Divisão. Perde a final do primeiro turno para o Real Esporte Clube, de Angra dos Reis. No segundo turno, fica apenas com a terceira colocação, sendo eliminado da final.
Em 1997, é convidado a integrar a verdadeira Segunda Divisão de Profissionais, a que daria acesso à Primeira, composta pelos clubes da elite. Após ser campeão do primeiro turno da segunda fase, classifica-se para a final da competição, perdendo o título para o Friburguense, obtendo então seu melhor resultado na 2ª Divisão de Profissonais, o vice-campeonato. Em 1998, é eliminado na primeira fase, ficando em quarto na sua chave. No ano seguinte, a campanha é muito semelhante. A agremiação fica em terceiro, não prosseguindo na competição.
Em 2000, fica em segundo em sua chave na primeira fase, se classificando. Na fase seguinte, termina em sétimo na sua chave e sai da disputa final. Em 2001, é o segundo colocado no seu grupo na fase inicial. Na fase posterior, acaba em quinto lugar e é eliminado novamente.
Em 2002, o azul-celeste da Zona Oeste termina como líder em seu grupo na fase inicial, se classificando. Na seguinte, fica em terceiro e acaba eliminado, visto que apenas os dois primeiros lograram classificação.
Em 2003, acaba em terceiro na sua chave e é eliminado logo na primeira fase da competição. Em 2004, é sétimo apenas. No ano posterior é sexto. Em 2006, termina a primeira fase em quarto e também acaba eliminado. Em 2007, o clube licenciou-se e não disputou o Campeonato Carioca da Segunda Divisão, retornando à disputa no ano de 2008.
Em 2008, é quase rebaixado para a Terceira Divisão. Acaba em último lugar na sua chave na primeira fase e é obrigado a disputar uma espécie de torneio da morte ou de descenso com mais três equipes, no qual duas se salvariam e duas caíriam. O Céres termina em primeiro e se livra do rebaixamento.
Em 2009, não disputou a Segunda Divisão de Juniores, sendo eliminado da disputa Profissional. O clube alega que teria pedido licença à FFERJ, podendo retornar à mesma divisão em 2010.
Em 2011 classifica-se como líder do seu grupo na Primeira Fase da Série B, mas faz uma campanha abaixo do esperado na Segunda Fase e termina na 8ª posição.

O Ceres revelou grandes jogadores nacionais. Em Destaque , tem o Atacante Eduardo da Silva que começou no Ceres, se naturalizou Croata e hoje joga no Flamengo.
Estádio João Francisco dos Santos, capacidade para 5000 pessoas


Mascote Macaca Chita

sábado, 22 de agosto de 2015

Clube Atlético Tricordiano

Clube Atlético Tricordiano é um clube de futebol, sediado na cidade de Três Corações, no estado de Minas Gerais. O Tricordiano foi criado para substituir o antigo time da cidade, o Atlético Clube Três Corações. Hoje o clube é uma das maiores forças do Futebol no Sul do estado e do interior Mineiro. O Tricordiano disputa atualmente o Módulo I do Campeonato Mineiro. Vaga essa conquistada em 2015 com uma campanha histórica no Módulo II.

A História do Clube Atlético Tricordiano começou a ser construída no ano de 2007, quando o antigo time da cidade de Três Corações, o ACTC deixou de disputar jogos oficiais. A cidade de Três Corações ficaria então sem um time profissional para representá-la no futebol.

No dia 13 de Agosto de 2007 os ex-diretores do ACTC se reuniram e criaram o Clube Atlético Tricordiano, o novo time da cidade de Três Corações, herdando as cores e o apelido do antigo ACTC, o primeiro presidente do clube foi o ex jogador Adílson Paiva.

O Tricordiano disputou sua primeira partida no futebol profissional no dia 18 de Outubro de 2008, na estreia da 2º Divisão Mineira, o adversário foi o Sul Minas da cidade de Pouso Alegre. A partida foi disputada na cidade de Nepomuceno, no Estádio Getúlio Lima e o Galo saiu vitorioso, com o placar de Sul Mineiro 0x3 Tricordiano.
O ano de 2009 ficou marcado como sendo o ano do acesso do Tricordiano ao Módulo II do Mineiro. Após boa campanha na competição, o Tricordiano chegou a última rodada precisando apenas de um empate para garantir a classificação. O jogo foi contra o adversário direto na briga pela vaga, o Unitri de Araguari. A torcida lotou o estádio Elias Arbex, com cerca de 6200 torcedores e o time não decepcionou, venceu o jogo por 2x0 e garantiu a vaga no Módulo II de 2010.

Estádio Elias Arbex
O Estádio Elias Arbex está localizado na região central de Três Corações `Avenida Sete de Setembro S/N. Atualmente tem sua capacidade liberada para 2.800 torcedores. É formado por um pavilhão de arquibancada coberta e um pavilhão de arquibancada descoberta.

O estádio é de propriedade da Prefeitura Municipal de Três Corações, mas o Tricordiano o tem como sua casa.


Alcunhas CAT ; Galo de Três Coraçoes

Mascote Galo

sexta-feira, 21 de agosto de 2015

Campos Atlético Associação

Campos Atlético Associação é uma agremiação esportiva de Campos dos Goytacazes, no estado do Rio de Janeiro, fundada a 26 de outubro de 1912 . Criado por por idealização de Wanderley Barreto, seu primeiro presidente, surgia com o nome de Campos Athletic Association.

Tendo como suas cores o roxo, o preto e o branco, seu primeiro campo do clube era alugado ao extinto Lacerda Sobrinho Futebol Clube, no bairro da Coroa, vindo daí o nome da mascote Leão da Coroa.

Mais tarde o clube se instalou em outro campo em local próximo, mas já no bairro do Caju, mais precisamente na Rua Rocha Leão, atrás do antigo presídio da cidade, onde permaneceu até adquirir a área do atual estádio Ângelo de Carvalho localizado na Avenida Alberto Torres no Parque Leopoldina, obra de um estádio que jamais foi concluída, mas que mesmo assim, foi palco de muitos jogos importantes pelos campeonatos da cidade.

Dizem os mais antigos que o primeiro uniforme do clube foi constado de listras verticais em roxo, preto e branco, porém é possível achar fotos em que o clube se apresenta de branco e com um escudo bem diferente do utilizado ao longo de sua história.

O Campos foi campeão municipal nos anos de 1918, 1924, 1932, 1956 e 1976, além do Campeonato Fluminense de 1956, que não chegou a ser disputado em campo mas que deve ter o título reconhecido pela atual federação. Possui ainda a conquista do título de Campeão da Zona Norte do Interior do Estado do Rio de Janeiro no ano de 1976.

O Campos nunca deixou de integrar a primeira divisão do antigo Campeonato Campista que foi profissionalizado no ano de 1952. Também nunca deixou de fornecer jogadores aos selecionados escretes da Liga Campista de Desportos.

Seus maiores jogadores foram Rebolo, que veio a envergar a camisa do América Football Club nos seu grandiosos tempos, além de Hélvio, beque que chegou a jogar no Santos Futebol Clube. Ipojucan centroavante campeão em 1956. Manoelzinho, goleiro nos primeiros anos do clube e cobiçado pelos grandes da capital, nunca deixou o roxinho. Crisolino, lateral esquerdo que marcou época no clube. Jorge Chinês, teve sua vida dedicada ao clube como jogador, e depois dirigente, dos mais renomados amigo de Zizinho com quem jogou junto ao time do Exército, além de Bimba, jogador admirável que resta para sempre na memória de quem o viu jogar.

Pelo Campos, ainda atuaram jogadores de renome nacional como o zagueiro Brito e o meio-campista Afonsinho num jogo amistoso contra o Palmeiras na década de 70, década esta que nunca deveria ter acabado, pois foi nela em que o clube teve seus últimos bons momentos no futebol, que no transcorrer dos anos deixou o futebol de lado em alguns momentos se dedicando mais a parte social.

Vindo a forma hora ou outra equipes na categorias infantil e juvenil nos campeonatos promovidos pela atual Liga Campista de Desportos e até mesmo pela FFERJ.

Em 2008, as equipes de infantil e juvenil se sagraram campeãs do Campeonato Campista 2008 nas respectivas categorias. Após muitos anos, o time está criando uma nova equipe para a categoria adulta ("profissional"), embora a equipe seja amadora para a disputa da Taça Cidade de Campos 2008.
A última vez que o clube se aventurou no profissionalismo foi quando disputou a Terceira Divisão do Estado do Rio em 1988 e 1989.
Após 26 anos ausente da esfera profissional, o Campos Atlética Associação está de volta. O Roxinho do Parque Leopoldina, fundado no dia 26 de Outubro de 1912, estreia no Campeonato Carioca da Série C, no dia 03 de Maio de 2015, diante do Artsul, de Nova Iguaçu, em casa, no Estádio Angelo de Carvalho.

Alcunhas Roxinho do Parque Leopoldina
Mascote Leão da Coroa

Estádio Angelo de Carvalho
Capacidade 2.000

quinta-feira, 20 de agosto de 2015

Monte Cristo Esporte Clube

O Monte Cristo Esporte Clube é um clube de futebol da cidade de Goiânia, capital de Goiás. Fundado no dia 26 de janeiro de 1970, é um dos clubes mais curiosos do futebol goiano, tendo conquistado o título da Segunda Divisão de Goiás invicto em 1980. O clube porém é mais marcado pelas suas fracas campanhas dentro de campo nos últimos anos.

O Clube foi fundado em janeiro de 1970 como um clube amador da capital goiana, assim conquistando diversos títulos amadores nos anos 70, até que se profissionalizou em 1980 e disputando a Segunda Divisão de Goiás.
Em 1980, o Monte Cristo sagrou-se campeão invicto da segunda divisão do Campeonato Goiano, conquistando o acesso à série principal do torneio.
Em sua primeira participação na primeira divisão, em 1981 o time foi o último colocado, somando apenas 5 vitórias em 40 jogos disputados. Como não houve rebaixamento naquela temporada, o clube disputou o certame de 1982 e novamente foi o último colocado, com apenas 3 vitórias em 22 jogos. Desta vez, porém, o time não escapou do descenso.
Em 1983, de volta à segunda divisão, o Monte Cristo foi o 6° colocado dentre 10 participantes.
Em 1984 a equipe conquistou o acesso, após o vice-campeonato da segunda divisão (o Goiatuba foi o campeão daquele ano). No jogo que garantiu o ascenso, em 25/11/1984, a equipe só precisava empatar, mas fez 3 a 1 no Santa Helena.
Em sua terceira presença na primeira divisão goiana, em 1985, o time foi o 10° colocado na fase de classificação (dentre 12 participantes) e teve que disputar o "torneio da morte". Somando os pontos da fase de classificação e os do "torneio da morte", o Monte Cristo acabou na 11° e penúltima colocação do campeonato, amargando um novo rebaixamento, com modestas 7 vitórias em 30 jogos disputados.
A partir de 1986, a "Águia" tornou-se assídua participante da segunda divisão goiana. Entre 1986 e 1996, a equipe goianiense só ficou de fora dos certames de 1988 e 1993. Entretanto, o time fez a pior campanha em todos os 9 campeonatos que disputou, um verdadeiro recorde negativo. Para piorar a marca, nos anos de 1989, 1995 e 1996, o Monte Cristo perdeu todos as partidas.
Depois desta péssima fase de sua história, o time se licenciou das competições profissionais.
Em 2000, o Monte Cristo voltou aos gramados goianos, para disputar mais um Campeonato Goiano da segunda divisão. Mas desta vez, o time fez uma razoável campanha. Conseguiu chegar ao octogonal final e acabou obtendo a 7° colocação final no campeonato, dentre 12 participantes.
Em 2001, o time chegou a disputar 5 partidas da segunda divisão, mas foi eliminado precocemente do campeonato por problemas financeiros com a Federação Goiana.
Depois disso, a "Águia" viveu mais um período de afastamento do futebol profissional.
O clube voltou às atividades em 2004, desta vez na terceira divisão estadual. Disputou ainda os certames de 2005 e 2006, consignando mais um recorde negativo em sua história: em 14 partidas, somou 13 derrotas e 1 empate.
Em 2007, o time licenciou-se novamente.
Em 2008, o Monte Cristo retorna à disputa da terceira divisão, mas faz outra péssima campanha, perdendo todos os seus 6 jogos. Neste certame, aliás, a equipe goianiense acabou levando uma histórica goleada do Inhumas: 12 a 1, em Inhumas, no dia 9 de novembro daquele ano.
Em 2009, depois de passar por uma reestruturação, o Monte Cristo conseguiu um feito: finalmente venceu a primeira partida na terceira divisão do Campeonato Goiano. A vítima foi o Mutunópolis, derrotado em casa pelo placar de 3 a 2, em 21 de outubro daquele ano. A "Águia" não vencia uma partida oficial desde 26 de abril de 2001.
Apesar de quebrar o jejum de vitórias, o triunfo foi o único do clube em todo o campeonato. A equipe acabou de novo na última colocação do certame: 7° lugar dentre os 7 participantes, com 1 vitória, 1 empate e 10 derrotas; 12 gols marcados e 41 sofridos. Em seu penúltimo jogo, aliás, o Monte Cristo foi goleado em casa pelo Rio Verde por 8 a 0.
Em 2010 o Monte Cristo conseguiu seu melhor desempenho em Campeonatos Goianos da 3ª Divisão, pela primeira vez o clube não termina o certame na lanterna, porém a campanha foi pífia. Com duas vitórias e um empate, a Águia sagrou-se vice-lanterna na competição que possuia 6 equipes.
Em 2011, em mais uma participação na 3° Divisão do Campeonato Goiano, o Monte Cristo foi o último colocado do torneio, com mais uma campanha de derrota em todos os jogos. Foram 10 derrotas em 10 partidas.

quarta-feira, 19 de agosto de 2015

Cáceres Esporte Clube

Cáceres Esporte Clube é um clube brasileiro de futebol da cidade de Cáceres, no estado de Mato Grosso. Foi fundado dia 10 de janeiro de 1977. Suas cores são o azul e o branco. O time é mais conhecido como Crocodilo do Pantanal. Disputou o Campeonato Mato-Grossense pela primeira vez em 1977. Ficou fora da competição em 1978 e depois de 1980 até 1986, voltando em 1987 e participando até o campeonato de 2001, quando após a primeira rodada decidiu abandonar a competição alegando problemas financeiros. Foi punido pela Federação Mato-Grossense de Futebol e só voltou ao campeonato em 2009. Nunca foi campeão e também nunca disputou uma competição nacional.


Estádio Luís Geraldo da Silva (Geraldão)
Capacidade 5.000

terça-feira, 18 de agosto de 2015

Balsas Futebol Clube

O Balsas Futebol Clube é um clube brasileiro de futebol, de Balsas, no Maranhão.

Em 2012, a equipe disputou sua primeira competição oficial: o Campeonato Maranhense da 2ª Divisão, no qual a conseguiu o acesso e também sagrou-se campeão, conquistando seu primeiro título da história.

Nos anos de 2013-2015, o clube disputou o Campeonato Maranhense da Primeira Divisão.
Em 2013, a equipe terminou o campeonato maranhense na 6ª coloção, com 9 pontos, mantendo-se na elite maranhense.
Em 2014, a equipe terminou o campeonato maranhense na 3ª colocação do grupo B e 8ª colocação geral, com apenas 3 pontos. Mesmo assim, o clube escapou do rebaixamento.
Em 2015, a equipe terminou o campeonato maranhense na 8ª colocação, com apenas 5 pontos. Com isso, a equipe foi rebaixada para a 2ª divisão estadual.
Em 2016, o clube disputará a Segunda Divisão Maranhense.


Estádio 
Cazuza Ribeiro
Capacidade 10.000


Alcunhas Vermelhão do Sul ;Tricolor da soja

segunda-feira, 17 de agosto de 2015

Batatais Futebol Clube

Fundado a partir de uma dissidência do Riachuelo, o Batatais – na época grafava-se “Batataes” – surgiu no dia 18 de setembro de 1919. Sua fundação deve muito aos esforços do coronel Olvídeo Tristão de Lima, que teve importante papel nos primeiros anos do clube e hoje é considerado seu patrono e presidente de honra. Tristão também foi responsável pela doação do terreno onde foi construído o primeiro campo do Batatais, e que hoje abriga o estádio Doutor Osvaldo Scatena.

O início da equipe foi melhor do que esperavam seus fundadores. O clube estreou dia 25 de outubro de 1919 com uma vitória diante da Associação Atlética Olímpica, então tradicional equipe de Jordanópolis. Quinze dias depois a vítima foi o Altinópolis; goleada por 7 a 0.

Na década seguinte o clube ganhou o apelido de “Fantasma da Mogiana”, devido ao temor que provocava nos adversários da região. Entre 1934 e 37, o Batatais disputou mais de cem partidas, sendo derrotado em apenas três oportunidades. Em 1945, o clube alcançou seu maior feito, o título de campeão paulista do interior. Na época esta era a maior honra que um time de fora da capital podia alcançar.

Mas ainda era pouco para o Batatais. O clube juntou forças com a Ponte Preta e o XV de Piracicaba – outras potências do futebol interiorano na época – e pleiteou junto a Federação Paulista o direito de disputar campeonatos profissionais. A pressão deu certo e em 1947 foi criada a Lei do Acesso. Com isso formou-se a Segunda Divisão Paulista, que passou a contar com clubes de fora da capital.

Entre 1947 e 1949, o Batatais disputou a competição que ajudara a fundar chegando bem perto do acesso em 1949. Naquele ano o time chegou às finais contra o Guarani, mas acabou perdendo por 2 a 1 em jogo disputado na Rua Javari, em São Paulo. Insatisfeita com a arbitragem, a diretoria retirou o clube das competições profissionais, retornando somente em 1956.

Entre 1956 e 1967, o clube retornou ao profissionalismo, contando com grandes atletas que fizeram renascer o “Fantasma da Mogiana” na disputa da Segundona. Apesar das boas campanhas no período, o clube nunca conseguiu chegar à elite do futebol paulista.

Em de 1968 houve uma nova paralisação. O Batatais deixou de investir em seu departamento de futebol para construir seu estádio, o Doutor Oswaldo Scatena. Com a inauguração do novo campo, em 1971, o Fantasma voltou aos gramados na então Primeira Divisão (Série A2), competição que disputou até 1976, quando foi rebaixado para o terceiro nível do futebol Paulista, que aquele ano mudou de nome para a Primeira Divisão (a então Primeira passou a ser Intermediária).

O clube disputou a Primeira Divisão (A3) até 1981, quando conseguiu o acesso para a Segunda Divisão (A2). Sua participação no torneio duraria cinco temporadas, até 1986, quando o time foi rebaixado e voltou ao terceiro nível do Paulistão (à época Segunda Divisão, equivalente a atual Série A3).

Em 1993, o Batatais sofreu um novo rebaixamento, desta vez para a Série B1 (atual Segunda Divisão). O time amargaria 15 anos nesta divisão até conseguir o acesso para a A3, em 2008. Em 2009, na reestreia na A3, o Batatais ficou na 13º posição, garantido uma vaga na Copa Paulista onde não foi bem, sendo eliminado na primeira fase.

Desde então, gradativamente, o clube melhorou sua participação no estadual. Em 2010, lutou contra o rebaixamento, em 2011 lutou por uma vaga na segunda fase, o que foi conquistado em 2012, quando acabou eliminado e não conseguiu o acesso. Em 2013, porém, o clube conseguiu o tão sonhado acesso à Série A2 após fazer a terceira melhor campanha na primeira fase e liderar a sua chave no quadrangular semifinal.

Estádio


Estádio Dr. Osvaldo Scatena
Capacidade 15.000 Lugares

Mascote 
Ye, Caty e Pavão, Lulu, Orlandão e Neca, Netto, Coelho, Chiquinho, Zé Lopes e Bicicleta. Essa era a formação de 1934 do “Batataes FC”, como se grafava à época. Com esta equipe, o Batatais formou a primeira fase áurea do esporte local. O “Quadro de Ouro” venceu tudo e a todos na região, ganhando o apelido de “Fantasma da Mogiana”. O nome se deve à Estrada de Ferro Mogiana, que nascia em Campinas e passava por Ribeirão Preto, Batatais e outras cidades do norte do Estado em direção ao Triângulo Mineiro. Daí surgiu o “fantasminha”, mascote do clube.


Site

domingo, 16 de agosto de 2015

Associação Esportiva Evangélica

Associação Esportiva Evangélica, mais conhecida simplesmente como Evangélica ou ASSEV, é um clube brasileiro de futebol da cidade de Paraúna, no estado de Goiás . Possui o azul e o branco como cores oficiais. Manda seus jogos no Estádio José Pereira de Souza.  

Associação Esportiva Evangélica é fundado em 18/08/1981

Atualmente, o clube disputa a Terceira Divisão do Campeonato Goiano.

sábado, 15 de agosto de 2015

Cruzeiro Futebol Clube

O Cruzeiro Futebol Clube é um time de futebol profissional da Região Administrativa do Cruzeiro, no Distrito Federal. Fundado no dia 10 de maio de 2000, é uma equipe jovem do futebol brasiliense conhecido como Carcará do Cerrado. É a terceira equipe a representar a cidade do Cruzeiro no Campeonato Brasiliense. Seus antecessores foram a A.E. Cruzeiro do Sul no período do futebol amador (anos 60) e a ARUC (2000 a 2005). Além do profissional, o Cruzeiro mantém um forte trabalho nas categorias de base. Seu uniforme tem as cores azul e branco. Seu mascote é um Carcará, seu primeiro escudo foi criado baseado na bandeira da cidade do Cruzeiro e hoje tem o carcará estampado em seu meio.

No ano de estréia no Campeonato Profissional da Divisão de Acesso o time mandava seus jogos no Mané Garrincha. O campeonato teve 13 equipes e o Cruzeiro disputou a 1ª fase pelo Grupo C, não alcançando a classificação para fase seguinte. Foram 8 jogos com 2 vitórias, 1 empate e 5 derrotas. A equipe marcou 10 gols e sofreu 19 e terminou na 10º posição com 7 pontos ganhos.

Em 2005 o campeonato é disputado por 8 equipes que jogam entre si em turno único para classificar os quatro melhores para as semi-finais. O Cruzeiro passa a mandar seus jogos no Estádio do Cruzeiro (Ninho do Carcará) e termina em 6º lugar com 2 vitórias, 2 empates e 3 derrotas. A equipe marca 11 gols e sofre outros 11 e totaliza 8 pontos ganhos. Joãozinho é o artilheiro do campeonato com 8 gols.

O ano de 2014 começou parecendo ser complicado. Com problemas financeiros, a equipe acabou não disputando os torneios das categorias de base nos quais sempre vinha muito bem. O que poderia ser o início de um ostracismo acabou sendo uma grande virada. O clube decidiu disputar pela 11ª vez consecutiva a Divisão de Acesso e foi coroada com o maior objetivo de sua história. Em um campeonato marcado por grandes problemas como desistências de clubes, paralisação e jogos com portões fechados, o Cruzeiro alcançou o 2º lugar e o tão sonhado acesso para Primeira Divisão. O vice-campeonato teve 7 Pontos Ganhos em 6 Jogos. Foram 2 Vitórias, 1 Empate, 3 Derrotas, 10 Gols Pró e 11 Gols Contra. Finalmente o Carcará do Cerrado chegava ao Candangão!
evolução dos escudos

Site


Estádio Ninho do Carcará
Capacidade 1.000

sexta-feira, 14 de agosto de 2015

América Football Club

O América Football Club e um clube brasileiro de futebol, sediado na cidade de Fortaleza, capital do estado do Ceará, fundado em 11 de novembro de 1920. O clube possui os títulos estaduais de 1935 e 1966. Atualmente, esta na segunda divisão do campeonato cearense.
Tem autonomia estatuária para mesclar o nome e permitir a inclusão de um parceiro, na administração e na denominação, e é por simpatia o segundo clube de torcida de todos os cearenses.

Duas vezes campeão estadual, em 1935 e 1966, o América caiu para a Segunda Divisão do Campeonato Cearense em 1997 e em 2004 para a terceira divisão,depois denominada Série C onde permaneceu até 2013 quando sagrou-se campeão .Atualmente o clube disputa a Série B cearense (antiga segunda divisão). O histórico ex-presidente do clube, o jornalista e radialista Alberto Damasceno, após 23 anos no cargo, foi substituído por seu filho, Jean Paolo Damasceno, no fim dos anos 2000.Em 2009 o clube passou para as mãos do atual presidente Cleston Sousa Santos.
É o clube cearense que mais realizou jogos no exterior, e o que mais exportou jogadores para outros Países, exatamente 137 nos últimos 15 anos.

Títulos 


Campeonato Cearense: 2 vezes (1935 e 1966).
Torneio Início do Ceará: 6 vezes (1924, 1950, 1956, 1957, 1963 e 1970).
Campeão Cearense Aspirante: 1937,1939 e 1948
Campeão Cearense Infantil: 1921 1922 e 1940
Campeão Cearense Juvenil: 1933

Mascote

O mascote do América é a Águia, que a partir da década de 1990 virou o mascote oficial do clube, em substituição ao Diabo, o mascote anterior.

Hino
 
América, América, América
O grande amor de todos nós
Rumo certo de nossas crianças
Orgulho de nossos avós
Tua história começa juvenil
O futuro projeta vitórias mil
Tu és orgulho cearense
Tu és orgulho do Brasil
Cada esporte praticado
Cada título conquistado
Enobrece o teu presente
Fortalece o teu passado
América que todos amam
Clube forte e varonil
Tu és orgulho cearense
Tu és orgulho do Brasil
Tua cor é vermelho forte
Estímulo para os atletas
O lema é “Paz no Esporte”
Da escola, o brado de alerta
América, meu, seu, de todos nós
América, América, América
Tu és orgulho cearense
Tu és orgulho do Brasil
HinoAmérica, América, América
O grande amor de todos nós
Rumo certo de nossas crianças
Orgulho de nossos avós Tua história começa juvenil
O futuro projeta vitórias mil
Tu és orgulho cearense
Tu és orgulho do Brasil Cada esporte praticado
Cada título conquistado
Enobrece o teu presente
Fortalece o teu passado América que todos amam
Clube forte e varonil
Tu és orgulho cearense
Tu és orgulho do Brasil Tua cor é vermelho forte
Estímulo para os atletas
O lema é “Paz no Esporte”
Da escola, o brado de alerta América, meu, seu, de todos nós
América, América, América
Tu és orgulho cearense
Tu és orgulho do Brasil

quinta-feira, 13 de agosto de 2015

Santos Futebol Clube

O Santos foi fundado por Eugênio Sicilli Ribeiro, um rico cidadão da cidade de Manaus. Torcedor do Santos Futebol Clube de São Paulo, ele decidiu criar um time com o mesmo nome, mas com outras cores para dar originalidade. Convidou alguns amigos para tal, e, no primeiro dia de maio de 1952, estava fundada a equipe.
O time, após criado, ficou parado quase o resto do ano todo, uma vez que o Campeonato Amazonense daquele ano já havia se iniciado. Somente em dezembro o time entrou em campo pela primeira vez; fez um jogo beneficente contra a seleção da cidade e empatou por 1 x 1.
No ano seguinte, entretanto, o clube trabalhou sério. Participou do Torneio Início e do Amazonense, além de um torneio amigável de pequena monta, e fez campanhas apenas razoáveis. Em 1954 e 1955, a mesma coisa. Cansado de presidir um time que não se destacava nem aumentava de torcida, Eugênio Ribeiro contratou para o time o atacante Fábio Andrade, conhecido no futebol local, e o técnico José Carlos Maranuá, famoso por fazer bons trabalhos em clubes do Centro-oeste.
As campanhas estaduais de 1956 foram melhores, mas ainda sem títulos. Entretanto, o time ingressou, naquele ano, num campeonato chamado Taça Magna de Manaus, que envolvia alguns clubes profissionais, mas a maioria era de amadores. O Santos foi campeão invicto, com Fábio na artilharia.
No ano seguinte, durante o Amazonense, que ia bem, iniciou-se a construção do Estádio Manoel Ribeiro (o pai de Eugênio), protagonizada pelo Santos. Era um campo de dimensões mínimas com arquibancadas para três mil pessoas. O Santos foi vice-campeão estadual e disputou a Taça já no Manoel Ribeiro, sendo de novo campeão.
Em 58, Eugênio Ribeiro trouxe alguns reforços que custaram uma quantia considerável; com um time de qualidade e entrosado com o técnico, finalmente a equipe foi campeã amazonense. As finanças do clube andavam doentes; Eugênio ainda quis distribuir "bichos" para os atletas, acabando com a conta bancária do Santos.
Para conter despesas, o clube decidiu não participar da Taça e não treinar durante todo o tempo. Parte dos atletas foi vendida. Em 1959, a equipe fez um Torneio Início ruim, mas Eugênio insistiu em colocá-la no Amazonense. No primeiro jogo, Fábio Andrade se lesionou e ficou de fora o resto da competição. Bastou isso para que a equipe fosse um fiasco, fazendo sua pior campanha na história.
Após o campeonato, Eugênio decidiu vender Fábio, e assim saldou o restante das dívidas. Entretanto, José Maranuá, que era outro sustentáculo do time, teve de viajar ao Mato Grosso para supostamente cuidar da mãe doente; no entanto, semanas depois, Eugênio descobriu que a mãe de Maranuá morrera há tempos, e a história era um pretexto. Na verdade, o tecnico recebera uma excelente proposta de um time local e decidira sair do Santos sem despedidas. Quando contatado pela diretoria do Santos, não respondeu. O time amazonense havia perdido mais uma peça fundamental.
Sem as duas peças fundamentais, o time foi surrado de todas as maneiras em 60, nos estaduais. Eugênio desistiu de comandar a equipe e renunciou em favor de Eriberto Alvaréz. O novo presidente terminou de acabar com o time; vendeu o estádio e doou todo o dinheiro para uma instituição de caridade. Após péssimas campanhas seguidas, o clube não teve saída senão acabar.

Campeão Amazonense 1958

quarta-feira, 12 de agosto de 2015

Clube Esportivo Flamengo

O Clube Esportivo Flamengo, mais conhecido como Flamengo de Guanambi, é um clube de futebol brasileiro com sede na cidade de Guanambi, no estado da Bahia. Suas cores são vermelho, preto e branco.

Fundado em 15 de setembro de 2009.

No ano de 2013 participou pela primeira vez de uma competição oficial, o Campeonato Baiano série B chegando a semifinal onde foi eliminado pelo Galícia terminando a competição em terceiro lugar.

Em 2014 repetiu o feito do ano anterior terminando em terceiro lugar por diferença de um gol de saldo, onde deixou a vaga escapar dentro de casa com o Estádio 02 de Julho lotado. Campeonato esse que passou a ser disputado por pontos corridos.

No dia 14 de Junho de 2015 no estádio 02 de Julho o Flamengo de Guanambi conseguiu a tão sonhada vaga para elite do futebol Baiano, onde derrotou o Jequié pelo placar de 5x1. Feito este que dará ao Flamengo de Guanambi o privilégio de no ano de 2016 disputar a Primeira Divisão do Campeonato Baiano de Futebol.

Em 28.06.2015 o Flamengo de Guanambi conquistou o seu 1º título profissional ao vencer o Fluminense de Feira de Santana no estádio Joia da Princesa pelo placar de 1X0, gol de Rafael Granja, erguendo assim o caneco de campeão baiano da série B de 2015, mesmo atuando fora dos seus domínios.
Estádio
A equipe manda suas partidas no Estádio 2 de Julho, em Guanambi. Estádio este que passará por uma grande reforma aumentando sua capacidade para 7.500 torcedores. Seu presidente é Washington Cardoso.

terça-feira, 11 de agosto de 2015

Doze Futebol Clube

O Doze Futebol Clube (conhecido simplesmente como Doze ou ainda como Doze FC) é uma agremiação esportiva brasileira com sede na cidade de Vitória, no Estado do Espírito Santo. O clube foi fundado em 15 de novembro de 2014 por um grupo de empresários liderados por Israel Levi, com intuito de aplicar um novo formato de gestão e entretenimento no futebol brasileiro, o Crowdmanaging.

Insatisfeito com o formato de gestão dos clubes brasileiros e como os torcedores são tratados pelos mesmos, Israel Levi iniciou em 2012 estudos para desenvolver um novo método de gestão que potencializasse os resultados e tivesse maior participação do principal interessado no futebol: o torcedor. Após alguns anos de pesquisas e aperfeiçoamento do projeto junto a universidades americanas, Israel chegou ao modelo que ele próprio intitulou de Crowdmanaging. Com o conceito idealizado e um projeto que promete revolucionar a forma de fazer futebol, Israel começou sua peregrinação para testar a ideia. Após apresentar a alguns amigos, empresários de diversos setores, e ter imediata aderência, chegou a hora de colocar em prática e tirar o Doze do papel.

Começava, então, uma nova etapa, a busca de parceiros para a execução do projeto. O primeiro contrato foi fechado em 13 de outubro de 2014 com a empresa de marketing esportivo Serápis Bey Sports & Marketing (ou SB Sports como é mais conhecida), que desde então é responsável por todo o planejamento e gestão do departamento de marketing e comercial do clube. A SB Sports iniciou os trabalhos imediatamente, desenvolvendo da marca (escudo), identidade visual e buscando patrocinadores e parceiros para o clube, fechando os primeiros contratos com a Ícone Sports – para fornecimento todo o material esportivo para as duas primeiras temporadas do Doze – e com o Hotel Fazenda China Park – que será o Centro de Treinamento da equipe. Outro importante contrato fechado foi com Costa & Martins Advogados Associados, responsável por toda parte jurídica do clube.

Após a filiação na Federação de Futebol do Estado do Espírito Santo (FES) e confirmar a participação no Campeonato Capixaba de Futebol – Série B, o clube começou a organizar o departamento de futebol e a busca por atletas para formação do primeiro time profissional. Os primeiros jogadores anunciados pelo Doze Futebol Clube foram o zagueiro Irineu e o volante Rildo. Pouco depois, o ex-atacante Sorato e o ex-goleiro Carlos Germano foram confirmados como técnico e auxiliar-técnico, respectivamente. Outro nome de peso contratado foi o experiente volante Jonílson.

No primeiro jogo oficial da sua história, o Doze Futebol Clube venceu o Grêmio Esportivo Laranjeiras (GEL) por 1 a 0, no Estádio Salvador Costa, em Vitória, pela Série B do Campeonato Capixaba. O volante Luan, de pênalti, aos 31 minutos do primeiro tempo, marcou o primeiro gol da história do clube.

A proposta do Doze FC é revolucionar o futebol nacional com um modelo de gestão jamais visto e proporcionando experiências únicas aos seus torcedores, que pela primeira vez na história do futebol terão poder de decisão nos assuntos do time.

No primeiro ano de existência, o Doze FC conquistou o acesso para o Campeonato Capixaba de Futebol de 2016 - Série A, com 1 rodada de antecedência, após vencer o G.E.L., por 3x0 (gols de William Chrispim, Diego Godinho e Danilo Silva).

Site